O rastro de destruição em Brumadinho após rompimento da barragem da Vale.

Vale perde 6,6 bilhões de reais em 2019 por causa do desastre de Brumadinho

Números vermelhos se devem aos gastos e provisões relativos ao desastre que matou 270 pessoas e pelo qual parte da cúpula da empresa é acusada de homicídio doloso

O rastro deixado pelo tsunami de lama em Brumadinho, um ano depois do desastre.

Brumadinho ainda tem sete barragens em alto risco por problemas na estrutura

Minas concentra 68% das barragens do país construídas com o mesmo método da que rompeu matando 270 pessoas há um ano

Memorial em homenagem às vítimas da tragédia de Brumadinho.

Um ano após tragédia da Vale, Brumadinho se divide entre o luto e a euforia econômica

Auxílio de um salário mínimo para cada habitante pela mineradora faz consumo dar salto. Alegria com a injeção de dinheiro ofende familiares de vítimas. “A cidade está consumista e maníaca”, diz psicólogo

Manifestantes protestam a caminho de Brumadinho contra a Vale, em Belo Horizonte.

SUS foi essencial para tratar o sofrimento em Brumadinho

As reparações morais, financeiras, ambientais devem ser tratadas como direitos absolutos, sem exigências de relatórios. Os danos afetivos, de perdas culturais, imateriais, são irreparáveis

Josiana Resende, de 31 anos, ainda tem esperanças de que o corpo da irmã Juliana, vítima do rompimento da barragem da Vale  em Brumadinho, seja encontrado.

365 dias de dor e busca em Brumadinho: “Precisamos fechar o ciclo e nos despedir simbolicamente”

Um ano após o rompimento da barragem da Vale que deixou 270 mortos, bombeiros seguem a procura pelos corpos ainda não encontrados. Parentes clamam por justiça e tentam fechar o ciclo de luto

Barragem da Mina do Córrego do Feijão, um ano após a tragédia.

As 50 barragens em alto risco que mantêm a bomba-relógio da mineração em Minas

Estado tem 50 barragens de alto risco, com elevada probabilidade de romper. Só há um terço dos 40 fiscais necessários para vistorias e ANM ainda depende da “honestidade” das mineradoras para atuar

Cartaz em Macacos lamenta a ausência de turistas.

A cidade que vive sob os efeitos da ‘lama invisível’

Risco iminente de rompimento de barragem da Vale no distrito de Macacos, perto de Belo Horizonte, altera rotina de moradores, espanta turistas e deixa em suspenso o futuro do local

Protesto contra a mineradora Vale, em Belo Horizonte, no dia 20 de janeiro de 2020.

Ex-presidente da Vale e mais 15 são denunciados por homicídio doloso na tragédia de Brumadinho

Ministério Público de Minas Gerais responsabiliza funcionários e empresas pelo rompimento da barragem que deixou 270 mortos em MG. Vale e Tüv Süd são denunciadas por crimes contra o meio ambiente

Rosa Sabina Briceno, de 22 anos, junto a seu bebê no ambulatório de Santo Domingo, após dar a luz em um táxi.

A febre do ouro na Venezuela miserável encontra o drama da malária

Nas zonas mineiras de Bolívar, no sul, moradores sofrem as consequências de uma doença que se considerava já controlada. Foram de 320.000 casos em 2019

O líder indígena mexicano Rarámuri Julián Carrillo.

América Latina, a região mais fatal do mundo para os ecologistas

ONG Global Witness fixa em mais de 80 os ativistas assassinados no ano passado. A Colômbia, com 24 mortos, supera o Brasil como o pior país

Os indígenas Wajãpi.

Procurador não vê indícios de invasão no território Wajãpi, mas não descarta linhas de investigação

Indígenas wajãpi denunciaram no sábado que um de seus líderes havia sido esfaqueado por garimpeiros no meio da mata. PF tem até sexta para encerrar inquérito sobre o caso

Vista geral em 1986 da mina de Serra Pelada, onde trabalharam 50.000 mineiros.

O novo olhar de Sebastião Salgado sobre Serra Pelada

O fotógrafo brasileiro expõe em São Paulo 31 imagens inéditas do formigueiro de garimpeiros que o consagrou em 1986

Os índios Wajãpi.

Assassinato de liderança Wajãpi expõe acirramento da violência na floresta sob Bolsonaro

Cacique foi morto no Amapá na última quarta por garimpeiros, que depois invadiram aldeia, denunciam indígenas. Funai confirma morte e polícia está no local apurando circunstâncias

Imagem da exposição 'Gold - Mina de Serra Pelada'.

Mineração, ouro e fotografia

A obra de Sebastião Salgado nos alerta e denuncia a deterioração do planeta pela exploração dos recursos naturais e as consequências do sistema capitalista nas relações sociais

O presidente chinês, Xi Jingping, durante visita a uma empresa de terras raras em Ganzhou em maio.

Terras raras, o ouro do século XXI, são a arma da China na guerra tecnológica

O gigante asiático, que monopoliza 80% da produção mundial, ameaça se negar a exportar para seu rival esses minerais cruciais

Há mais de três meses, os moradores de Barão de Cocais, em Minas Gerais, vivem sob tensão pelo risco de rompimento da barragem Sul Superior, que abastece a mina do Congo Soco. A cidade localizada a 100 quilômetros da capital mineira está em alerta desde fevereiro, quando as sirenes foram acionadas pela primeira vez pela Vale, responsável pela estrutura, e comunidades foram evacuadas. Pouco mais de um mês depois, as sirenes voltaram a soar indicando riscos, mas foi nos últimos dias que a tensão chegou ao ápice. O problema está no talude (um paredão de terra) na cava da mina, que se movimentava cerca de 10 centímetros ao ano, mas na última quarta-feira, passou a apresentar movimentação de 9,6 centímetros por dia. Caso o talude rompa por conta dessa intensa movimentação, pode provocar abalos sísmicos, um gatilho para o rompimento da barragem Sul Superior. Embora a Vale garanta estar tomando as medidas preventivas possíveis, o perigo iminente do rompimento tem alterado a rotina da cidade e afetados até mesmo a economia local.

O medo de uma cidade sob o risco de mais um ‘tsunami’ de lama

“A Vale é um câncer no Brasil porque ela dá uma colher e tira uma pá”

Morador de Barão de Cocais, o carreteiro Sílvio Faria fala sobre o risco de rompimento de barragem da Vale. Vídeo mostra a rotina alterada da cidade mineira na rota de um novo tsunami de lama

Reprodução do Google Maps da região da Mina de Gongo Soco, em MG

Mais uma barragem da Vale pode se romper a partir deste domingo

Mineradora identificou deformação na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, que levaria à terceira catástrofe do tipo na região de MG em menos de quatro anos

Um bairro residencial de Congonhas, cidade de Minas Gerais, rodeado por 23 barragens de resíduos de mineração.

A maldição das minas no Brasil: entre o medo do desemprego e o fantasma da impunidade

Cem dias depois do desastre provocado pela Vale em Brumadinho, que deixou 235 mortos e 35 desaparecidos, vizinhos de barragens em Minas Gerais temem que fiscalização insuficiente da mineração provoque novas tragédias

Fotografia do diamante divulgada pela Lucara Diamond Corp.

Encontrado o segundo maior diamante da história

A pedra de 1.758 quilates foi encontrada na mina de Karowe, da empresa Lucara, em Botsuana

Longa vida ao carvão mexicano: o negócio ‘sujo’ que ninguém quer deixar morrer

Operários trabalham em um trecho da ferrovia Norte-Sul em Santa Helena (GO)

Rumo, do grupo Cosan, vence disputa pela ferrovia Norte-Sul

Valor da outorga foi de 2,7 bilhões, o que representa um ágio de 100,92%. A quantia, porém, é inferior ao que um estudo apontava que deveria ser pago pela concessão

Imagem da água escurecida do Rio São Francisco, durante expedição realizada pela ONG.

Resíduos de Brumadinho já matam os peixes do rio São Francisco

Dados da Fundação S.O.S. Mata Atlântica mostram que alguns trechos do Velho Chico já estão com água imprópria para uso da população. Concentração de ferro, manganês, cromo e cobre está acima dos limites permitidos por lei

Não há desenvolvimento sem proteção ambiental

Afrouxar o licenciamento ambiental aumenta a margem de lucro das empresas, em função da redução dos custos. Porém, quando ocorre um desastre ambiental, o que há é uma socialização dos prejuízos, que são pagos pela sociedade como um todo

Bombeiros usam máquinas pesadas em busca de vítimas, 20 dias após a ruptura da barragem de Brumadinho.

A guerra entre a Vale e a Tüv Süd pela responsabilidade da tragédia de Brumadinho

Em depoimentos e e-mails divulgados até agora, auditores falam de pressões da mineradora para atestar a estabilidade da barragem. Já a Vale sugere morosidade de fornecedores para averiguar inconsistências na leitura de piezômetros

Fabio Schvartsman durante sessão de comissão na Câmara dos Deputados, em fevereiro.

Pressão das autoridades força saída temporária de presidente da Vale

Fabio Schvartsman, que assumiu empresa em 2017 com lema "Mariana nunca mais", se afasta com outros três diretores

A lama após um mês da ruptura da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

Tragédia em Brumadinho derruba grau de investimento da Vale

Agência de risco Moody's rebaixou, em escala global, ratings da mineradora brasileira