Pandemia de coronavírus

Bolsonaro usa o futebol para forçar relaxamento da quarentena

Apesar da resistência de jogadores, Governo recorre a apelo pela volta dos jogos como estratégia para enfraquecer posição de governadores favoráveis ao isolamento social

Jair Bolsonaro posa ao lado de Rogério Caboclo, presidente da CBF.
Jair Bolsonaro posa ao lado de Rogério Caboclo, presidente da CBF.Lucas Figueiredo / CBF

Se em março dizia que a paralisação dos campeonatos “contribui para a histeria” diante da pandemia de coronavírus, agora, o presidente Jair Bolsonaro, que nesta quarta-feira caminhou pelo Palácio da Alvorada com uma camisa do Palmeiras prometendo dar aval aos jogos de futebol, cerra fileiras pela volta imediata das competições. Na segunda, pela terceira vez nas últimas duas semanas, ele já havia defendido a retomada do esporte mais popular do país. “Fui procurado por autoridades do futebol. Se depender do meu voto, eu aprovo. Logicamente, com parecer técnico do Ministério da Saúde, que acho que será favorável a começar a realizar treinamentos”, disse o presidente em entrevista coletiva.

No mesmo dia, dois integrantes do Governo também se manifestaram publicamente em defesa do reinício dos torneios. “Nós já estamos conversando com os clubes sobre retomar as atividades. Essa retomada será com portões fechados, porque a nossa preocupação principal é com a saúde. Sem público, a volta do futebol é relativamente mais simples”, afirmou Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade e Emprego subordinado ao ministro da Economia, Paulo Guedes. O novo chefe da Saúde foi outra autoridade a fazer coro ao plano. “Existe um pedido da CBF para avaliar o retorno de jogos sem público. Ainda estamos estudando, mas são iniciativas que, de alguma forma, poderiam trazer uma rotina um pouco melhor para as pessoas, porque o enclausuramento tem impacto muito negativo no bem-estar das pessoas”, declarou Nelson Teich.

Mais informações

Em reunião por videoconferência com presidentes de federações nesta terça-feira, a CBF rechaçou ter solicitado diretamente a intervenção do Governo pela retomada dos campeonatos. A entidade reforçou que está finalizando um protocolo médico para orientar a volta às atividades assim que as autoridades sanitárias permitirem. Favoráveis ao reinício dos estaduais em maio, cartolas das federações redobram a aposta no lobby em Brasília por entender que a troca de nomes no Ministério da Saúde configura o cenário propício ao fim da paralisação de jogos, já que Teich tem se mostrado mais alinhado às determinações presidenciais que o antigo ministro, Luiz Henrique Mandetta.

Quando o Brasil já registrava as primeiras mortes por coronavírus, Bolsonaro defendia que as partidas deveriam continuar acontecendo, com cargas menores de ingresso, “para proteger empregos e a economia”. O argumento ainda é o mesmo, porém, neste momento, o presidente apoia a liberação dos jogos sem torcida para acelerar o relaxamento da quarentena. Como não obteve sucesso em reabrir o comércio em ampla escala, o futebol passou a ser o trunfo do Governo para pressionar gestores locais relutantes em afrouxar as medidas de isolamento social. A fala de Teich, por exemplo, sugere que a retomada das transmissões de partidas pela televisão poderia amenizar a restrição de opções de lazer para torcedores que seguem confinados em casa.

No entanto, a jogada do Planalto esbarra na resistência de prefeitos e governadores, que avaliam até mesmo ampliar a vigência das medidas restritivas no atual estágio da pandemia, que já contabiliza mais de 5.000 mortes pelo país. Em São Paulo, a Secretaria da Saúde já avisou à Federação Paulista de Futebol (FPF) que o reinício do campeonato só poderá ser avalizado pelas autoridades locais a partir de 8 de maio, data em que o governador João Doria promete anunciar um plano de flexibilização da quarentena no Estado. No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel tem se posicionado contrário ao retorno do futebol no curto prazo. “A pandemia ainda é grave e considero que não é adequado para a saúde e a segurança dos atletas ou de todos aqueles envolvidos nos jogos e treinamentos.”

A CBF orientou que, para concluir os torneios regionais, dirigentes sigam as determinações dos governos de cada Estado. Por outro lado, a pressa em reiniciar os campeonatos é sustentada por duas razões. A primeira, das federações, interessadas em finalizar os estaduais antes que se tornem completamente inviáveis por falta de datas no calendário e comprometam o pagamento integral das cotas de televisão. A segunda, dos clubes, que veem o período de férias concedidas aos atletas se encerrar no fim deste mês e precisam lidar com folhas salariais milionárias sem a perspectiva de voltar a lucrar com bilheteria este ano.

É o caso do Flamengo, citado por Bolsonaro como um dos clubes financeiramente impactados pela pandemia. O clube se articula para retomar treinamentos na primeira semana de maio e conta com o apoio do Governo Federal. A diretoria rubro-negra nunca poupou esforços para se aproximar do presidente. No início deste ano, uma comitiva encabeçada pelo técnico Jorge Jesus e o presidente Rodolfo Landim visitou o Planalto após a conquista da Supercopa do Brasil, disputada no estádio Mané Garrincha. Bolsonaro, que desde o começo de seu mandato é figura frequente em jogos, esteve no estádio para prestigiar o time carioca.

Além de envolver os ministérios da Economia e Saúde, a força-tarefa do Governo pró-futebol envolve a pasta da Cidadania, por meio do secretário especial do Esporte, Marcelo Magalhães. Padrinho de casamento do senador Flávio Bolsonaro, ele assumiu o cargo em janeiro e foi destacado pelo presidente para articular a retomada das atividades esportivas, em contato com CBF, federações e técnicos como Renato Portaluppi, do Grêmio, amigo e apoiador da família Bolsonaro. Jogadores, por sua vez, temem um retorno apressado aos campos. Para o Sindicato de Atletas do Rio de Janeiro, os profissionais só cogitam voltar aos treinos após receber garantias de segurança do Governo estadual.

Um dos defensores da agilização dos trâmites para derrubar a suspensão dos campeonatos é Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico Paranaense. Ele fez campanha para Bolsonaro em 2018 e tem argumentado a outros dirigentes que, caso o futebol não seja reiniciado o mais rápido possível, os clubes, incluindo os grandes, entrarão em colapso econômico. “Infelizmente, o vírus chinês nos pegou a todos. Se o Furacão não for apoiado, ajudado neste momento, vai quebrar”, escreveu o cartola em comunicado aos sócios da equipe, endossando o uso da palavra “chinês” para estigmatizar o país asiático, como Donald Trump tem feito nos EUA.

Na Europa, os campeonatos nacionais da Bélgica e Holanda já foram encerrados por causa da pandemia de coronavírus. Nesta terça-feira, o Governo da França determinou que as competições esportivas no país não serão retomadas nesta temporada. A Itália, epicentro europeu da doença, considera tomar o mesmo caminho. O Governo italiano havia autorizado a volta dos treinamentos dos times a partir de 18 de maio, mas, nesta quarta, o ministro dos Esportes, Vincenzo Spadafora, deu um passo atrás ao reconhecer a possibilidade de encerrar a temporada do futebol. “Se não puder ser reiniciado em segurança, terá de ser interrompido e as pessoas precisam entender isso.”

Mais informações