Seleção Brasileira

As duas faces de um Brasil entediante

Com treinadores pressionados antes de competições importantes, as seleções masculina e feminina de futebol capricham no discurso, mas decepcionam na prática

Tite observa o amistoso da seleção contra o Panamá.
Tite observa o amistoso da seleção contra o Panamá.EFE

Mesmo invicta após a Copa do Mundo, a seleção brasileira masculina inspira desconfiança. A menos de três meses da estreia na Copa América, o time que não disputa amistosos no Brasil há mais de dois anos não encanta nem deslancha. O empate contra o Panamá e a vitória de virada sobre a República Tcheca, ambos em solo europeu, expuseram uma performance que coloca em xeque as possibilidades de título na competição sediada em seus domínios. Sem Neymar, a equipe voltou a apresentar dificuldades para envolver adversários tecnicamente inferiores. A lua de mel de Tite, quase uma unanimidade antes da Copa, e a torcida, cada vez mais afastada da seleção, chegou ao fim. E os sinais de evolução já não são tão visíveis como no início de sua trajetória no comando.

Mais informações

Apesar do desempenho nada empolgante, Tite mantém um discurso de confiança. Porém, até mesmo o tom professoral, recheado de expressões técnicas que consagraram o vocabulário titês, como “extremos desequilibrantes” para se referir a pontas rápidos e habilidosos, dá indícios de desgaste. A eliminação para a Bélgica nas quartas do Mundial transformou o personagem por vezes cativante construído pelo treinador em uma caricatura que remete aos palestrantes motivacionais. Pressionado pela cultura resultadista e o imediatismo do futebol, embora resultados não sejam exatamente um problema na sequência de sete vitórias e um empate pós-Copa, Tite entende que o jogo sem brilho se encaixa em um processo de renovação da equipe. “O momento é de dar oportunidade aos jovens. Seria anormal se a gente tivesse dando espetáculo”, justifica o técnico.

Depois da Copa, nomes como Arthur, David Neres, Paquetá e Richarlison ganharam espaço com Tite. Mas a incorporação de jovens jogadores ainda é tímida, visto que a comissão técnica não abre mão de preservar a base do time que, um ano atrás, conciliava performance com resultado. Aposta em novidades e reformulações profundas que costumam marcar os desfechos dos ciclos de Copa vão de encontro à filosofia de Tite. Em 2006, Dunga assumiu o lugar de Parreira com perfil linha-dura e um grupo de jogadores com mais comprometimento que talento. Quatro anos mais tarde, Neymar iniciaria seu reinado sob a batuta de Mano Menezes, que foi substituído pelo pragmatismo de Felipão. O retorno de Dunga, que chegou a empolgar nos primeiros amistosos, resultou em fracassos em duas Copas América. Tite apagou o incêndio, acertou em cheio ao preencher a lacuna da camisa 9 com Gabriel Jesus e converteu, em menos de dois anos, uma equipe desacreditada em favorita para o Mundial.

O “fato novo” de seu primeiro começo de ciclo poderia ser Vinicius Junior, que, aos 18 anos, virou titular do Real Madrid. No entanto, o atacante rompeu ligamentos do tornozelo antes de se apresentar à seleção principal. Poderia, sobretudo, ser uma alternativa para suprir a ausência de Neymar, novamente lesionado às vésperas de uma competição importante. Contra o Panamá, o pior jogo da era Tite, o Brasil exibiu problemas na criação de jogadas e, com uma linha de defesa inédita, também sofreu com uma velha fragilidade. O gol panamenho, ainda que impedimento, saiu da mesma bola aérea que foi determinante para o tropeço na estreia da Copa, diante da Suíça, e a eliminação para os belgas. Paralelamente aos ajustes táticos, Tite precisa lidar com o momento de baixa vivido por alguns de seus homens de confiança na Europa, como Casemiro, Miranda, Philippe Coutinho e Marcelo, reserva no Real e ausente da última convocação.

Má fase no feminimo

A entressafra também atinge outra seleção que, além do desempenho, amarga maus resultados. Uma semana antes da Copa América, o Brasil estreia contra a Jamaica no Mundial feminino, em junho. Treinada por Vadão, a equipe vem de oito derrotas em nove jogos, sua pior sequência na história. Dependente das jogadoras mais experientes, como Marta e Cristiane, de 33 anos, e Formiga, que, aos 41, se encaminha para sua sétima Copa, o time não deu mostras de reação no último torneio que disputou. Três derrotas em três jogos, pouca inspiração e nenhuma consistência tática. “Nós demos uma estacionada, enquanto outros países evoluíram na modalidade”, explica Vadão, sem entrar em detalhes sobre os motivos de não conseguir fazer a seleção jogar melhor nem mesmo com a maior jogadora de todos os tempos (Marta) à disposição. O coordenador Marco Aurélio Cunha adota um discurso semelhante. “Temos enfrentado as grandes seleções do mundo. Os resultados não vêm da noite pro dia.”

Por sua vez, a seleção de Tite acumula testes contra adversários frágeis, dando continuidade à política da CBF que privilegia o faturamento com amistosos no exterior ao critério técnico para escolha de rivais que imponham de forma mais fiel o nível exigido em competições. Além da fase de estagnação, a única coincidência que une as seleções masculina e feminina, ainda bem distante das estruturas, remuneração e premiação oferecidas aos homens, é o fato de serem administradas por uma confederação que coleciona mais processos de dirigentes envolvidos em escândalos de corrupção do que triunfos no campo. Em duas semanas, o Coronel Nunes, alçado à presidência da CBF depois do banimento de Marco Polo Del Nero, passa oficialmente o bastão para Rogério Caboclo. Caberá ao antigo braço direito de Del Nero decidir sobre o futuro de dois treinadores questionados. Os “fatos novos" de seu ciclo como máximo cartola do futebol brasileiro dependem do sucesso – ou do fracasso – na Copa América e na Copa do Mundo feminina.

Mais informações