Zimbabue

Morre Robert Mugabe, ex-presidente de Zimbábue, aos 95 anos

Líder autoritário se manteve por quase quatro décadas no poder e foi destituído em 2017, depois de um golpe militar que levou o então vice-presidente ao poder

O ex-presidente de Zimbabue, Robert Mugabe, em uma imagem tomada em 2014.
O ex-presidente de Zimbabue, Robert Mugabe, em uma imagem tomada em 2014.Philimon Bulawayo (REUTERS)

O ex-presidente do Zimbábue Robert Mugabe, de 95 anos, líder da independência do país africano e um dos mandatários mais idosos que a África já teve, morreu nesta sexta-feira em um hospital de Singapura enquanto recebia tratamento. No momento de sua morte, Mugabe estava rodeado de sua família e sua esposa, Grace, conforme informa a imprensa local.

O atual presidente do país, Emmerson Mnangagwa, confirmou a notícia através em sua conta do Twitter. “Com a maior das tristezas anuncio a morte do pai fundador do Zimbábue e antigo presidente, o comandante Robert Mugabe”, escreveu na Rede. O ex-presidente zimbabuano, líder revolucionário nos anos setenta e tirano com punho de ferro durante seus 37 anos à frente do país africano, foi deposto pelo Exército em novembro de 2017 depois de uma tentativa de expurgo dentro do seu Governo.

MAIS INFORMAÇÕES

Em uma segunda mensagem no Twitter, Mnangagwa, o homem que justamente acabou com um dos governos mais duradouros da África, acrescentou: “O comandante Mugabe era um ícone da libertação, um pan-africanista que dedicou sua vida à emancipação e empoderamento de seu povo. Sua contribuição à história da nossa nação e do continente nunca será esquecida. Que sua alma descanse na paz eterna”.

Havia cinco meses Mugabe, cujo frágil estado de saúde era cercado por especulações, recebia tratamento médico em Singapura. O Governo de Mugabe foi marcado pelo esbanjamento e excentricidade durante quase quatro décadas, desde pouco depois de sua independência do Reino Unido, em 1980, até ser forçado a renunciar em novembro de 2017 por um golpe de estado militar que levou Mnangagwa ao poder. Os expurgos internos, marca do Governo Mugabe, foi o que acabou desencadeando seu final. Nos primeiros dias daquele novembro, o mandatário destituiu Mnangagwa do cargo de vice-presidente. Este, com apoio do Exército, liderou a resposta contra Mugabe, levando à sua demissão. Mnangagwa ganhou as eleições ocorridas em agosto do ano passado no Zimbábue.

Com 37 anos à frente do país, Mugabe foi o segundo presidente africano que conseguiu se manter no poder por mais tempo, atrás apenas de Teodoro Obiang, da Guiné Equatorial. Durante seu longo mandato, o dirigente se caracterizou por fazer declarações polêmicas sobre o poder, o colonialismo, sobretudo da antiga metrópole, o Reino Unido, e a homossexualidade. “Os britânicos foram criados como pessoas violentas, mentirosas, descarados e ladras. Disseram que [o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony] Blair quando criança era problemático no colégio”, disse em 2001. Sobre as relações entre pessoas do mesmo sexo, Mugabe pronunciou frases como esta: “Pior que os porcos e os cães... Os que fazem isso são, digamos, rebeldes. É só loucura, demência”.

Nascido sob o sistema colonial, quando o Zimbábue ainda se chamava Rodésia e era governado pela minoria branca, o ex-professor Mugabe, com sete diplomas universitários, tornou-se líder revolucionário nos anos 60. Preparado, convicto e comprometido, aderiu à luta pela libertação e passou 10 anos na prisão por subversão contra o regime racista de Ian Smith. À frente da União Africana Nacional do Zimbábue (ZANU, na sigla em inglês) e junto a Joshua Nkomo, líder da União Africana Popular do Zimbábue (ZAPU), comandou a rebelião pela independência durante uma guerra que custou a vida a quase 30.000 pessoas.

Quando chegou ao poder, em 1980, passou a adotar políticas que manchariam a imagem de herói revolucionário. Em 1987, já com seu velho aliado Nkomo expurgado, reformou a Constituição para assumir todos os poderes como presidente. O autoritarismo e a má gestão geraram a fuga de cérebros e a degradação social e econômica do país.

Se algo era conhecido fora do mandato de Mugabe, além das luxuosas comemorações de aniversário do presidente e de sua esposa, Grace Mugabe, era a capacidade de cunhar notas de até 100 bilhões de dólares zimbabuanos. Isso aconteceu nos piores anos de hiperinflação (79.600.000.000%, em novembro de 2008). Uma das bandeira depois da independência, a reforma agrária foi levada ao extremo a partir do ano 2000 e retirou dos fazendeiros brancos grandes áreas cultiváveis para que fossem administradas por locais. Estima-se que entre 4.000 e 4.500 agricultores brancos tenham perdido terras para veteranos de guerra ou apoiadores do Governo. O resultado foi uma economia pouco operacional, com um setor agrícola pouco qualificado, queda na produção e na exportação; além de um aumento notável do desemprego, dos subsídios estatais e, finalmente, dos preços.

Mugabe passou seus últimos anos isolado, sem relevância na esfera política e com a saúde enfraquecida. Deixa uma grande fortuna. Estima-se que sua família possua mais de uma dúzia de fazendas espalhadas por 15.000 hectares de terras zimbanuanas.

Arquivado Em: