Pandemia de coronavírus

Perguntas não respondidas sobre coronavírus impedem saber o que acontecerá nos próximos meses

É possível ser infectado duas vezes? Como será o comportamento do vírus no inverno do hemisfério sul? Ainda se desconhecem dados fundamentais sobre o novo patógeno

Um funcionário do Serviço Federal Russo de Vigilância coleta amostras para testar o coronavírus na estação de triagem especial ao ar livre no aeroporto de São Petersburgo, em 20 de março.
Um funcionário do Serviço Federal Russo de Vigilância coleta amostras para testar o coronavírus na estação de triagem especial ao ar livre no aeroporto de São Petersburgo, em 20 de março.Dmitri Lovetsky / AP

Mais informações

A comunidade científica e médica ainda ignora dados fundamentais sobre o novo coronavírus que são essenciais para estimar o que acontecerá nos próximos meses e até quando as medidas de reclusão serão necessárias.

Uma das mais importantes é se uma pessoa pode ser infectada duas vezes. Além dos casos duvidosos descritos na imprensa, sabe-se de quatro pessoas possivelmente reinfectadas, cujos casos foram publicados em revistas científicas. São quatro profissionais de saúde de Wuhan que adoeceram pelo Covid-19 com sintomas leves. Entre uma e duas semanas depois de a doença ter passado e os testes de PCR (sigla em inglês para reação em cadeia da polimerase, capaz de detectar a doença) terem dado negativo, voltaram a dar positivo. Três deles fizeram quarentena em casa com suas famílias, mas não os infectaram.

Os próprios autores do trabalho, da Universidade de Wuhan, admitem que possa ser um falso positivo, uma vez que o PCR falha algumas vezes, embora tenham repetido o teste várias vezes. Se estes casos fossem comum, os planos de contenção do vírus poderiam ser frustrados.

“De todas as explicações possíveis, uma infecção dupla é a menos realista”, explica Margarita del Val, especialista em imunologia viral do Centro Nacional de Biotecnologia (CNB-CSIC). Também é possível que os níveis de vírus flutuem nas pessoas que já estão infectadas. Além disso, o PCR mede apenas a quantidade de RNA (ácido ribonucleico, uma molécula responsável pela síntese de proteínas das células do corpo) viral existente na amostra. “Em muitos casos, especialmente quando a carga viral é baixa, não se trata de vírus completos com carga infecciosa, mas provavelmente de resíduos que estão sendo destruídos pelo sistema imunológico”, argumenta Isabel Sola, especialista em coronavírus do CNB.

Testes em animais sugerem que a reinfecção não é possível. Cientistas chineses mostraram que os macacos infectados com o novo coronavírus e que transmitem a doença não se reinfectam alguns dias depois, mesmo se expostos ao agente patogênico, de acordo com um estudo preliminar publicado no repositório acadêmico BiorXiv.

Neste ponto é importante entender dois dados explicados por Eduardo Fernández Cruz, chefe de imunologia do Hospital Gregorio Marañón, em Madri. “É possível que uma pessoa possa transmitir o vírus a partir de 24 horas depois de ter sido infectado, mesmo que não apresente nenhum sintoma”, explica. “No entanto, o sistema imunológico demora cerca de um mês para aprender a desenvolver memória imunológica contra o vírus”. É possível que esses duplos positivos se devam ao fato de ainda não terem desenvolvido uma resposta imunológica completa.

O que ainda não se sabe é quanto tempo dura a imunidade ao vírus. Podem ser anos ou apenas meses. O habitual é ter imunidade prolongada depois de ter passado a infecção, mas com alguns vírus, inclusive alguns coronavírus, isso não acontece.

Em 2012, o MERS ―um coronavírus mais letal do que o atual, que também provoca pneumonia, causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio― passou de camelos para humanos e causou uma epidemia que matou 858 pessoas até agora. O vírus continua circulando e, em parte, pode ser porque a imunidade que os humanos desenvolvem dura menos de um ano, explica Sola. É possível que o mesmo aconteça com o SARS-CoV-2, embora seja muito cedo para saber, pois passaram apenas dois meses e meio desde que os primeiros casos de Covid-19 foram detectados na China.

Se o vírus for capaz de reinfectar, provavelmente o fará com muito menos intensidade, explica o virologista espanhol Alfredo García-Sastre, que trabalha no Hospital Monte Sinai, em Nova York. “O vírus sincicial respiratório, muito comum principalmente em crianças, precisa infectar uma média de três vezes durante a infância para que se adquira imunidade suficiente, por exemplo. Mas mesmo que isso seja possível com o novo coronavírus, o mais provável é que as reinfecções causem sintomas mais leves e que as pessoas reinfectadas sejam menos contagiosas”, explica.

Teremos uma nova onda de contágio?

Outra das grandes incógnitas é se em outubro haverá uma nova onda de infecções no hemisfério norte, após o verão, que começa em 20 de junho e vai até 22 de setembro. Uma nova onda poderia ser ainda mais intensa que a atual. Foi o que aconteceu com uma das piores pandemias conhecidas, a da gripe de 1918 ―conhecida no Brasil como gripe espanhola― que matou cerca de 50 milhões de pessoas. A maioria morreu na segunda onda, que aconteceu em outubro.

De acordo com um estudo publicado esta semana por cientistas do Imperial College de Londres, que colaboram com a ONU na modelagem de doenças, essa segunda onda em outubro será praticamente inevitável quando as medidas de isolamento forem levantadas. Os pesquisadores também alertam que quanto maiores tiverem sido as medidas de distanciamento social, maior pode ser o impacto dessa segunda onda, pois haverá mais gente que não foi exposta ao vírus.

A razão de ser das medidas de isolamento impostas na Espanha e em outros países europeus não é tanto evitar contágios, mas salvar os hospitais do colapso, já que cerca de 15% dos infectados são casos graves que precisam ser internados. Na América, apenas a Argentina decretou quarentena de toda a população, medida que, num primeiro momento, vai até 31 de março.

Como aconteceu na China, é possível que na Espanha possa ser realizado um levantamento progressivo das medidas de isolamento, começando pelas comunidades autônomas que não registrarem infecções durante cerca de 14 dias. O problema é que, provavelmente, com o levantamento das restrições, o vírus pode voltar a circular. Nessa situação, os pesquisadores de Londres propõem que, uma vez levantadas as medidas de isolamento, sejam estabelecidos limites seguros de ocupação hospitalar, além dos quais a voz de alarme será acionada novamente e o movimento da população voltará a ser restringido, por exemplo.

Outra grande incógnita é se a epidemia diminuirá no verão europeu. Os coronavírus geralmente sobrevivem mais tempo ao ar livre em temperaturas baixas do que em altas. Além dos 37ºC, a cada 24 horas a concentração de vírus na superfície fica 10 vezes menor, explica Isabel Sola. “Mas em condições menos extremas, a cerca de 22ºC e com 40% de umidade, o vírus pode durar até três dias em algumas superfícies”, acrescenta. O que é um desafio para os países do hemisfério sul, que iniciaram o combate à epidemia ainda no período de calor. Nesta sexta-feira, 20 de março, começa o outono na parte sul do mundo e com ele mais dúvida: será que as medidas preventivas serão suficientes para conter a propagação da doença com a progressiva queda da temperatura?

O médico infectologista David Uip, coordenador da equipe de enfrentamento ao coronavírus no Estado de São Paulo, afirmou nesta sexta-feira em coletiva para a imprensa que, ao que está se mostrando, o vírus se comporta da mesma forma em clima quente. Segundo ele, a previsão é de que a doença tenha um pico entre o final de abril e início de maio no Brasil.

Evolução da doença

Do ponto de vista evolutivo, os vírus mais bem-sucedidos não são os mais letais, mas os mais contagiosos. A tendência é que os vírus tendam a se tornar menos daninhos, para que seus hospedeiros continuem a levar uma vida mais ou menos normal e os espalhem. É possível que isso aconteça com o SARS-CoV-2, embora não seja muito provável, explica Margarita del Val.

Os vírus só podem mudar por mutação. Toda vez que uma partícula viral invade uma de nossas células o patógeno começa a fazer dezenas de milhares de cópias de si mesmo. Esse é um processo imperfeito e às vezes acontecem erros de cópia. A maioria deles não terá efeito, mas há alguns que podem lhe dar uma vantagem. O processo de evolução natural favorece as mutações que tornam o vírus mais contagioso e menos letal. Infelizmente os coronavírus sofrem muito pouca mutação, pois codificam uma proteína que atua como um revisor de texto e corrige os erros. Os coronavírus acumulam 10 vezes menos erros do que outros vírus de sua família e, portanto, são muito menos mutáveis, para o bem e para o mal. Isto leva a outra das incógnitas do vírus: quanta gente realmente está matando.

Na Coreia do Sul, a letalidade ―o número de pessoas infectadas confirmadas que morre― é de 0,6%. Na província chinesa de Hubei, onde o surto começou, é de 3,7%, mas no resto da China é de apenas 0,8%. Na Espanha é de 4,2%, na Itália de 8,3%. Essa dança de números se deve em parte ao número de testes realizados. A Coreia é um dos países que mais os fez e é por isso que a letalidade lá é muito menor. É provável que a letalidade do SARS-CoV-2 seja ainda mais baixa do que a observada na Coreia, pois há uma proporção ainda desconhecida de pessoas que foram infectadas e que não foram contabilizadas. Podem ser 50% do total ou podem ser 10 vezes mais.

A maneira de descobrir é realizar uma pesquisa sorológica, um exame de sangue em grandes grupos populacionais expostos à epidemia para procurar anticorpos. Se o tiverem, é porque foram infectados. Este tipo de trabalho será o único que revelará as verdadeiras dimensões da pandemia. Tais estudos provavelmente reduzirão substancialmente a letalidade atual do coronavírus.

Uma última dúvida se concentra principalmente na Espanha: não sabemos quem está morrendo de Covid-19. Na China, Coreia, Itália, França e EUA, as autoridades relatam a idade e o sexo dos infectados, dos internados em estado grave e dos mortos. A idade média dos mortos por Covid-19 na Itália é de cerca de 80 anos ― 80% de todos os mortos são homens, um desequilíbrio entre os sexos, que também foi observado em outros países e que ainda não tem uma explicação clara.

O perfil é diferente em outros países. Nos EUA, que têm quase 10.000 casos, até 40% dos hospitalizados têm entre 20 e 54 anos, muito mais jovens do que em outros países, embora o risco de morte seja muito maior entre os idosos e com patologias anteriores.

Na Espanha, o Ministério da Saúde não está fornecendo dados detalhados por idade e sexo. Esta informação é essencial para saber o que realmente está acontecendo e modelar futuros possíveis. Mas, por enquanto, a Espanha está às cegas.

Com informações de Marina Rossi, de São Paulo.