Antisemitismo

França se mobiliza contra o crescimento do antissemitismo

Milhares de cidadãos expressam em Paris e outras cidades o seu rechaço aos atos contra os judeus, que aumentaram 74% em 2018

Multidão se manifesta nesta terça-feira na praça da República, em Paris
Multidão se manifesta nesta terça-feira na praça da República, em ParisThibault Camus (AP)

Solidariedade, preocupação, alarme. Havia judeus e não judeus. Jovens e idosos. Parisienses. Franceses. Os sentimentos se misturavam nesta terça-feira na praça da República, em Paris, onde milhares de pessoas, convocadas por cerca de 20 partidos políticos, se reuniram quase o tempo todo em silêncio sob o lema “Já Basta” para mostrar seu rechaço ao antissemitismo.

A manifestação era uma resposta aos reiterados atos antissemitas nos últimos dias. O mais recente foi a profanação de 96 tumbas no cemitério judaico de Quatzenheim, perto de Estrasburgo, no leste do país. “A República é um bloco”, disse o presidente Emmanuel Macron ao visitar o Memorial da Shoah, na capital francesa.

MAIS INFORMAÇÕES

O antissemitismo nunca desapareceu na França, o país europeu com maior população judaica. Continua vivo e adota formas brutais, como se comprovou nos últimos dias: suásticas apareceram pintadas em retratos de Simone Veil, sobrevivente do Holocausto; tumbas foram profanadas – incluindo os casos descobertos na própria terça-feira na Alsácia –; e um monumento a Ilan Halimi, o jovem judeu francês torturado e assassinado em 2006, também foi depredado. Pichações e insultos são tão frequentes que quase não viram mais notícia. No sábado, 16, o escritor Alain Finkielkraut foi perseguido por vários coletes amarelos, um movimento sem líder nem ideologia, em cujas margens há eventuais expressões de ódio aos judeus. Em 2018 os atos antissemitas cresceram 74%. Cerca de 60.000 judeus partiram para Israel na última década, segundo alguns cálculos.

Este é o contexto da manifestação em Paris e outras grandes cidades. Não é a primeira e seus efeitos são limitados. Desta vez foi Olivier Faure, o líder do enfraquecido Partido Socialista, que teve a ideia de convocá-la. Depois de algumas rusgas partidárias, outras legendas se uniram ao chamado. Uma não foi convidada: o Reagrupamento Nacional, que, apesar dos esforços de sua líder, Marine Le Pen, para desdemonizá-la, continua sendo associada, por muitos, e para seu pesar, ao antissemitismo de seu pai, Jean-Marie Le Pen. A intenção era enviar uma mensagem da França republicana aos compatriotas judeus e ao mundo. O "já chega" significa que a França civil e institucional não tolera tais atos e, como disse o primeiro-ministro Édouard Philippe em uma entrevista, o antissemitismo não afeta só os judeus, mas todos os franceses.

“Meu temor, aos 75 anos, é que seja forçada a ir embora. A França é o meu país", disse, nas primeiras filas da manifestação Évelyne Cariglio. Seu irmão emigrou para Israel. Ela não vê motivo para abandonar o país onde nasceu. "Temo pelos meus netos", confessou. "Toda vez que há uma crise econômica, o antissemitismo aumenta, como em 1929."

Ao lado dela, espremida na multidão, estava Myriam Groch, que nasceu em 1937 e lembra de ver sua mãe com a estrela de David pregada no peito durante a ocupação nazista. "Irmos embora? Nós somos francesas!”, disse ela. E acrescentou: "Quando expulsaram os judeus da Espanha, a Espanha afundou. Se deixarem a França, a França ficará mal”.

Entre 2017 e 2018, o número de atos antissemitas – vandalismo, insultos, ameaças e agressões – passou de 311 para 541. O pior momento nos últimos tempos foi em 2004, com 974 atos, no início de uma nova onda de antissemitismo – mais associada ao islamismo radical do que à velha direita extrema – que ainda não acabou.

"Desde janeiro de 2018, um clima preocupante de ansiedade se instalou [na França]. Além do antissemitismo islamista, testemunhamos o ressurgimento da extrema direita identitária virulenta que não hesita em passar à ação", disse a Le Monde Frédéric Potier, delegado interministerial contra o racismo, o antissemitismo e o ódio anti-LGBT.

A manifestação parisiense contou com a presença do primeiro-ministro Philippe, do ex-presidente François Hollande e de mais da metade do Conselho de Ministros. Entre os participantes, havia pessoas vestidas com coletes amarelos.

"Estou aqui para combater o ódio e o antissemitismo. Quando o país vai mal, buscam bodes expiatórios", disse Marie, uma aposentada que preferiu não dar o sobrenome, e que simpatiza com os coletes amarelos, embora não o usasse. "Há pessoas que sofrem muito, e quando você sofre isso pode levar ao ódio em relação aos outros", disse ela.

A Assembleia Nacional, por iniciativa dos deputados de A República em Marcha  (LREM), o partido da Macron, contempla debater um projeto de lei que condenaria não só o antissemitismo, como agora, mas também o antissionismo. A ideia é que o antissemitismo é com frequência mesclado com o questionamento do direito de existência do Estado de Israel.

Na parte da manhã, em uma coletiva de imprensa com a presidente georgiana, Salomé Zurabishvili, Macron se mostrou insatisfeito com a proposta: "Não acho que penalizar antissionismo seja uma solução".

Arquivado Em: