Duda Salabert, a professora que quer ser a primeira prefeita travesti do Brasil

Celebrada por votação expressiva, ela saiu do PSOL acusando o partido de transfobia. Nesta segunda, se filiou ao PDT em ato com a presença de Ciro Gomes

Depois de boa votação ao Senado, Duda Salabert sonha com a Prefeitura de BH.Douglas Magno

MAIS INFORMAÇÕES

Para dar entrevista ao EL PAÍS, ela encontrou uma brecha na agenda dividida entre o ativismo político e os cuidados com a filha durante a licença maternidade concedida pelo colégio onde ela trabalha há 13 anos. “A empresa acatou meu pedido, mas não foi um processo fácil. Exigiu bastante conversa. Caso não aceitassem, iríamos judicializar. Tive que mostrar que a licença maternidade é um direito meu e da criança. Se fosse uma mulher cisgênero, eu não precisaria passar por isso.” Duda considera a legislação brasileira sobre o tema atrasada, incluindo os direitos previstos para casais heterossexuais. Por isso, caso se eleja a um cargo público, pretende propor mudanças que ampliem o período de afastamento do trabalho para pais cuidarem dos filhos recém-nascidos. “Meu objetivo é ocupar a política e colocar como pleito central a rediscussão da licença maternidade no Brasil, abraçando as novas configurações familiares.”

Em abril, Duda Salabert se desfiliou do PSOL e acusou a legenda socialista de transfobia. “Não podemos romantizar partidos. O PSOL é fundamental para a democracia, mas sua estrutura espelha a desigualdade que há no país”, explica a professora. Na época da desfiliação, o partido divulgou nota discordando da alegação de Duda, embora reconhecesse não estar imune às “manifestações estruturais de nossa sociedade”. A ativista transexual se sentiu discriminada pela quantidade de recursos destinados pelo partido a seu pleito ao Senado. Enquanto ela recebeu menos de 20.000 reais para a campanha, Chico Alencar angariou verba quase 10 vezes maior para tentar o mesmo posto no Rio de Janeiro.

“Sou a terceira mulher mais votada da história de Minas Gerais. Não tive estrutura. Fiz a campanha praticamente sozinha. O PSOL não fez nenhuma caridade pra mim. Disputei e ganhei as prévias para me candidatar ao Senado”, afirma Duda, que também critica um suposto favorecimento de candidaturas da região Sudeste pelo partido. “O padrão de investimento do PSOL são pessoas brancas cisgêneras e heterossexuais. É um pessoal que adora aquela parte do Leblon, a zona Sul do Rio. Nesse aspecto, o PSOL age igual ao PSL e a todas as legendas. Eu percebi que o partido não vai mudar nos próximos anos. Minha saída é pedagógica, para que reavaliem sua democracia interna”, diz, lançando um desafio ao ex-partido. “Quero ver o PSOL colocar uma travesti como cabeça de chapa.”

Logo em seguida à desfiliação, lideranças jovens do PDT lançaram campanha pela incorporação de Duda. Em um encontro com Ciro Gomes, ouviu do terceiro colocado na eleição presidencial que o partido a espera “com tapete vermelho estendido”. O pedetista, que deu declaração recente criticando o PT por se “refugiar no identitarismo” e não entender o Brasil evangélico, fez questão de comparecer ao evento de sua filiação nesta segunda-feira, em Belo Horizonte.

“Qual partido não tem suas contradições?”, discursou Duda antes de ser ovacionada pela militância do PDT com gritos de “bem-vinda”. Até aceitar o convite pedetista para seguir seu caminho na política, a professora recebeu mais quatro sondagens de legendas de esquerda. “Enquanto alguns partidos expulsam travestis, outros estão abertos a nos receber”, afirma, em referência à expulsão da ativista trans Indianare Siqueira do PSOL, em abril deste ano, que, segundo o partido, teria violado preceitos éticos de seu estatuto.

Duda Salabert condicionou a escolha pelo novo partido ao compromisso com a causa LGBT, além da garantia de recursos para uma eventual candidatura à Prefeitura de BH, onde obteve 125.000 votos no pleito ao Senado. “Em algumas urnas da capital, eu ganhei da Dilma Rousseff, que gastou 4 milhões de reais na campanha. Quero me candidatar por um partido que, de fato, valorize as pessoas transexuais. Que nos dê estrutura para ocupar os espaços de poder. Não queremos ser adorno nas eleições.” Pela representatividade, ela vislumbra se tornar a primeira prefeita travesti do país. Porém, sua maior motivação é ajudar construir um modelo de gestão que privilegie os grupos que representa e as bandeiras que levanta. “A cidade ideal ouve a voz dos movimentos sociais. E tem respeito pelos animais, pessoas LGBTs, negros e mulheres. Essas quatro pautas nunca foram valorizadas por nenhuma administração.”

Empoderamento pela educação

Antes de iniciar o processo de transição de gênero, Duda Salabert construiu carreira sólida na capital mineira dando aulas de literatura para alunos do ensino médio. Mas, há cinco anos, desde que começou a se reivindicar socialmente como mulher, as propostas de emprego rarearam. “Estou no apogeu da profissão, era pra chover convites de outras escolas. Se eu fosse demitida, dificilmente outro colégio me contrataria. As pessoas não me leem como professora, mas como uma prostituta, já que 90% das mulheres transexuais no Brasil estão na prostituição. Esse é um reflexo da transfobia na sociedade.”

Duda conta que os alunos assimilaram bem a revelação de sua transexualidade, ao contrário de pais que não convivem diariamente com ela. “No ano passado, uma mãe foi conversar com o dono do colégio exigindo satisfação porque a filha estava tendo aula com um traficante. Não sou prostituta nem traficante. Mas deve ser muito vergonhoso para uma família tradicional mineira ouvir a filha dizer que a pessoa que ela mais admira é uma travesti. Não posso fazer nada, né?”, diz a ativista, que enxerga a profissão como causa. “Tenho o sonho de transformar o mundo pela educação.”

Duda Salabert e Ciro Gomes no evento de filiação ao PDT.
Duda Salabert e Ciro Gomes no evento de filiação ao PDT. (Divulgação)

Em 2016, criou a ONG Transvest, em que professores voluntários dão aulas preparatórias para o vestibular a transexuais em Belo Horizonte. “A escola é um espaço de violência, ódio e intolerância às pessoa trans. A grande maioria das transexuais não conclui o ensino médio. Nosso modelo educacional é falido, porque exclui a diversidade.” Ela entende que o país nunca teve um plano consistente na área, “nem nos Governos do PT”. Em sua visão, o Governo Bolsonaro tem adotado uma visão mercantilista da educação, amparado por movimentos que estimulam o patrulhamento a educadores dentro das escolas. “Querem culpabilizar o professor pelo fracasso educacional brasileiro. Eu quero que o aluno pense diferente de mim, me tire da zona de conforto. O conhecimento se constrói a partir das diferenças. Só não quero que ele me filme em sala de aula.”

Na esfera municipal, Duda Salabert tem batido de frente com o atual prefeito Alexandre Kalil (PHS), que, desde o início de sua gestão, em 2017, se mostra entusiasta da Parada do Orgulho LGBT em BH como um evento que atrai recursos financeiros para a cidade. “Não podemos reconhecer as pessoas LGBTs apenas pelo dinheiro que podem gerar, mas sim pelos nossos direitos que devem ser respeitados. Kalil está preocupado com o lucro, não com a população LGBT”, afirma. O prefeito prometeu que, ao fim de seu mandato, a capital mineira terá a maior parada gay do Brasil – a última edição do evento reuniu 250.000 pessoas no centro da cidade. “Não adianta ter a maior Parada LGBT do país enquanto não temos nenhum abrigo de acolhimento para pessoas LGBT em situação de rua. Do que adianta investir dinheiro em festa que dura três horas numa cidade que não tem política pública para transexuais?”.

Duda Salabert, na praça da Estação, em Belo Horizonte.
Duda Salabert, na praça da Estação, em Belo Horizonte.Douglas Magno

Ela também interpelou Kalil por ter barrado a performance Coroação da Nossa Senhora das Travestis, que previa uma encenação de artistas trans com símbolos religiosos durante a última Virada Cultural da cidade, em julho. “Uma semana depois de discursar contra a intolerância na Parada, ele adotou um posicionamento moralista e autoritário ao censurar a peça”, diz Duda. O prefeito justificou o cancelamento argumentando que a exibição desrespeitaria a religião católica. “Defendo todas as liberdades. Sou católico, devoto de Santa Rita de Cássia. Fiquem tranquilos, ninguém vai agredir a religião de ninguém. Isso não é cultura”, publicou em seu perfil no Twitter.

Embora incisiva em suas manifestações, Duda Salabert, de 38 anos, defende a via do diálogo como forma de fazer política. Ela não se opõe a estabelecer conversas com campos ideológicos opostos, assim como seu ex-colega de partido, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que topou participar de um bate-papo com a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP). “Tento dialogar com vários setores. Se o Bolsonaro me chamasse para uma conversa, eu iria”, afirma, sem abandonar suas ressalvas ao capitalismo. “É impossível uma emancipação de gênero dentro de um sistema capitalista, que se organiza a partir da assimetria social. Nós, pessoas LGBT, sempre seremos a base da engrenagem.”

Contudo, enquanto busca alternativas viáveis para superar o modelo de sociedade que critica, a professora prega que movimentos progressistas devem se reinventar a partir da pluralidade de opiniões e pontos de vista. “A esquerda se perdeu porque dialoga só com o próprio umbigo, usa um discurso pedante, acadêmico e elitista. Ainda está presa em manuais que regeram a Revolução Russa. A sociedade mudou e precisamos sair da bolha. Temos de buscar o comum. Não há outra maneira efetiva de mudança que não seja pela construção de pontes.”

Arquivado Em: