Abuso sexual no futebol

‘Malhação’ joga luz sobre o abuso sexual no futebol

Alerta de assédio a jovens atletas em categorias de base chega à TV, mas ainda é tabu dentro dos clubes

Santiago sofre assédio do treinador no seriado da Globo.
Santiago sofre assédio do treinador no seriado da Globo.

MAIS INFORMAÇÕES

Na trama, o veterano ator Jackson Antunes interpreta Lourenço, um pai que sonha transformar o filho Santiago (Giovanni Dopico) em jogador de futebol. Depois de passar num teste em outra cidade, o garoto se muda para o alojamento do clube, onde começa a ser assediado pelo treinador Bryan (Diogo Monteiro). O técnico exige que Santiago ceda às investidas para fazer com que sua carreira decole. Somente após receber pelo celular um vídeo em que Bryan agride um atleta do time, Lourenço vai ao alojamento e flagra o treinador tentando abusar sexualmente de seu filho. O atleta decide denunciar Bryan, com o suporte de uma professora e da fisioterapeuta da equipe, que colheu provas sobre assédios a outros jogadores.

Ex-jogador do Flamengo e da seleção brasileira, Zico faz uma participação especial no seriado, relatando sua experiência em categorias de base. “Não passei por isso, mas soube de muitos casos de dirigentes e treinadores que ofereciam certas vantagens no futebol com segundas intenções”, disse o ídolo rubro-negro. Livre da ameaça, Santiago faz as pazes com o pai, que, antes do teste, o havia expulsado de casa ao descobrir que ele era gay. “O final feliz entre pai e filho foi a conquista desse diálogo e compreensão mútuos, com a decisão dos dois de batalharem juntos para que outros meninos não precisassem mais passar por situações como aquela. Pelas redes sociais, percebemos que o público ficou muito mobilizado, torcendo pelo Santiago e, sobretudo, para que o pai pudesse acolher mais o filho”, afirma Moretzsohn.

Com um personagem gay, Malhação desconstrói conceitos homofóbicos muito presentes no ambiente do futebol, como a ideia de que o esporte é “coisa para macho” ou a associação equivocada entre homossexualidade e violência sexual. “Abusos não têm nenhuma relação com a orientação sexual da vítima ou do abusador, são crimes cometidos por adultos que se aproveitam de sua autoridade para coagir crianças e adolescentes. Mas a sociedade ainda é muito machista. Garotos que sofrem abusos acabam estigmatizados, como se esse tipo de violência afetasse sua masculinidade”, diz Flávio Debique, gerente técnico de proteção infantil da ONG Plan International Brasil. Na temporada de Malhação - Viva a Diferença, exibida em 2017, a produção já havia levantado discussão a respeito de abusos sexuais que acontecem dentro de casa, em que uma das protagonistas era abusada pelo namorado da mãe.

Patrícia Moretzsohn explica que a inspiração para abordar o tema com foco no futebol surgiu após acompanhar reportagens sobre atletas assediados, como a história de Andy Woodward, ex-jogador que desatou uma rede de abusadores na Inglaterra ao denunciar o técnico que o havia molestado na infância. “Sabemos o que o futebol representa para tantas famílias, o sonho que esses meninos estão perseguindo. Cair numa armadilha quando estão completamente indefesos, além da questão criminosa do assédio em si, é uma traição aos meninos, seus pais e suas expectativas. Escrevendo Malhação, fico sempre atenta às questões que possam ter relevância para o jovem, que está em formação e precisa formular uma opinião sobre os temas, até para poder se defender quando necessário.”

Enquanto a televisão se debruça sobre um universo sombrio do esporte, os abusos sexuais estão longe de ser obra de ficção em clubes e escolinhas. No ano passado, o Brasil registrou 20 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes relacionados ao futebol. Em março, o técnico Ivanildo Nunes foi preso em flagrante quando abusava de um menino de 11 anos. Nove meses depois, o treinador, indiciado por estupro de vulnerável, recebeu o título de cidadão honorário de Arapiraca, em Alagoas, concedido pela Câmara Municipal da cidade. Segundo a assessoria de comunicação da Casa, o requerimento para a homenagem tinha sido aprovado antes da denúncia criminal contra Nunes.

O técnico Ivanildo Nunes (à esq.) recebeu homenagem em Arapiraca após ter sido flagrado molestando um garoto em um campo de futebol.
O técnico Ivanildo Nunes (à esq.) recebeu homenagem em Arapiraca após ter sido flagrado molestando um garoto em um campo de futebol.

Quase cinco anos depois de assinar um pacto com o Congresso Nacional se comprometendo a adotar medidas para combater o abuso sexual, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ainda não cumpriu as principais promessas do acordo. Em 2018, pressionada por deputados que cobravam a efetivação das medidas, a CBF promoveu um seminário sobre o tema, em parceria com a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ) e a Associação de Ex-Conselheiros e Conselheiros da Infância, quando reconheceu a necessidade de maiores investimentos em sistemas de proteção aos direitos de crianças e adolescentes nas categorias de base. Das 39 equipes chanceladas com Certificado de Clube Formador, um selo excelência concedido pela confederação, nenhuma possui um protocolo para prevenir abusos sexuais contra jogadores jovens. No mesmo ano, por iniciativa do Sindicato de Atletas de São Paulo, alguns clubes grandes, como o Santos, que afastou um dirigente da base por suspeita de abuso, abrigaram palestras ministradas pelo ex-goleiro Alê Montrimas. À exceção de iniciativas isoladas, falar sobre assédio e exploração sexual dentro dos clubes segue sendo um tabu.

No início do mês, a presidência da Câmara dos Deputados determinou o desarquivamento de projetos de lei propostos pela CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, realizada em 2014. Um deles estipula a regulamentação de escolinhas e centros de treinamento, com foco em prevenção à violência sexual. Outro projeto, de autoria da deputada Erika Kokay (PT-DF), que pretende obrigar entidades públicas a condicionarem verbas de patrocínio a times de futebol ao cumprimento de dispositivos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, já recebeu parecer favorável da Comissão do Esporte e também foi desarquivado. No Senado, o ex-atacante Romário (Podemos-RJ), motivado pelo incêndio que matou 10 garotos no CT do Flamengo, apresentou um projeto para obrigar a CBF a exigir alvarás de funcionamento dos clubes formadores, além de, semestralmente, uma lista atualizada de jogadores negociados com times estrangeiros, para evitar o tráfico e a exploração sexual de crianças e adolescentes.