Crise no Zimbábue

Cinco elementos-chave para entender o que acontece no Zimbábue

Expurgos internos e luta pela sucessão do presidente estão entre os fatores que desencadearam a crise

Mugabe saúda seus partidários dia 8 de novembro.
Mugabe saúda seus partidários dia 8 de novembro.J. NJIKIZANA (AFP)

O nonagenário presidente do Zimbábue (16 milhões de habitantes), Robert Mugabe, foi preso pelo Exército em sua casa, em Harare. As Forças Armadas, mobilizadas desde terça-feira na capital do país, tomaram o controle das principais instituições zimbabuanas, as sedes da televisão e do partido governista União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla em inglês). A conta do Twitter do partido informou que o até agora ex-vice-presidente Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, assumirá o Governo interinamente. Embora um porta-voz do Exército tenha anunciado na quarta-feira que se tratava de uma operação contra “criminosos” do entorno de Mugabe, rumores de um golpe de Estado ganham força em um dos países mais pobres do mundo. Em seguida, cinco elementos-chave para entender a crise política aberta no Zimbábue:

MAIS INFORMAÇÕES

1. A longa sombra da independência

Mugabe, de 93 anos, foi um dos principais líderes da luta pela independência, nos anos setenta. A guerra entre os nacionalistas negros e o regime branco de Ian Smith, apoiado pelo Reino Unido, causou a morte de quase 30.000 pessoas. Em abril de 1980, a então Rodésia, em homenagem a Cecil Rhodes, empresário e político britânico protagonista das aventuras coloniais de Londres na África, obteve a independência. O líder da União Nacional Africana do Zimbábue (ZANU, na sigla em inglês), Robert Mugabe, foi nomeado primeiro-ministro. Entre os objetivos do novo Governo independente estava, sem dúvida, a reforma agrária, ainda hoje uma das questões pendentes para reativar a pobre economia do país, marcada a fogo, segundo revelou recentemente a agência Reuters com exclusividade, por líderes do partido governista vinculado hoje à prisão de Mugabe.

2. Os expurgos históricos de Mugabe

O general Constantino Chiwenga, atual chefe das Forças Armadas, alertou na segunda-feira, em um pronunciamento público, contra os expurgos de Mugabe. No dia 6, o presidente havia destituído Mnangagwa. Mas os expurgos internos não eram novidade durante os quase 40 anos de mandato de Mugabe. Um dos seus aliados na guerra da independência, Joshua Nkomo, líder da União Africana Popular do Zimbábue (ZAPU, na sigla em inglês), foi nomeado ministro do Interior em seu primeiro Governo. Em fevereiro de 1982, Nkomo foi acusado de estar por trás de um golpe e foi destituído. A luta entre facções fez milhares de mortes no país. Cinco anos depois, Mugabe reformou a Constituição e instaurou um regime presidencialista do qual foi seu maior expoente até esta quarta-feira.

3. Hiperinflação e terra

Se algo se sabe fora do deprimido país africano, além das luxuosas festas de aniversário do presidente e sua esposa, Grace Mugabe, é a capacidade de emitir notas de até 100 bilhões de dólares zimbabuanos. Aconteceu durante os piores anos de hiperinflação (79.600.000.000%, em novembro de 2008). A famosa reforma agrária, levada ao extremo a partir do ano 2000, tomou grandes parcelas cultiváveis de fazendeiros brancos para serem geridas por locais. Estima-se que entre 4.000 e 4.500 fazendeiros brancos perderam suas terras para veteranos de guerra ou partidários do Governo. Como resultado, uma economia pouco operacional, com um setor agrícola pouco competente, uma queda na produção e nas exportações, um aumento notável do desemprego, dos subsídios estatais e, finalmente, dos preços.

Em 2007, para frear a escalada dos preços, o Governo permitiu que os cidadãos usassem o dólar norte-americano, o euro e a moeda sul-africana (rand). Uma década depois, de acordo com o professor Steve Hanke, da Universidade Johns Hopkins, o Zimbábue está novamente diante da hiperinflação, ou seja, com uma taxa superior a 50% ao mês.

4. Oposição e contestação em alta

Exatamente nesta semana retornará ao país o grande líder da oposição da última década, Morgan Tsvangirai, do Movimento pela Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês), depois de passar dois meses na vizinha África do Sul para tratar de um câncer de cólon. Tsvangirai conseguiu derrotar Mugabe no primeiro turno das eleições realizadas em março de 2008. Mas a violência contra seus partidários nas ruas fez com que o líder da oposição não participasse do segundo turno. Tentou novamente cinco anos depois, em agosto de 2013. Obteve 34% dos votos, contra 61% de Mugabe. O candidato do MDC denunciou uma “enorme farsa” eleitoral.

Seja como for, a oposição ao incontestável Mugabe vem crescendo No ano passado, o MDC reuniu na capital, Harare, cerca de 2.000 pessoas para protestar contra o Governo, uma concentração sem precedentes no país.

5. A corrida para a sucessão do presidente

No dia 5 de setembro, a agência Reuters publicou que havia uma trama em estado adiantado para implementar reformas depois da saída de Mugabe. Entre os homens destacados, como dizia a informação exclusiva da Reuters, estava o até poucas horas atrás ex-vice-presidente Mnangagwa, que junto com outros líderes estaria elaborando um novo projeto para o país. Entre as novidades, uma possível aliança com o oposicionista Tsvangirai e a devolução de terras aos brancos para sua reabilitação. Dois meses depois dessa publicação, Mnangagwa foi destituído por Mugabe. Entre as aparentes ameaças de morte, aquele que foi o número dois do Governo deixou o país. Agora, de acordo com a informação revelada pelo ZANU-PF, Mnangagwa, um herói de guerra com bom relacionamento com militares e veteranos da independência, seria o homem que dirigiria interinamente os destinos do país.

A destituição do presidente aconteceu um dia depois que a mulher de Mugabe, Grace Mugabe, de 52 anos, o exortou a deixar seu cargo pelo bem da “unidade”. Grace Mugabe, também dirigente do ZANU-PF - sobre a qual se chegou a publicar que esbofeteia o marido em público - foi uma das apontadas nos últimos anos, à medida que a idade do presidente avança, para uma possível sucessão. Grace Mugabe é considerada a chefe do G40, um grupo de políticos próximos do casal presidencial. Na quarta-feira, o Exército prendeu vários ministros vinculados a esse grupo.

Arquivado Em: