Pandemia de coronavírus

Preta Gil: “Se não tiver confiança de que vai passar, você se desespera. O isolamento já leva ao abatimento”

Recuperada do coronavírus, cantora alerta para fragilidade emocional durante a pandemia e diz que sofreu preconceito após estar curada. Número dos que superaram a doença no Brasil não é divulgado

Cantora se recuperou após ser infectada por Covid-19 em casamento na Bahia.
Cantora se recuperou após ser infectada por Covid-19 em casamento na Bahia.Divulgação

Pelo menos sete pessoas foram infectadas por coronavírus no casamento de Marcela Minelli em Itacaré, no início de março. Além da influenciadora Gabriela Pugliesi, irmã da noiva, e da atriz Fernanda Paes Leme, a cantora Preta Gil, contratada como estrela musical da festa, estava entre as personalidades que acabaram testando positivo para a Covid-19 após a celebração. Assim que soube que poderia ter sido contaminada, ela cancelou compromissos e se isolou em um quarto de hotel em São Paulo até a confirmação do exame. “Comecei a manifestar alguns sintomas e fiquei apreensiva, mas, felizmente, a doença não foi tão agressiva comigo”, conta, frisando que a parte mais difícil da recuperação foi lidar com a ausência de pessoas queridas. “O isolamento social não nos impede de demonstrar afeto.”

Preta Gil contou com a ajuda do marido Rodrigo Godoy, que mantinha cerca de dois metros de distância da cantora. Ele chegou a apresentar tosse, mas, sem ter desenvolvido outros sintomas, não fez o teste de coronavírus. Preta, por sua vez, sentiu dores no corpo, ouvido e de cabeça, além da perda de apetite, olfato e paladar. Embora não tenha tido febre, conviveu com o medo do agravamento da doença diante das recaídas ao longo do dia. “Às vezes, as dores eram muito fortes e incômodas. Se não tiver calma e confiança de que vai passar, você se desespera. O isolamento, por si só, já leva a um estado de abatimento. Tem que trabalhar bastante a mente para não entrar em pânico.”

Mais informações

Durante o período de recuperação, que durou duas semanas, Preta ficou afastada do filho Francisco Gil e da neta Sol, de quatro anos. Tentava conversar com eles todos os dias por videoconferência e relaxava ao cantarem juntos. “Quando a gente está acamado, se sentindo mal, a gente não tem forças pra fazer nada”, diz. “As pessoas que estiverem com sintomas leves e isoladas em casa vão se ver na situação de se autocuidar. Por isso é muito importante prestar solidariedade. Fazer com que a pessoa infectada se sinta amada. O isolamento é social, não afetivo. Eu tive todo tipo de amparo, do atendimento médico às relações de afeto. Mas muitos não terão esse privilégio, e vão precisar contar com o apoio de uma rede solidária para não ficar ainda pior.”

No último dia 26, a cantora deixou o hotel onde estava confinada com o marido após receber alta médica e voltou para a casa da família no Rio de Janeiro. Ela conta que vizinhos de condomínio reagiram mal a seu retorno, por pensarem que ainda pudesse transmitir o vírus. “Eu estou curada. Tomei todos os cuidados para não colocar ninguém em risco. Não pode ter esse preconceito depois que superamos a doença.” Ao perceber que muita gente ainda trata a pandemia como um exagero, ela decidiu compartilhar a rotina de recuperação em suas redes e repassar informações que ouvia dos médicos que a atenderam aos fãs. “A grande parcela do problema do coronavírus é a desinformação. Busco dividir com o máximo de gente possível o que eu passei com intuito de informar. Tem muita fake news.” A própria Preta foi vítima de uma notícia falsa, que circulou pelo Facebook, insinuando que ela teria cantado, já infectada, em um bloco de Carnaval antes do casamento em Itacaré. “Eu nunca estive tão cansada na minha vida, de tanto que falo no telefone. Vejo que as pessoas têm muitas dúvidas sobre a doença, mesmo com a cobertura o dia inteiro na televisão.”

Para Preta Gil, que agora segue em quarentena domiciliar, assim como seus familiares, o caminho de superação da pandemia depende do cumprimento das medidas restritivas decretadas pelos Governos. “Isolamento social não é mais uma opção, é uma necessidade, o melhor que podemos fazer nesse momento. Não estamos de férias, mas sim numa força-tarefa contra um vírus extremamente preocupante.” Ela incentiva a adoção de práticas solidárias não apenas para acolher pessoas infectadas, mas também os mais afetados pelos impactos econômicos da crise, como fazer vaquinhas de apoio a pequenos comércios, se voluntariar para fazer compras ou comida para idosos do grupo de risco ou encontrar tempo para conversar —por telefone e aplicativos— com amigos e vizinhos em isolamento.

“O medo nos paralisa e nos faz ficar egoístas. Precisamos incentivar a cultura da doação. É hora de exercitar nosso sentimento humanitário”, afirma a cantora, que pretende, após o fim das restrições de circulação, dar um mergulho na praia que, mesmo estando em frente à sua casa, ela nunca frequentou. “Estou mais contemplativa e introspectiva, tentando entender de que forma essa pandemia vai mexer com a gente e usar esse tempo da quarentena para refletir sobre as mudanças que a humanidade vai viver depois da crise. Sem desprezar a gravidade da situação mundial, eu encarei meu processo de cura como uma oportunidade de recomeço que a vida me deu.”

Brasil ainda não divulga dados de curados

Com 299 mortes e 7.910 registros confirmados de coronavírus, o país não tem um levantamento oficial sobre casos semelhantes ao de Preta Gil envolvendo pessoas que se recuperaram da doença. O Ministério da Saúde havia prometido divulgar os dados de pacientes curados a partir do dia 26 de março. No entanto, de acordo com a assessoria da pasta, os números ainda estão em fase de apuração junto aos Estados e precisam ser consolidados pelo órgão federal antes da divulgação.

Governos estaduais e municipais têm adotado seus próprios critérios para divulgar ou não as estatísticas de recuperados. Porto Alegre, por exemplo, é uma das cidades que informa o dado em seus boletins diários. Até o dia 1 de abril, entre os 208 infectados confirmados na capital gaúcha, 27 haviam sido considerados curados. “É importante frear o aumento dos casos para que haja tempo adequado de recuperação sem sobrecarregar o sistema de saúde”, afirma o secretário de saúde Pablo Stürmer. Por outro lado, o Rio Grande do Sul não tem a consolidação de curados em todo o Estado, embora divulgue o status de alguns pacientes como o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, que recebeu liberação médica na última segunda-feira.

A situação se repete no Paraná, em que apenas a capital Curitiba apresenta os dados de cura: 42 recuperados entre os 90 registros na cidade. Outros Estados, como Bahia, Espírito Santo e Maranhão, divulgam o número diariamente. É considerado curado, em casos leves da doença, o paciente que não manifesta sintomas após 14 dias do início do quadro. Por enquanto, são raros os casos em que a pessoa infectada se submete ao teste depois do período em quarentena para detectar se o vírus, de fato, não está mais presente no organismo, a exemplo do general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete Institucional da Presidência, que na última terça-feira divulgou pelas redes sociais que testou negativo e estava curado da Covid-19.

Mais informações