Pandemia de coronavírus

Mesmo com mais de 105.000 mortos, Bolsonaro se blinda da pandemia e alcança sua melhor avaliação

Segundo pesquisa Datafolha, aprovação do presidente subiu para 37% e sua rejeição despencou 10 pontos, chegando a 34%. Auxílio emergencial e recolhimento após cerco a Queiroz são possíveis fatores

O presidente Jair Bolsonaro participa de evento de envio da missão brasileira ao Líbano, na quarta.
O presidente Jair Bolsonaro participa de evento de envio da missão brasileira ao Líbano, na quarta.AMANDA PEROBELLI / Reuters

Enquanto o Brasil amarga a perda de mais de 105.000 vidas e a posição de segundo país com mais mortes e pessoas infectadas pelo novo coronavírus (3,2 milhões), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alcança a melhor avaliação de seu mandato. Segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira, o número de brasileiros que consideram o Governo ótimo ou bom cresceu desde junho, passando de 32% para 37%. Mais acentuada, porém, foi a queda numérica entre os que consideram a gestão ruim ou péssima: passaram de 44% para 34% —patamar semelhante ao do início do mandato, considerando a margem de erro de dois pontos percentuais. O índice dos que avaliam a gestão como regular é de 27% (era 23% em junho).

O instituto ouviu 2.065 pessoas nos dias 11 e 12 de agosto, por telefone. Nos quase dois meses que separam a nova pesquisa da anterior, o país dobrou o número de mortes —eram cerca de 52.000 em 23 de junho, data do levantamento— e praticamente triplicou o de infectados —cerca de 1,15 milhão na época. Desde então, o presidente contraiu a doença —que contagiou até agora oito de seus ministros, infectou a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e levou a avó dela à morte —, mas não alterou o seu discurso negacionista, pelo qual no início da pandemia classificou o vírus como uma “gripezinha”, e não assumiu a responsabilidade sobre a crise sanitária, delegada por ele a governadores e prefeitos.

A gestão da pandemia já passa pelas mãos do terceiro ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello, que, sem experiência na área, ocupa de forma interina, há três meses, o posto que foi dos médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. As acusações de omissão no controle da covid-19 motivaram denúncias contra Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional de Haia e a apresentação do 56º pedido de impeachment contra ele na Câmara dos Deputados.

Mas também foi ao longo desse período que cresceu o alcance do que é considerado o trunfo do Governo para manter a sua popularidade. O auxílio emergencial de 600 reais, destinado a trabalhadores informais, desempregados e beneficiários do Bolsa Família, foi prorrogado e chegou a metade das famílias brasileiras em junho, segundo o IBGE. De acordo com o Datafolha, entre quem fez e recebeu a ajuda, 42% consideram o Governo ótimo ou bom, acima da média geral, enquanto entre os que não recorreram ao auxílio a aprovação é de 36%.

A ajuda emergencial também parece ter efeito na imagem do presidente no Nordeste, tradicional reduto do PT e onde 45% da população recorreu ao programa (no país, o índice é de 40%, segundo a pesquisa). De acordo com o Datafolha, a rejeição a Bolsonaro caiu de forma mais acentuada na região, passando de 52% para 35%. O presidente que criticou as medidas de isolamento e a consequente paralisação das atividades econômicas para conter a pandemia tem a sua aprovação mais elevada entre empresários (58% classificam o Governo como ótimo ou bom), pessoas de 35 a 44 anos (45%), homens (42%) e moradores do Sul, Norte e Centro-Oeste (42%). Sua rejeição é maior entre estudantes (56% o classificam como ruim ou péssimo), pretos (48%), quem tem ensino superior (47%), quem ganha mais de 10 salários mínimos (47%) e mulheres (39%).

Em junho, quando a reprovação do presidente atingiu seu auge até agora, a pesquisa havia sido realizada poucos dias depois da prisão de Fabrício Queiroz, amigo de Bolsonaro há mais de 30 anos e ex-assessor de seu filho Flávio, hoje senador, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, acusado de gerir um esquema de rachadinha —desvio de dinheiro de servidores do gabinete. O policial aposentado obteve prisão domiciliar, que foi revogada na noite desta quinta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), e deve voltar para a cadeia.

O cerco ao antigo aliado e à mulher dele, Márcia Aguiar, que também teve a prisão decretada, a as notícias sobre novos repasses do casal à primeira-dama, fez com que o presidente atenuasse o tom das declarações nos últimos meses e intensificasse a aproximação com o Congresso. A aliança com o grupo de parlamentares conhecido como Centrão culminou nesta semana na troca da liderança do Governo na Câmara. Vitor Hugo (PSL-GO), aliado de primeira hora de Bolsonaro, foi substituído por Ricardo Barros (PP-PR), representante do bloco fisiológico. O movimento é uma tentativa de blindar a presidência dos pedidos de impeachment e liberar caminho para a aprovação de medidas que possam ajudar na sua popularidade.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações