Seleccione Edição
Login

Marcelo Adnet: “Sempre experimentei essa coisa do ‘te amo, gênio’ e do ‘te odeio, morra, monstro!”

Humorista da TV Globo diz já ter sido ameaçado de morte, fala da dificuldade em se fazer humor político e comenta o fim do programa que protagoniza há seis anos

Marcelo Adnet
O humorista Marcelo Adnet. Globo

Em momento de extremismos no país, o humorista Marcelo Adnet (Rio de Janeiro, 1981) é um dos poucos que se dispõe a misturar piada com política. E isso na maior emissora brasileira, a TV Globo. É amado e odiado por grupos que, às vezes, pensam da mesma maneira. Frequentemente recebe ameaças nas redes sociais. A mais grave ocorreu na campanha eleitoral do ano passado, quando se viu envolvido em uma fake news. O boato atribuía a ele um áudio no qual o então candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) estaria destratando a enfermeira do hospital onde estava internado se recuperando de uma tentativa de homicídio. “[Me disseram] vou te matar, vou te dar um tiro na cara quando vier na minha cidade”. Nesse caso, tomou as medidas legais. Mas nem sempre as toma, senão, iria diariamente à delegacia. Redator final do programa Tá no ar, ao lado de Marcius Melhem, Adnet prepara para se despedir do humorístico, do qual é um dos protagonistas, após seis temporadas. E já avisa que não haverá uma continuidade do episódio Vila Militar, aquele que colocou Bolsonaro dentro da história de Chaves, Seu Madruga e Dona Florinda.

A entrevista concedida ao EL PAÍS ocorreu em um café na zona oeste do Rio de Janeiro na quinta-feira, um dia após o temporal que causou mortes e destruição pela cidade. Durante quase uma hora de conversa, o ator falou do amor por sua cidade natal, se deu nota nove por interpretar os presidenciáveis na campanha de 2018, explicou porque nunca exerceu a profissão de jornalismo (apesar de ter se graduado nesse curso), detalhou seus próximos projetos, e analisou o clima de “histeria virtual” atual. Algumas frases entrecortadas por uma rápida mexida na franja preta, como se ela estivesse caindo na testa, mesmo estando parada.

Pergunta. Analisando como jornalista e humorista, você acha que essa crise de embates políticos, esse Fla x Flu, vai amenizar em algum momento?

Resposta. Estaria sendo o Nostradamus.

P. Ou a mãe Dinah.

R. A mãe Dinet (risos)! Acho que a história vem muito em ondas. Ela vai e vem. Por isso é importante reconhecê-la. Naturalmente, a gente vai encontrar um ponto, não de fim de conflito, porque o conflito em si interessa a muita gente. Por causa do conflito centenas de pessoas se elegeram nessas eleições. Foi em cima do conflito, do inimigo. Acho que essa onda conservadora que a gente vive agora vai arrefecer um pouquinho. Na prática, várias pessoas achavam que tudo ia ser maravilhoso, mas a gente viu várias escorregadas em um mês de Governo, vários problemas. As coisas não são tão simples, de que um Governo vá resolver tudo. Aí, vem a tragédia de Brumadinho, acontece a enchente no Rio. Caramba, é preciso ouvir a natureza! O brasileiro precisa ter o pé no chão. Precisa caminhar um pouquinho para uma posição mais central. Há uma confusão de desinformação. Chegam a chamar a ONU de um órgão criminoso. Não! Essas coisas vão passar. Acho que vai ter um filtro aí. Essas fake news que foram bombardeadas para a população ainda tem um impacto muito grande. Ainda não escoou tudo. Quando escoar, a gente vai chegar em um ponto mais equilibrado. Agora, vivemos um momento de histeria virtual, de boataria, fabricação de notícias falsas.

P. Você mesmo foi vítima de uma notícia falsa relacionada ao Bolsonaro, não?

R. Me atribuíram isso. Alguém fabricou um áudio e depois botaram minha cara, dizendo que o Adnet, a mando da Rede Globo, imitou o Bolsonaro. Nem era eu. Se fosse eu, faria algo completamente diferente. Diziam que era eu e que estava fazendo [a gravação] para não eleger o presidente. “Esse canalha, esse idiota desse Adnet”. E cá, para nós, era até uma imitação ruim. Eu fiquei chateado. Acharam que aquela era a minha? Que mal (risos). Aí, as pessoas vinham inflamadas por essa informação e até hoje me comentam. “Você quer prejudicar o presidente!”. Já recebi mensagem dizendo: “Vou te matar, vou te dar um tiro na cara quando vier na minha cidade”. Isso é muito virtual. Só duas vezes alguém veio falar bobeira para mim na rua. É algo muito mais virtual do que real. Mas pode se tornar real. É bem desagradável.

P. E como você reagiu a essa onda?

R. Eu expus a questão, disse que era crime, que não era eu que estava produzindo esse áudio falso. E sobre as pessoas que disseram que iam me dar um tiro na cara, eu entrei na Justiça contra elas.

“Para quem faz paródias e trabalha com humor é mais fácil falar de temas um pouco mais superficial e comuns a todos do que um tema tão espinhoso como a política”

P. Você registra boletim de ocorrência todas as vezes que recebe ameaças?

R. Não. Só nesse caso, se não ia dar muito trabalho, teria de passar por delegacia todos os dias. Eu vejo coisas que aconteceram comigo no passado e penso, “como eu não processei essa pessoa”. Realmente, eu fico na minha, deixo pra lá. Mas chegou em uma hora que é legal botar um limite. Dessa vez, eu acionei juridicamente.

P. Como você lida com essas críticas na internet?

R. De boa. Às vezes, aparece um movimento, algumas pessoas que querem te ferir. Mas acho melhor não mergulhar nisso, nem se importar. Eu faço televisão desde 2008, na MTV. Sempre estive na era digital. No meu primeiro programa, eu recebia e-mail. Sempre experimentei essa coisa do “te amo, gênio” e do “te odeio, morra, monstro”. Não pode ser nem um nem outro. Nosso olho passa assim: “maravilhoso, maravilhoso, gênio, incrível. Uma bosta, a pior coisa que eu já vi”. Ai, meu Deus, fiquei mal. É tão errado isso, se preocupar com tanta intensidade com a opinião dos outros. Isso tudo na internet, num fórum de comentários.

P. O que seria uma pequena bolha.

R. Isso. Mas sei que existem muitas reações silenciosas. Tem aquele que assistiu, gostou e riu, mas não comentou nada. O comentar em si, nesse mundo extremamente de coments, likes e compartilhamentos, pira a pessoa. Eu estou lá, estou nas redes, leio um pouquinho, interajo um pouquinho. Mas não vivo aquilo. Sou bem afastado. Aliás, comercialmente, isso não é bom. Eu prefiro manter como algo pessoal. Não sou daqueles que chega, pega o celular, e posta nas redes: “galera, estou aqui na padaria comendo um sanduíche com parma, hummm”. E depois, diz para o dono da padaria: “Será que você me arruma um apoio?” Não, eu prefiro pagar minha conta. Vivemos uma crise das telas.

P. Na sua opinião, por que há poucas pessoas trabalhando com humor político no país?

“Eu estou nas redes, mas não vivo aquilo. Não sou daqueles que chega, pega o celular, e posta nas redes: “galera, estou aqui na padaria comendo um sanduíche com parma, hummmmmm”

R. Primeiro porque não é tão fácil como fazer uma brincadeira: (cantarola) 'O nome dela é Jenifer, eu conheci ela no Tinder', que tem uma linguagem fácil. A política tem uma linguagem complicada, é um universo prolixo, empolado. Tem essa barreira que é um material difícil de lapidar. É uma coisa muito bruta que tem de lapidar muito bem e contar com a informação das pessoas também. Portanto, isso torna a venda do humor político muito pouco sedutora. As pessoas trabalham muito com sedução. Eu não. Uma entrada rápida no Tinder. No Tinder, não, no Instagram (risos).

P. Tem frequentado o Tinder, é?

R. É porque eu cantei a música da Jenifer e me veio o Tinder (risos). Para você ver como a coisa está meio sensualizada. Mesmo que a ideia da sensualidade seja uma viagem, uma praia, um flamingo, uma paisagem, um grupo de pessoas, uns óculos, um artista famoso. Então, falar de política foi muito pouco sedutor. É um tema sisudo, cinza. Trazer cor para isso é complicado. No meu caso, o jornalista teve de aparecer. Para quem faz paródias e trabalha com humor é mais fácil falar de temas um pouco mais superficiais e comuns a todos do que um tema tão espinhoso. Às vezes fica numa imitação de um Bolsonaro, que já é de conhecimento comum, mas a análise política e ir nos temas de dia a dia, questões mais profundas, é mais difícil, mesmo.

Adnet como o personagem Militante.
Adnet como o personagem Militante. Globo

P. Você cansou do Rio?

R. Não cansei. Acho que os cariocas têm uma relação de amor, carinho, mas também uma relação dura. O Rio acaba sendo um microcosmo do Brasil. Foi nossa capital quando o Brasil estava se forjando, surgindo. A cidade é violenta, mas as pessoas convivem com isso. A cidade é cheia de problemas, mas driblar esses problemas e superá-los é o que faz o Rio tão especial. Meu filme, que eu acabei de fazer, é passado na zona norte do Rio de Janeiro, tem uma relação forte com a cidade. Mas a gente não tem uma relação boba ou inocente porque ela joga na nossa cara coisas de maneira muito clara, muito forte.

P. Você tenta trazer isso para o seu trabalho?

R. Sim, com certeza. Adoro trabalhar assim. Sou jornalista de formação, o Marcius [Melhem] também é. A gente, de certa maneira, sempre trouxe mais esse lado jornalístico. Daí que vem, às vezes, o humor crítico. Na maioria das vezes é um humor que traz algum incômodo sobre determinada situação.

“Faço o humor com o opressor, não com o oprimido, na maioria das vezes”

P. É quando você tenta colocar uma interrogação na cabeça do público?

R. É. Eu acho que o Marcius concorda muito comigo. Quando a gente está trabalhando juntos, a gente não gosta de dar a conclusão da piada ou a conclusão da cena. E dizer que “isso quer dizer isso”. A gente faz a proposição, joga uma luz sobre o problema, uma maioria das vezes a gente faz o humor com o opressor, não com o oprimido.

P. Há cenas que dão interpretação distintas?

R. Têm cenas que são interpretadas de maneiras completamente diferentes. Lembro quando fizemos o Chico Buarque de Orlando. Aí uma galera disse: “que maneiro, você trouxe, pela primeira vez, Olavo de Carvalho para a Globo”. E outra dizendo: “nossa, que maneiro, você tirou uma onda com a cara dele”. Então, isso é muito legal, quando a moral da cena fica na mão do espectador.

P. E você já leu Olavo de Carvalho?

R. Não. Já li trechos selecionados na internet. Li algumas ideias e teorias. Já ouvi ele falando, mas nunca parei para ler um livro dele.

P. Como é para você ter essa interpretação tão diferente de seu trabalho? Alguns dizendo que você está numa emissora golpista, outros em uma emissora comunista.

R. É positiva. Mostra que estamos fazendo um bom trabalho.

P. Por que você nunca trabalhou diretamente com jornalismo?

R. É cruel o meio, né (risos)? Para mim, foi falta de oportunidade. Eu fiz estágio em uma gravadora, pequena, um selo de música brasileira. Eu ouvia os álbuns, escrevia os releases [material informativo destinado a jornalistas que trabalham em redação], mandava os releases para jornais do Brasil inteiro e depois ligava para perguntar se as pessoas tinham recebido os CDs, se tinham recebido os releases, se ia sair uma nota. Fazia a assessoria de imprensa, sendo estagiário. Também quebrava vários galhos lá dentro. Ganhava 200 reais por mês. Um dia eu pensei: “cara, trabalhando muito, faço outras funções que não são as minhas”. Comecei a me sentir incomodado e vi que 200 reais era muito difícil. Não dava pra quase nada (risos). Hoje em dia, menos ainda. Meu patrão, acho que ele percebeu a situação, me chamou na sala dele e disse: “Marcelo, você está trabalhando muito bem, quero reconhecer o seu esforço, o seu trabalho”. Era o dia do pagamento. Com o cheque na mão ele disse: “Vou te dar um aumento. De 10%”. Ele me fez um cheque de 220 (risos). Aí, eu tive a certeza de que tinha de sair. Não vou ficar fazendo isso.

P. Foi quando você ingressou na carreira de humorista?

R. Logo que saí, eu queria trabalhar em redação, mas surgiu um convite do [ator] Fernando Caruso, que na época já fazia teatro e a gente se encontrou na PUC [Pontifícia Universidade Católica], ele fazendo publicidade e eu jornalismo. A gente trocava muitas ideias. E foi um encontro muito florescente. A gente ria muito. Ele perguntou se eu não toparia fazer um espetáculo de improviso. Isso foi em 2003. E falei: topo. Foi a primeira vez que eu subi num palco. Foi o espetáculo ZÉ, Zenas Emprovisadas. Tinha uma coisa interessante, havia uma aula no espetáculo. Éramos quatro improvisadores, eu, o Fernando Caruso, o Rafael Queiroga e o Gregório Duvivier, um professor convidado e um ator convidado. O professor convidado dava dinâmicas que a gente jamais ensaiou sobre ou conhecia. Apareciam algumas coisas muito absurdas. Já tive de declarar amor a uma cadeira. Já tive de fazer um concurso de bundas. “Todo mundo coloca a bunda pra fora”. Meu Deus! E a peça deu muito certo. A gente saiu de um teatro pequeno na segunda temporada, foi pro Planetário, foi pro Jockey, pro shopping da Gávea, com três sessões diárias. Foi uma febre. E aí, isso acabou engolindo. Acabou que eu nunca mais realmente exerci a profissão. Eu uso o jornalismo de certa forma.

P. Um outro exemplo foi naquele tutorial de candidatos que você fez para o jornal O Globo?

R. Sim. De certa forma eu uso o conhecimento e o gosto que eu tenho por esse mundo do jornalismo na comunicação para trabalhar.

P. Você se assiste de maneira isenta?

R. Eu me assisto da mesma maneira que eu olho o Rio de Janeiro. Não me cobro demais, não quero ser perfeito, não quero ser nota dez. Eu sempre falo que é melhor tirar um oito e viver, a buscar um dez que nunca vem. Não me cobro de maneira injusta, mas me critico também. Acho que o trabalho que eu fiz teve momentos bem graves e difíceis de lidar, como aquele momento da eleição. Foi uma eleição pesada, para todo mundo. Recebi ameaças de morte. Era coisa que eu nunca tinha tido antes.

P. Será que, no seu caso, não se tornou mais grave porque os humoristas raramente nominam quem eles estão satirizando? Por exemplo, eles falam genericamente de um político corrupto.

R. Acho que não vale a pena tentar entender o porquê eu estou recebendo uma ameaça de morte. Isso não resolve. E essa eleição teve toda essa carga muito pesada. Mas, ao mesmo tempo, ouvir aqueles personagens, descobrir aqueles personagens, foi muito divertido. Eu não conhecia os personagens. O único que eu brincava de imitar era o Eduardo Paes [ex-prefeito do Rio]. O resto, eu não sabia. Como imitar a Marina Silva, o Geraldo Alckmin? Foi do zero. Foi um mergulho corajoso. Eu dizia: “cara, talvez eu tire seis e meio”.

P. E que nota você se deu?

R. Acho que ficou legal, ficou nove. Foi um salto no escuro. Eu adorei fazer, achei bom, adorei ter feedback, tanto da galera que não manja de política – o que é excelente porque é uma maneira de trazer as pessoas de fora para a discussão – quanto de pessoas do mundo político, o Ciro Gomes e a Marina replicaram nas redes. A Marina me ligou depois, dizendo que foi o maior barato se ver nesse espelho de bronze. Dizia que era um espelho no qual ela se via deformada, mas a deformação faz sentido. Foi um quadro bem assistido. Em uma premiação da revista IstoÉ eu encontrei o ministro [do STF Roberto] Barroso e ele me disse (imitando a voz): “O meu maior pesadelo é ser imitado por você” (risos). E eu respondi: “quem sabe neste ano, em 2019?” O quadro foi muito divertido, mas não foi fácil, foi um trabalho de pesquisa bem grande. Eu tive de mimetizar tudo aquilo, virar aquela pessoa. Usar falas reais dela e, ao mesmo tempo, criar alguma fantasia.

P. Qual dos candidatos você achou mais difícil?

R. Foram dois. O [Fernando] Haddad, talvez pela sutileza da imitação. Ele não tem uma caricatura clara, como o Ciro ou o Bolsonaro. E o outro mais difícil foi o Cabo Daciolo, porque ele já é um personagem feito. Então, não existe uma caricatura em cima de algo que já é uma caricatura. Foram os mais difíceis por motivos completamente extremos.

P. Por que o Tá no Ar termina nesta temporada?

R. Porque foram seis anos e ele ocupa o ano inteiro. A gente começa a escrever em abril, entrega em agosto, setembro. Em outubro começa a gravar até o fim de janeiro e com apenas folga no Natal e no Réveillon. Aí, temos fevereiro, março e abril começa tudo de novo. Agora, estamos fora do período de gravação, eu estou indo lá [nos estúdios da Globo] gravar música, gravar locução. Se tivesse uma próxima temporada, a gente estaria nessa roda. E temos outros projetos. No ano passado eu peguei as minhas férias e fiz o meu filme, que lanço no meio deste ano. A gente começou a precisar respirar um pouco. A gente ama o programa. Tem um lado meu que diz que eu poderia fazer o programa ao infinito. Vamos aproveitar que está tudo certo, por que vamos esperar ter um problema? Decidimos terminar feliz.

O ator e humorista Marcelo Adnet.
O ator e humorista Marcelo Adnet. Globo

P. Vocês já têm algo em mente para substituir o Tá no Ar?

R. Dentro desse time, de fato concreto, tenho um projeto para 2020. É um programa que vai mesclar cenas gravadas com cenas ao vivo. É algo que ainda está em franco desenvolvimento.

P. Nesses seis anos, o programa migrou de humor em flashes para esquetes mais trabalhadas. Por que isso ocorreu?

R. Interessante. Você me fez pensar. O programa é muito vivo. Tem muitas cenas. No programa há grandezas que são pautas jornalísticas. Qualquer pauta LGBT vai estar em voga daqui a seis meses. Pauta da Amazônia, dos índios, vai ser uma pauta forte. Porque é óbvio, vai gerar conflitos, debates. Acho que essa mudança é uma percepção real, mas não é planejada. Ela é algo que vem com a maré dos acontecimentos. E o programa quando começou, ele era menos tela. Era só a tela da TV. Hoje, a gente tem uma interface de mídias. A gente vai avançando, o programa vai avançando muito e, talvez, essa mudança de flashes para cenas mais desenvolvidas pode ter sido uma tendência, mas não foi nada direcionado.

Elenco do episódio Vila Militar, do Tá no ar.
Elenco do episódio Vila Militar, do Tá no ar. Globo

P. Vocês esperavam essa repercussão que teve da Vila Militar, já no primeiro episódio dessa temporada?

R. Não desse tamanho. Esperava uma boa repercussão porque ela mistura dois universos interessantes, o do Chaves e o do novo Governo. E esse mix ia dar o que falar, mesmo as pessoas que não gostaram falaram apaixonadamente. Elas não disseram simplesmente: “Não gostei”. Elas disseram: “Ah, meu Deus! Que porcaria! Temos de rever a concessão da Globo”. Foi uma reação apaixonada. O quadro teve uma visibilidade enorme, foi muito comentada. Sabíamos que tinha a chance de ter um poder.

P. E a continuidade dela vem em qual episódio?

R. Não tem. Essa é a prova de que a gente realmente não sabia o tamanho dela. E fizemos uma vez só. Por fim, não calculamos que seria um estouro. Fizemos uma edição só.

P. Recentemente, uma humorista australiana, a Hannah Gandsy, fez um show denominado Nanette para anunciar o fim de sua carreira. Ela é lésbica e seu humor era autodepreciativo. O que você acha desse tipo de humor?

“Piada não é maior que a lei. A gente pensa muito, qual é esse limite do politicamente correto e concluiu que é a legislação”

R. Eu acho que o stand up tem de ser muito sincero. Eu posso me zoar com a minha sobrancelha. “Olha aquilo!”. “Deixa eu tirar minhas sobrancelhas da frente”. É cabível. Acho que as pessoas que têm sobrancelhas grandes não são um risco na sociedade. Um cara não vai ser espancado por ter uma sobrancelha grande. Até pode acontecer de alguém dizer: “Nossa, esse cara é árabe”. As coisas são muito loucas, mas é uma característica que coloque alguém em risco. Mas lésbica, sim. É um grupo que é alvo para uma parcela pequena da população, mas existe. Acho legal o movimento dela. Já vi gente fazer piada depreciativa consigo mesmo como modus operandi. “Ah, como eu sou feio!”. E meio que o cara nem é tão feio. Esse humor pode acontecer se aquilo vem da alma da pessoa. O Leandro Hassum, que não é mais gordo, fazia piadas de gordo que eram ótimas. Aquilo era uma coisa que o movia. Era algo que o apaixonava. Ele falava aquilo com maior alegria. Não era algo que ele escrevia forçadamente. Não vejo problema em fazer piada consigo.

P. Na sua opinião, qual é o limite do politicamente correto?

R. A lei. Se você matar alguém em uma piada, isso não é politicamente correto. Se, numa pegadinha, você agride alguém, também não é correto. Se você comete uma injúria, uma difamação, uma calúnia, também não é. Claro, piada não é maior que a lei: “sou humorista e tenho uma licença que posso cometer crimes se for uma piada”. Ou, falei algo em público, absolutamente racista, ultrapassou a linha. A gente pensa muito, qual é esse limite e concluiu que é a legislação.

P. É uma discussão que você tem internamente na sua equipe de trabalho?

R. Não. Mas é um limite pessoal, sim. As pessoas têm de se respeitar. Respeitar sua vocação. Brincar com sentimento de botafoguense. Para mim tá ótimo. Sou supertranquilo, até porque eu sou botafoguense. Às vezes os botafoguenses ficam bravo. Não sou só eu que estou sacaneando o meu time. Se a gente não se sacanear, pior, né? Enfim, cada um segue o seu estilo e vai ser cobrado. É normal, é do jogo. Quando você busca a internet, vê as notificações, vê seu nome e vê gente que te ama e te odeia na mesma proporção.

P. É mais fácil imitar o Bolsonaro do que alguém da esquerda que está perdida, sem rumo?

R. É mais fácil porque ele está em evidência. O presidente do país sempre foi imitado. O Viajando Henrique Cardoso, a Dilma, no Zorra, ou Lula, por tantos humoristas. Seria assim com Haddad ou com qualquer outro.

MAIS INFORMAÇÕES