Jason Stanley: “Investe-se muito em atacar universidades porque é onde está a maior liberdade de expressão”

Em seu livro 'Como Funciona o Fascismo', professor de Yale disseca os traços da ideologia radical

O filósofo Jason Stanley, em Nova York no último mês de maio.
O filósofo Jason Stanley, em Nova York no último mês de maio.JOANA TORO

O anti-intelectualismo, o vitimismo e a imposição de valores patriarcais são os elementos comuns da ideologia radical que brota hoje em diferentes latitudes. Isto é o que argumenta Jason Stanley (Estados Unidos, 1969) em sua última obra, Como Funciona o Fascismo – A Política do “Nós” e “Eles” (L&PM, tradução de Bruno Alexander). Presença habitual na mídia, Stanley traça um amplo mapa do fascismo que abrange várias décadas e mais de meia dúzia de países.

Esse doutor em Filosofia pelo Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) e professor na Universidade de Yale, antes de esmiuçar a ideologia fascista e suas reencarnações no panorama político atual analisou os mecanismos propagandísticos em seu livro anterior, How Propaganda Works (“como funciona a propaganda”), que lhe valeu o prêmio da Associação Norte-Americana de Editores em 2016. Daí deu o salto a estudar o efeito pernicioso da mitificação de um passado nacional glorioso. Afirma Stanley que a falsificação e a idealização da história hoje sustentam desde o lema trumpista de “tornar a América grande outra vez” até a Hungria de Orbán, passando pelo partido Bharatiya Janata na Índia. Na biblioteca pública de Nova York, no começo de maio, defendia com energia a urgência de agir frente à imparável ascensão de uma retórica radical que não é inócua.

Pergunta. Você se especializou em filosofia da linguagem. Como decidiu estudar o fascismo?

Mais informações

Resposta. Em 2009, dei aulas na Universidade Central Europeia, em Budapeste. Voltei um ano mais tarde, depois da vitória de Viktor Orbán, e o ambiente estava rarefeito. Percebi o antissemitismo por trás do discurso político como se fosse uma onda de ultrassom, e recordei o que escreveu minha avó sobre como havia sido gradual a mudança em Berlim dos anos trinta. Vi claramente: o antissemitismo não era algo remoto, havia voltado.

P. Sua avó, fazendo-se passar por uma assistente social, ajudou centenas de prisioneiros a escaparem do campo de concentração alemão de Sachsenhausen. O que você recorda dela?

R. Morreu quando eu tinha um ano, não cheguei a conhecê-la. Mas em seus escritos ela falou de um tempo em que se usava uma determinada retórica e parecia que nada estava acontecendo, que as palavras não tinham consequências. Entretanto, os discursos não são inócuos, a retórica acaba se instalando, e hoje já está afetando o mundo.

P. Em Como Funciona o Fascismo, você escreve sobre o ataque às universidades como um dos traços definidores do fascismo.

R. É assim, basta olhar a situação hoje no Brasil ou ler o que Masha Gessen escreveu sobre o furioso ataque ao politicamente correto nos EUA, sua caricaturização. Esse ataque ocorre no âmbito internacional; as universidades se transformam em zona de guerra.

P. Como vê os campi norte-americanos?

R. O que vejo nas universidades dos EUA é a chegada de muitas corporações. Veja, Yale não é nenhum antro de esquerdistas perigosos, lá está guardado o arquivo do Henry Kissinger, e ninguém tirou Shakespeare dos programas letivos. É incrível a quantidade de coisas que são exageradas e inventadas e que se divulgam. Investe-se muito dinheiro em atacar esses centros porque é lá onde há maior liberdade de expressão e onde há mais protestos.

P. Essa difusão de exageros e falsidades vai na linha do Breitbart News e do seu ex-diretor Steve Bannon. Por que você não escreve sobre ele em Como Funciona o Fascismo?

R. Bannon não é nenhum mago e não acho que tenha tanto poder como se supõe. O republicano Newt Gingrich foi muito mais visionário quanto à comunicação política. E quem têm poder são os oligarcas da direita ligados ao vice-presidente Mike Pence, que promovem todas as políticas antigays. Na Hungria, Orbán sabe bem o que faz, não precisa de Bannon, como tampouco precisam dele em Viena.

P. Como deter as teorias conspiratórias que alimentam o medo?

R. Isto é algo que os filósofos políticos estão debatendo muito hoje em dia. Essas teorias podem passar por verdades quando as democracias atacam políticas antidemocráticas.

P. Por exemplo?

R. Veja, o fenômeno das fake news não é novo. Em 2003 nos levaram à guerra do Iraque.

P. A novidade são as caixas de ressonância que criam as redes sociais?

R. Bom, isto das caixas de ressonância acho que basicamente se refere a um tribalismo que tampouco é novo. Algumas pessoas ficam isoladas da realidade e acabam retidas em falsos mitos.

P. Nenhuma sociedade está imune às técnicas do fascismo?

R. Acho que algumas zonas da Alemanha nunca serão fascistas, e isto permite ter certa esperança no poder de uma boa educação. Mas, bom, embora na Alemanha o assunto da supremacia ariana não ressurja, é bem verdade que eles têm alguns mitos nacionalistas, como essa imagem de que os gregos são uns vagabundos.

Steve Bannon não é nenhum mago e não tem tanto poder como se supõe

P. Em seu livro você não menciona em nenhum momento o populismo como um dos traços do fascismo. Por quê?

R. É um termo que tratei de evitar, sim. Queria deixar claro que o que enfrentamos é um etnonacionalismo de extrema direita. Há um velho debate sobre os traços que ficam de fora se você tenta englobar tudo e analisar todos os extremismos, tanto da esquerda como da direita.

P. A pensadora Hannah Arendt, a quem você cita amplamente, foi a primeira a teorizar sobre o que ela batizou de totalitarismos.

R. Sim, mas não estou de acordo com Arendt. Algumas coisas se aplicam a qualquer regime totalitário, mas não todas.

P. Quais?

R. Arendt coloca a raça, um assunto que define o fascismo, e a luta de classes no mesmo nível.

P. O enfrentamento de classes não desempenhou um papel, por exemplo, na eleição do presidente Trump nos EUA?

R. Os brancos de classe baixa nos EUA estão sendo mortos por sua brancura. O Partido Republicano há anos apoia políticas que não só os estão prejudicando como também dizimando, com leis sobre armas, reduções de impostos às grandes fortunas, cortes na educação pública e a rejeição ao Obamacare. São eles que estão sendo sacrificados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: