Seleccione Edição
Login

Os extremistas têm problemas para perceber que estão errados

Radicais mostram dificuldades cognitivas para assumir o erro e têm maior confiança em seu julgamento

Dois britânicos se enfrentam verbalmente pelo Brexit.
Dois britânicos se enfrentam verbalmente pelo Brexit. Reuters

Toda pessoa que já discutiu sobre política sabe que é quase impossível convencer alguém de que está enganado, principalmente em questões ideológicas. Mas essa possibilidade existe, embora seja pequena. Já quando se trata de extremistas, essa possibilidade é quase nula. Dada a crescente relevância dos movimentos políticos radicais, surgiram nos últimos anos novos estudos destacando o excesso de confiança que os mais radicais têm em sua própria opinião. Agora, alguns cientistas resolveram verificar se há algo mais dentro das cabeças mais fanáticas que as impede de sair de seus dogmas, independentemente da ideologia, da pressão social e do ego.

“Queríamos esclarecer se as pessoas que têm crenças políticas radicais geralmente estão muito seguras de suas crenças, ou se se trata de diferenças na metacognição, que é a capacidade que temos de reconhecer quando estamos errados”, explica Steve Fleming, neurocientista da University College de Londres. Sua equipe fez um estudo com quase 400 indivíduos, repetido depois com mais de 400, para comprovar se as pessoas de extrema esquerda e de extrema direita sempre têm mais confiança em suas próprias opiniões ou se o problema é que têm dificuldade em perceber que se enganaram.

O experimento era simples: ia sendo mostrada aos sujeitos uma série de pares de quadros com pontinhos em seu interior e eles tinham de ir escolhendo qual dos dois continha mais pontos. Depois, deviam indicar seu grau de certeza quanto à sua escolha. Nesta primeira fase da prova, extremistas e moderados acertaram por igual e manifestaram o mesmo nível de confiança em sua escolha quando acertaram. No entanto, quando erraram, os extremistas se mostraram mais confiantes de ter acertado.

Em uma segunda fase do experimento, os pesquisadores iam informando aos participantes se estes tinham acertado ou errado em sua resposta antes de passar ao próximo par de quadros. O que os cientistas observaram é que os sujeitos baixavam o nível de confiança em seu próprio julgamento depois de saber que tinham errado. Ou seja, os erros os faziam duvidar de sua capacidade. Mas os extremistas, notavelmente, não perderam tanta confiança, apesar de seus enganos. Estes resultados mostram que as pessoas mais dogmáticas manifestam uma capacidade reduzida de discriminar entre suas decisões corretas e incorretas, conclui o estudo, publicado na Current Biology.

Em um experimento, os extremistas não perderam tanta confiança como os moderados quando os informavam de seus erros

“Descobrimos que as pessoas com crenças políticas radicais têm uma metacognição pior do que aquelas que com pontos de vista mais moderados. Muitas vezes, elas têm uma certeza errônea e resistem a mudar suas crenças diante da evidência”, explica Fleming. Essa metacognição de que fala o neurocientista, poder pensar sobre o próprio acerto, está fortemente vinculada à capacidade de incorporar novas evidências depois de uma decisão, o que permite reverter escolhas incorretas.

Para Fleming, o resultado chama muito a atenção, já que uma tabela com pontos não é algo com o que essas pessoas possam se sentir especialmente envolvidas. Se elas custam mais a ver suas falhas em algo assim, é natural que esse problema se multiplique em questões mais pessoais ou ideológicas. Além disso, os pesquisadores consideram que essa deficiência cognitiva dos mais radicais não ocorre apenas na política, como demonstrariam os vínculos que surgem entre fundamentalismo religioso e autoritarismo: “Acreditamos que os mecanismos cognitivos que apoiam as crenças radicais podem ser os mesmos entre diferentes domínios, enquanto o conteúdo de uma crença específica provavelmente depende de outros fatores, como a educação e a exposição a diferentes grupos sociais”, assinala Fleming. Um estudo recente, por exemplo, mostra que as opiniões mais radicais contra os alimentos modificados geneticamente se associam a um menor conhecimento sobre essa tecnologia, mas com uma maior confiança em sua própria opinião.

A rigidez mental do Brexit

Nos últimos tempos, vários estudos mostraram que os extremistas políticos possuem uma maior rigidez mental que os impede de reconhecer outros enfoques, reconhecer suas próprias debilidades e aceitar mudanças. Por exemplo, um trabalho de pesquisadores da Universidade de Cambridge com votantes do referendo sobre o Brexit mostrou que aqueles que tinham mais dificuldades cognitivas para se adaptar a uma mudança de categoria em um teste eram mais propensos a ser autoritários, nacionalistas, conservadores e a votar a favor da saída da Grã-Bretanha da União Europeia. Outro estudo realizado nos EUA apontou que o sentimento de superioridade a respeito da própria ideologia (ou seja, acreditar que a sua posição é mais correta que a dos outros) é um bom indicador de extremismo ideológico. Tanto as pessoas de extrema esquerda como as de extrema direita, por igual, tinham um maior convencimento do que as demais de estar certas.

Aqueles que tinham mais dificuldades cognitivas para adaptar a uma mudança de categoria eram mais propícios a votar a favor do Brexit

José Manuel Sabucedo, catedrático da Universidade de Santiago de Compostela, trabalhou com base nessa mesma ideia para saber se acreditar ser dono da verdade era uma boa forma de prever o radicalismo político. “Descobrimos que o monopólio da verdade é um bom indicador de futuras atitudes extremistas, o que permite intervir em relação àqueles que se acreditam no direito e na obrigação de impô-la aos demais”, explica Sabucedo.

Sabucedo considera que isso se enquadra no conceito de realismo ingênuo, que é como se define quando os indivíduos acreditam que a realidade é da forma que eles a percebem. “E se você não compartilha minha forma de ver as coisas, é porque não tem informação, não tem capacidade analítica ou está influenciado por sua ideologia”, pensam esses indivíduos segundo Sabucedo, presidente da Sociedade Científica Espanhola de Psicologia Social. Esse fenômeno, assinala o catedrático, é perigoso porque poder levar alguém, “inclusive de boa fé”, a forçar outras pessoas a ver sua “verdade”.

No entanto, Sabucedo considera que o estudo de Fleming sobre a metacognição tem um efeito limitado. “É interessante, mas deixa de fora a importância do contexto. Em épocas como esta, quando surgem radicalismos e extremismos, não podemos dizer que isso se deva a esse problema cognitivo”, aponta o cientista social. “Existem pessoas com essas tendências que se ativam para se tornar mais extremistas e pessoas que também se ativam e que não as têm”, acrescenta. “Estas épocas de incerteza geram ansiedade, e os cidadãos procuram uma explicação. Aí aparecem determinados grupos para oferecer uma explicação simples, como a de que a culpa é da imigração, que serve para reduzir essa ansiedade”, resume Sabucedo, que tem dedicado sua carreira ao estudo dos autoritarismos a partir de uma perspectiva psicossocial.

"Descobrimos que acreditar ser o dono da verdade é uma boa forma de prever  atitudes extremistas, o que permite intervir", explica Sabucedo

Além disso, para Sabucedo há outra falha no estudo: a correlação entre essa deficiência cognitiva mostrada pelos extremistas e sua tendência ao radicalismo. Qual é a causa e qual o efeito? “Ainda não está claro se a metacognição limitada é a causa ou a consequência, ou ambas, da radicalização”, reconhece Fleming. “Acreditamos que poderia predispor as pessoas a desenvolver crenças radicais, mas o contrário também é plausível”, afirma o neurocientista, e por isso vai continuar estudando o assunto nessa direção. Fleming explica que talvez nossa capacidade de refletir sobre nossas decisões ou crenças diminua quando estivermos rodeados por outras pessoas com pontos de vista radicais.

MAIS INFORMAÇÕES