Videogames

A jogada de Bolsonaro para atrair os ‘gamers’

De olho no poder de engajamento nas redes que jogadores e ciberatletas têm, presidente promete levar plano de redução dos impostos sobre jogos eletrônicos e videogames a Paulo Guedes

Bolsonaro joga videogame em realidade virtual.
Bolsonaro joga videogame em realidade virtual.

Mais informações

“Um forte abraço, gamers!”, escreveu Bolsonaro em seu perfil no Twitter após publicar um vídeo em que aparecia brincando com um jogo de simulação de tiro em realidade virtual. A postagem acumulou quase 3 milhões de visualizações e gerou mais engajamento que suas tradicionais alfinetadas no PT. Gamers famosos de Counter-Strike, como Henrique HEN1 T, Alexandre Gaules, Wilton Prado, Ricardo Prass e Epitácio de Melo, que somam juntos mais de 1 milhão de seguidores, interagiram com a publicação. Além deles, jogadores, técnicos, empresários e equipes de Fortnite, Rainbow Six, League Of Legends, PES e FIFA, outros jogos que mobilizam milhares de adeptos em campeonatos online, comemoraram a sinalização favorável de Bolsonaro em baixar impostos que incidem na indústria de games.

A grande queixa dos jogadores é o preço dos consoles – o popular Playstation 4 sai na faixa de 2.5000 reais – e jogos, que, em lançamentos, custam mais de 200 reais. Nesta segunda-feira, Bolsonaro telefonou para Gabriel Toledo, o FalleN, um dos gamers mais influentes e também investidor na área de acessórios eletrônicos, e reforçou a intenção de cortar impostos. O presidente planeja incluir o setor dos videogames no plano de reforma tributária que deve ser apresentado em agosto. Em um primeiro momento, a redução por iniciativa presidencial não deve ser tão expressiva, como informou Bolsonaro em sua última live. “Vamos diminuir pouca coisa, mas vamos diminuir.”

Segundo a promessa do presidente, a proposta será avaliada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Embora Renan Bolsonaro, 20, seu único filho adulto fora da política, seja fã de games, ele diz ter pesquisado a respeito do tema depois de ler o apelo de um usuário do Facebook, destacando que o Brasil é o segundo maior mercado de videogames do mundo. De acordo com Bolsonaro, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de jogos eletrônicos no país atualmente varia entre 20% e 50%. Ainda mais ambicioso, tramita desde 2017 no Senado um projeto que pretende conceder imunidade tributária para jogos e videogames produzidos em solo brasileiro. Inicialmente, a proposta conhecida como “PEC dos Games” previa diminuir a carga total de impostos ao redor de 70% para menos de 10%. Porém, o senador Telmário Mota (PROS-RR), relator da proposta, entendeu que a isenção somente dos tributos federais não seria suficiente para combater a pirataria e tornar o setor competitivo diante da concorrência internacional.

“Queremos aumentar a capacidade produtiva do mercado nacional de videogames, com o incremento do emprego, dos lucros e também da arrecadação, já que as contribuições sobre a receita bruta continuarão incidindo normalmente sobre o setor”, explica Mota. Para o senador, a perda de arrecadação em tributos por causa da imunidade seria compensada pelo eventual saldo positivo com a taxação de receitas dos fabricantes. Ele cita como exemplo CDs e DVDs de artistas nacionais, que desde 2013 são isentos de impostos após a aprovação da PEC da Música.

Empolgada pelos gestos de aproximação, a indústria dos games espera obter apoio de Bolsonaro para zerar impostos e aprovar a proposta, que ainda está sendo apreciada pela Comissão de Constituição e Justiça no Senado. Também contam com a adesão da base aliada ao presidente para emplacar outro projeto em favor dos gamers: a regulamentação dos jogos eletrônicos como modalidade esportiva. Pela proposta aprovada por senadores no início de julho, jogadores de videogame passariam a ser oficialmente considerados atletas. Antes de se transformar em lei, a ideia, que é controversa e recebeu críticas de parlamentares como a ex-jogadora de vôlei Leila Barros (PSB-DF), precisa ser chancelada pela Câmara dos Deputados.

Há resistência entre congressistas e figuras ligadas ao Governo em regulamentar a atividade dos gamers. Em março, o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) protocolou um projeto de lei que criminaliza o desenvolvimento e o comércio de jogos violentos, que acabaram excluídos da proposta de regulamentação no Senado. No mesmo mês, logo após a chacina em uma escola de Suzano, o vice-presidente Hamilton Mourão já havia culpado uma suposta “apologia à violência” dos games pela tragédia. “Essas coisas não aconteciam no Brasil. A garotada está viciada em videogames violentos. Tenho netos e muitas vezes os vejo mergulhados nisso aí. Quando eu era criança, jogava bola e soltava pipa”, declarou o general.

Ainda que não regulamentada, a profissionalização dos e-sports, como são chamados as disputas de jogos eletrônicos, já é uma realidade que movimenta cifras milionárias no Brasil. O salário de um jogador profissional de videogame pode chegar a 30.000 reais, sem contar o valor de premiações – no último domingo, o norte-americano Kyle Giersdorf, de 16 anos, faturou 3 milhões de dólares ao vencer o campeonato mundial de Fortnite. Torneios têm lotado estádios e ginásios pelo país, acumulando recordes de audiência em canais fechados de televisão que transmitem os eventos. A popularização dos jogos fez com que clubes de futebol tradicionais, como Corinthians, Flamengo e Santos, passassem a investir e montar as próprias equipes de e-sports.

Muito além do circuito de elite dos ciberatletas, a febre não para de crescer ano a ano. Segundo dados da Pesquisa Game Brasil, 66% dos brasileiros jogam games eletrônicos em diversas plataformas. A maioria é composta por mulheres (59%), e a faixa etária predominante oscila entre 25 e 34 anos (35%). Fora a mobilização em torno de competições profissionais, o gamers também demonstram alto poder de engajamento. A proposta de imunidade tributária, por exemplo, surgiu de uma petição virtual no site do Senado, que em apenas um dia superou a marca das 20.000 assinaturas exigidas para que a sugestão pudesse ser apreciada pelos parlamentares.

De olho na consolidação de sua imagem com o público jovem, Bolsonaro utiliza as redes sociais para estreitar laços não só com a comunidade dos gamers, mas também com outras tribos virtuais capazes mobilizar uma legião de aficionados. Em junho, também pelo Twitter, o presidente mandou um “salve” para os fãs de Dragon Ball, uma série japonesa em formato de mangá. Por enquanto, ao contrário dos gamers, o Governo ainda não anunciou nenhuma medida favorável aos seguidores de desenhos animados.