Planeta Futuro

‘Toxic Tour’, um passeio guiado nas zonas amazônicas contaminadas pelo petróleo

Os afetados pelo derramamento de óleo na Amazônia equatoriana querem transformar o desastre ambiental que enfrentam em turismo e denúncia. Para isso, criaram um roteiro em que visitantes podem ver a deterioração causada pelos poços de petróleo

Mão manchada de petróleo: parte do tour que tem como objetivo mostrar aos visitantes os enormes danos que empresas petrolíferas causaram ​​ao meio ambiente
Mão manchada de petróleo: parte do tour que tem como objetivo mostrar aos visitantes os enormes danos que empresas petrolíferas causaram ​​ao meio ambienteGianmarco Di Costanzo
Gianmarco Di Costanzo

A floresta está em perigo constante. As multinacionais e petrolíferas, que exploram algumas áreas da Amazônia equatoriana há décadas, causam danos irreversíveis ao ecossistema e às populações locais. Um desses lugares é a província de Sucumbíos, onde as contaminações causadas pela multinacional Texaco (depois, Chevron) prejudicam povos indígenas e camponeses, segundo vários relatórios oficiais. Mas, é algo que também se vê a olho nu: essa província, assim como a de Orellana, estão entre as mais afetadas pela poluição provocada pela exploração do chamado ‘ouro negro’.

Mais informação

Em 1972, a Texaco começou a extrair petróleo em Sucumbíos. Desde então, cerca de 64 bilhões de litros de água tóxica foram derramados em rios e florestas na Amazônia, bem como 650.000 barris de petróleo bruto, de acordo com a União de Afetados e Afetadas pelas Operações Petrolíferas da Texaco (UDAPT). Adiante, as estatais Petroecuador e a Petroamazonas assumiram o controle das instalações da Texaco, dando continuidade ao despejo de resíduos tóxicos na região; hoje, a área é uma das mais contaminadas do país, contando com cerca de mil poços de petróleo.

Mesmo com a pandemia, a comida e a água acabam como vítimas dos derramamentos, o que também afeta atividades de pesca e agricultura, além de causar doenças em habitantes de comunidades indígenas e camponesas, segundo eles mesmos relatam. O ar também não é poupado: a floresta de Sucumbíos, por exemplo, está repleta de flares, como são chamadas as enormes torres que queimam o gás natural que escoa da extração do petróleo. Os ‘gigantes’ também estragam a água da chuva, que ainda é a primeira fonte de abastecimento dos habitantes da região.

Por conta disso, nos últimos anos o que se viu foi um fenômeno de associações (criadas por cidadãos prejudicados) que moveram ações judiciais contra a Texaco-Chevron e até mesmo contra o Estado. Uma dessas figuras centrais na luta contra os danos causados pela multinacional é o advogado Pablo Fajardo, que há anos esta à frente da batalha judiciais liderada pelos afetados pelo dano ambiental.

É ele quem coordena as atividades da UDAPT, organização nascida sob a égide de ativistas indígenas e camponeses com o simples propósito de proteger a vida e os direitos de equatorianos que vivem em áreas contaminadas pelo petróleo. As batalhas legais contra os gigantes da indústria se arrastaram por mais de 20 anos. Enquanto isso, o Estado equatoriano deu razão às populações e até condenou a Texaco-Chevron a pagar cerca de 9,5 milhões de dólares (cerca de 48 milhões de reais) para limpar algo próximo de 480.000 hectares de área afetada —local que ganhou a alcunha “Chernobyl da Amazônia”. No entanto, a Chevron-Texaco recusou-se a pagar as multas. Em seguida, em setembro de 2018, o Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia anulou a sentença contra a multinacional por considerar que o Estado equatoriano havia violado o Tratado Bilateral de Investimentos com os Estados Unidos, segundo consta no próprio site da empresa.

A batalha judicial não terminou e os afetados esperam que em algum momento lhes deem razão e a multinacional seja obrigada a pagar o que deve

A batalha judicial não terminou e os afetados esperam que em algum momento lhes deem razão e a multinacional seja obrigada a pagar o que deve. No entanto, o desastre ambiental não pode ser compensado. E eles querem que o problema seja conhecido mundialmente. Para isso, um belo dia recorreram à originalidade e a UDAPT criou uma nova forma de turismo: o Toxic Tour, um passeio para sensibilizar os visitantes e chamar a atenção para este desastre ambiental. A iniciativa consiste em uma visita guiada às zonas mais poluídas das províncias. Permite ver, além de vários flares, inúmeros poços de petróleo, piscinas de petróleo e locais contaminados. Eles já fizeram mais de 700 passeios.

O tour atrai ativistas, jornalistas, fotógrafos e videomakers, visitantes ideais para a UDAPT, cujos membros buscam desesperadamente justiça e querem que sua história seja contada, para dar voz às populações indígenas e camponesas que sofrem as consequências das práticas ruins.

Tubulação de descarga perto de um poço de petróleo. A flora e a fauna também sofreram danos causados ​​pela poluição e a presença de animais silvestres na área diminuiu drasticamente.
Tubulação de descarga perto de um poço de petróleo. A flora e a fauna também sofreram danos causados ​​pela poluição e a presença de animais silvestres na área diminuiu drasticamente. Lorenzo Ambrosino

Os povos indígenas sofrem aqui, como em muitos outros lugares da Amazônia, a invasão de seus territórios por diversas atividades extrativistas. Muitas das operações petrolíferas foram realizadas em terras ancestrais de tribos indígenas da região, cuja sobrevivência está hoje ameaçada, apesar de viverem há milênios em simbiose com o ecossistema da maior floresta do mundo. Também existe o risco de perda de suas tradições ancestrais. Os A’I Cofan e Siekopai, habitantes dessas terras há séculos, foram reduzidos pela metade nas últimas décadas. Atualmente, são apenas algumas centenas de pessoas.

O Estado e as próprias multinacionais do petróleo têm tentado abrir vias de cooperação e indenização pelos danos causados pela atividade de mineração. Os povos indígenas muitas vezes aceitam somas de dinheiro ou investimentos na infraestrutura das aldeias em troca de licenças e concessões de terras. É o caso da Comunidade do Milênio, no povoado tribal A’I Cofan de Dureno, próximo ao rio Aguarico, um dos mais prejudicados. O território Cofan é uma terra de extrativismo desde a década de 1970 e tem sofrido muita violência com os novos colonos.

A criação dessa comunidade foi resultado de uma negociação entre o Governo e a Petroamazonas em 2014, pela qual foram aprovadas a reabertura do Dureno 1, um poço já fechado, e a ampliação do poço Guante 12, ambos em território Cofan. Desde então, Dureno se tornou uma localidade modelo, equipada com iluminação, cabanas de alvenaria, uma escola bilíngue, onde as crianças estudam o espanhol e sua língua tribal, e cisternas de água. Por tudo isso, a comunidade paga impostos. Cada núcleo familiar recebeu uma casa e também foram construídas instalações para o desenvolvimento do ecoturismo. Graças a esses investimentos, a petroleira obteve do Governo a concessão para a abertura de novos poços na área. Muitos moradores de Dureno, porém, discordam da decisão.


Os idosos lembram-se bem da chegada das multinacionais, enquanto os mais jovens nunca conheceram seu território ancestral limpo

A população Siekopai, por sua vez, diminuiu muito ao longo dos anos por causa da violência, ameaças e pressão das empresas que operam em seu território, bem como às doenças derivadas da poluição, segundo dizem na região. Algumas povoações ficam próximas ao rio Aguarico, como San Pablo de Kantesiyia, lugar altamente poluído. Os idosos lembram-se bem da chegada das multinacionais, enquanto os mais jovens nunca conheceram seu território ancestral limpo.

Celestino Piaguage é um dos fundadores da comunidade Siekopai de San Pablo de Kantesiya, que há anos convive com o problema da poluição ambiental.
Celestino Piaguage é um dos fundadores da comunidade Siekopai de San Pablo de Kantesiya, que há anos convive com o problema da poluição ambiental. Gianmarco Di Costanzo

Os derrames afetaram o curso de água, pondo gravemente em perigo a saúde dos que sobrevivem graças ao rio Aguarico, onde a população de San Pablo toma banho e as crianças costumam brincar. Alguns moradores contam que quando a produção de petróleo era alta, quem tomava banho saía com manchas pretas de óleo. Constata-se o crescente processo de ocidentalização das comunidades pela chegada de empresas agroalimentícias que experimentam novos cultivos e plantações de dendê no território, e pela abertura de lojas que são abastecidas semanalmente com produtos que os Siekopai nunca haviam consumido antes, como a coca-cola. Pela primeira vez, as novas gerações das tribos estão em contato com a globalização e o mundo digital. E hábitos, roupas e alimentos já começam a mudar. A sua cultura ancestral e as tradições milenares são cada vez menos assimiladas pelos mais jovens. E existe o perigo real de que as línguas também sejam esquecidas.

Muitos dos mais jovens são grandes defensores da Amazônia, a maior floresta do mundo, com um território abarcado por nove países sul-americanos. Estados que não conseguem encontrar uma forma de proteger o meio ambiente e as populações. A extração de matérias-primas e o desmatamento são implacáveis e suas consequências podem ser vistas na paisagem. A proteção desse ecossistema é essencial para a sobrevivência do planeta.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50