Ao Vivo

Notícias sobre a covid-19 e a crise, ao vivo | Brasil confirma 1.699 novas mortes, a segunda maior marca diária

Governadores de 14 Estados fazem carta para cobrar de Bolsonaro mais vacinas, enquanto procuradores da República pedem medidas urgentes do Ministério da Saúde. Rio endurece medidas, fecha bares à noite e adota toque de recolher. Lote com 8.000 litros de insumo da vacina Coronavac chega a São Paulo

Enfermeira sul-coreana em uma sessão de treinamento para vacinação contra a covid-19.
Enfermeira sul-coreana em uma sessão de treinamento para vacinação contra a covid-19.YONHAP / EFE
São Paulo / Brasília - 04 mar 2021 - 23:27 UTC

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Após registrar recorde de mortes por coronavírus, o Brasil confirmou nesta quinta-feira o segundo maior número diário de óbitos pela doença desde o início da pandemia: 1.699, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. Com isso, o número de vítimas acumuladas pelo país chega a 260.970. Ainda segundo a pasta, o Brasil registrou 75.102 novos casos nas últimas 24 horas e totaliza 10.793.732 contágios. Enquanto isso, o Governo Bolsonaro recebe cobranças de todos os lados. Procuradores da República de 24 Estados e do Distrito Federal elaboraram uma recomendação para que o Ministério da Saúde adote com urgência, em todo o território brasileiro, medidas para conter a transmissão do novo coronavírus. O documento foi enviado ao procurador-geral da República, Augusto, Aras para que seja encaminhado à pasta. Além disso, governadores de 14 Estados escrevera uma carta de apelo ao presidente, pedindo esforço na aquisição de vacinas.


As notícias mais importantes do dia:


Mais informações