Furacões, terremotos, a Rocinha... Avalanche de notícias negativas pode nos levar ao “medo líquido”

Estresse, ansiedade e insegurança generalizada são algumas das consequências da superexposição a informações alarmistas

Nas últimas semanas, assistimos ou lemos, como espectadores e leitores, a uma avalanche de más notícias. O incêndio que matou crianças em uma creche em Minas Gerais, o assassinato de dois adolescentes por um colega de escola em Goiânia, os desastres naturais na América do Norte e no Caribe, violência na Rocinha, atentados terroristas e outros crimes em massa se sucederam sem trégua. As consequências de se expor a tantos acontecimentos negativos, que além disso ocorrem em lugares diferentes e por causas distintas, “pode gerar um estado de insegurança generalizada, que se denomina medo líquido”, explica ao EL PAÍS o psicólogo espanhol Luis García Villameriel.

MAIS INFORMAÇÕES

O sociólogo Zygmunt Bauman dedicou um de seus ensaios a esse termo. “O medo é mais terrível quando é difuso, disperso, pouco claro; quando flui livremente, sem amarras, sem âncoras, sem lar nem causa nítidos; quando nos ronda em silêncio; quando a ameaça que deveríamos temer pude ser vislumbrada em todas as partes, mas é impossível de ser vista em um lugar concreto”.

Podemos não estar vivendo na pele nenhuma dessas notícias, mas ler cada uma delas provoca uma sensação de desproteção, que é “fruto do contato prolongado, contínuo e intenso com esse tipo de informação”. É isso o que se considera medo líquido e é como explica o fenômeno a psicóloga Vanessa Clemente.

Os principais afetados por essa corrente de más notícias são as pessoas que tendem a sofrer de estresse, depressão e ansiedade. “O problema ocorre quando se passa da empatia à simpatia e se começa a viver essas emoções negativas como próprias”, destaca Clemente, especializada em trauma.

Mas, segundo Luis García Villameriel, existe uma hierarquia entre essas notícias catastróficas: “Somos muito mais afetados pelas tragédias provocadas pela mão humana, como os incêndios criminosos, do que por aquelas que são produtos de um erro ou da natureza, como é o caso de um terremoto”.

O medo líquido ou, em outras palavras, o sentir-se vulnerável sem encontrar um culpado ou uma solução concreta, “é um terreno fértil para que a sociedade tenda a renunciar a suas liberdades individuais frente a líderes que lhes oferecem proteção. Foi a mesma sensação de insegurança que definiu eleições como a de Trump ou o Brexit”, adverte o psicólogo, co-autor do livro Psicología del Miedo.

Os dois especialistas dão algumas dicas para evitar se sentir afetado por tantas notícias negativas.

- Diminua a exposição. Consultamos nosso celular entre 80 e 110 vezes por dia. Com uma frequência tão alta, é complicado não nos expormos de maneira permanente a esse tipo de informação. Isso também ocorre nos meios de comunicação convencionais e também através de comentários nas redes sociais. “Ser seletivo é fundamental para conseguir uma mudança”, comenta Villameriel.

- Conheça-se melhor. “O medo e o estresse são recursos positivos na vida, mas é preciso estar consciente do nível que você consegue aguentar. Portanto, desconecte-se antes de cruzar essa linha”, recomenda Vanessa Clemente.

- Escolha o melhor momento. Faça duas pausas durante o dia para ler ou assistir notícias. Não se trata apenas de ser seletivo. “Ao saber quando vai se informar, você fica melhor preparado psicologicamente para o que poderá encontrar pela frente”, aponta o psicólogo.

- Distancie-se. Villameriel recomenda fazer uma análise mais crítica das notícias, e usar mais a razão do que a emoção. “Se o que você está lendo não traz novas informações, porque voltar a ficar chateado”, explica. Isso não significa ficarmos totalmente insensíveis. “Apesar de ser um mecanismo de defesa natural, ele só funciona a curto prazo e não resolve o problema”, adverte Clemente.

- Cuide-se. “É possível compensar os efeitos negativos do medo líquido quando estamos dormindo e nos alimentando melhor. E praticando esportes ou relaxamento ativo, como ioga ou meditação”, explica Clemente. “Beba mais água. Ainda que pareça absurdo, isso ajuda, já que o cérebro precisa se hidratar quando estamos estressados”.

- Contrabalançar com notícias positivas não funciona. A empatia com acontecimentos negativos é muito mais forte do que com notícias positivas. Saber que uma senhora de uma cidadezinha do interior ganhou na loteria de maneira inusitada é algo que pode nos fazer sorrir, mas “no fundo não nos afeta no dia a dia”, segundo Villameriel. É um fato que não vai nos fazer sentir que tudo está bem em nossa vida. Assim como ver nosso time ganhar nos distrai, mas só até certo ponto.