Relação entre professora e prostituta sai do Google. Por que essas duas profissões estão juntas no dicionário?

Resultado de pesquisa em mecanismo de busca apresentava até esta quarta a expressão popular que equipara a figura de trabalhadoras sexuais à de educadora

Sala de aula na UFRJ em 2017.
Sala de aula na UFRJ em 2017.Tânia Rêgo (Agência Brasil)

Mais informações

O assunto causou tanto mal-estar que o Google teve de voltar atrás. Quem fizer a busca a partir de agora, só verá a expressão “Mulher que ensina ou exerce o professorado”. De acordo com a assessoria do Google no Brasil, a ferramenta de pesquisa teve por todo o tempo como base o banco de dados de dicionários parceiros da plataforma. “Os resultados incluem usos coloquiais que podem causar surpresa, mas não temos controle editorial sobre as definições fornecidas por nossos parceiros que são os especialistas em linguagem”, informa a empresa. Foi a Oxford University Press, que trabalha com editores dos tradicionais dicionários do Brasil, quem forneceu a definição ao Google. Mas depois da polêmica, decidiu retirá-lo, ao menos, no mundo virtual. Nos dicionários de papel, como Michaelis, Houaiss e Aurélio, que mantém o verbete inalterado desde sua primeira versão, de 1975, está lá como uma das definições do termo professora “prostituta com quem adolescentes se iniciam na vida sexual”.

Para Maria Aparecida de Oliveira, professora do ensino médio na rede estadual da Bahia, o termo é realmente empregado no vocabulário popular da região, inclusive com o diminutivo de “professorinha”. Porém, ela observa que a correlação entre seu ofício e a prostituição por meio de uma gíria se refere à categoria das professoras com sentido pejorativo ao reforçar um estereótipo machista. “Isso mostra como a imagem da professora está ligada à erotização e ajuda a explicar por que muitas de nós somos submetidas a diversas formas de assédio em sala de aula.”

Vice-presidente da Federação dos Professores do Estado de São Paulo (FEPESP), Sandra Baraldi entende que a definição deveria ser atualizada tanto no Google como nos dicionários, por interpretá-la como “degradante” para a classe. “Passamos por um momento de desvalorização e criminalização dos professores”, diz Baraldi. “Esse tipo de associação inapropriada à prostituição, mesmo que por uma expressão informal, acaba induzindo a sociedade a comprar discursos que desvalorizam os trabalhadores da educação.”

Primeiro romance consagrado do modernismo brasileiro, Amar, Verbo Intransitivo, de Mário de Andrade, publicado em 1927, descreve como já era normalizada entre a burguesia daquele tempo a prática de iniciar seus filhos com trabalhadoras sexuais. Na obra do escritor paulista, a governanta Fraülein Elza, de origem alemã, é contratada pela família Souza Costa para ser “professora de amor”, como relatado na história, do jovem Carlos, ao mesmo tempo em que dá aulas de idiomas e piano a suas irmãs. Apesar de retratar a prostituição como uma missão didática para Elza, o romance de Mário de Andrade carrega uma crítica aos moralismos e contradições da família tradicional. “Hoje em dia, nenhuma mulher do ramo sexual alimenta essa ideia de ser tutora ou educadora na iniciação dos homens”, explica Santuzza Alves, coordenadora do coletivo Rebu, que defende direitos de mulheres que exercem o trabalho sexual em Belo Horizonte. “Mas não vejo problema em ser comparada com uma professora, porque, assim como ela, também sou trabalhadora”, comenta Alves.

Filme "Lição de Amor", que retrata a iniciação sexual de um garoto com a professora particular.
Filme "Lição de Amor", que retrata a iniciação sexual de um garoto com a professora particular.

Em outra direção, produções de TV e cinema, ao contrário da obra literária de Andrade, contribuíram para erotizar a figura de professoras. Estrelado por Cameron Díaz, o filme Professora Sem Classe (2011) apresenta a atriz norte-americana no papel de uma vigarista que persegue homens ricos com seus trajes curtos e faz uma vaquinha entre estudantes para poder colocar silicone nos seios. Já no catálogo nacional, Fiorella Mattheis incorpora em O Último Virgem (2016) a professora Debora, que provoca um aluno que ainda não vivenciou sua primeira relação sexual. “A maioria dos adolescentes acaba desenvolvendo um amor platônico, um fetiche [por professoras]. É natural isso. E a Debora é aquela professora que para o trânsito”, comentou a atriz no lançamento do filme.

“Muita coisa no cinema e nas novelas incentiva a sexualização das profissionais de educação. É preciso ter cuidado ao reproduzir esses padrões em materiais didáticos que adolescentes também podem acessar”, diz Maria Aparecida. Professora de um colégio particular tradicional em Belo Horizonte, a ativista trans Duda Salabert não vê a expressão popular que provocou alvoroço nas redes sociais como depreciativa às professoras. “Essa definição faz parte do imaginário social. Se analisarmos as trabalhadoras sexuais como profissionais que detêm conhecimento em sua área, não há motivo pra achar que essa associação serve para rebaixar a classe da educação.”

Santuzza Alves também vê  traços de putafobia (preconceito contra prostitutas). Ela afirma que professoras não deveriam se sentir ofendidas pela comparação com prostitutas em uma definição de dicionário. “Só aumenta o estigma da nossa profissão. Muitas pessoas têm aversão às trabalhadoras sexuais por achar que portamos doenças, somos drogadas ou irresponsáveis. Na verdade, somos profissionais que prestam serviços tão dignos como qualquer outra atividade”, diz Alves, ressaltando que, ao contrário de épocas passadas, já não é mais comum no meio receber adolescentes, levados pelos pais, para se iniciarem na vida sexual.

Embora o debate proposto por Alves seja importante para não segregar ainda mais as profissionais do sexo, o fato é que a educação formal representa um valor universal para a transformação das sociedades, e os professores são a ponta mais importante desse ciclo. Não à toa, países do sudeste asiático, por exemplo, fizeram verdadeiras revoluções econômicas colocando a política da valorização do professor como uma das fórmulas para alcançar esse objetivo. Enquanto isso, o Brasil ainda precisa convencer pessoas a abraçar a carreira do magistério, que tem se tornado cada dia mais arriscada. Uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra que o Brasil lidera o ranking de agressões contra docentes em sala de aula. Vídeos com alunos espancando professores têm viralizado, um quadro degradante que mostra também a falta de compromisso do país com a educação.

Em comunicado oficial, a editora que publica o dicionário Aurélio sublinha que sua última versão, lançada em 2010, possui cerca de 9.000 brasileirismos, tal qual o que relaciona prostituta com professora. “Inserir um regionalismo como uma das acepções possíveis para uma palavra é ação natural de um dicionário, que deve apresentar o maior número possível de significados para um termo”, explica a nota. “Esse fato é ainda mais evidente quando se fala de uma obra que tem como uma de suas principais características registrar, por meio de verbetes, a cultura regional de um país tão vasto quanto o Brasil. Todas essas palavras fazem parte da Língua Portuguesa que, a exemplo de qualquer língua, é viva e tem inúmeras nuances.” Ao que tudo indica, essa antiga definição caducou e não cabe no Brasil atual.