Seleccione Edição
Login

Choque de Cultura: os críticos de cinema mais populares da internet

Sucesso no Youtube, programa de humor se encaminha para sua terceira temporada no final do ano

Parte da produção e elenco do Choque de Cultura, em visita ao EL PAÍS
Parte da produção e elenco do Choque de Cultura, em visita ao EL PAÍS

Choque de Cultura. Caso você tenha passado incólume pela mais recente febre da internet brasileira, o EL PAÍS explica: programa de humor, no formato de um mesa redonda, em que quatro personagens, um apresentador e três comentaristas – "os maiores nomes do transporte alternativo" ou motoristas de van para os não iniciados –, discutem cinema. O programa, que finalizou sua segunda temporada no início deste ano, vai ao ar no Youtube, é produzido pela TV Quase e divulgado no site de entretenimento e cultura pop Omelete. Grande parte dos episódios disponíveis têm cerca de 1 milhão de visualizações e, apesar da longa pausa (a terceira temporada só volta em dezembro), o Choque de Cultura não deixa de ser assunto na internet e também fora dela: está em centenas de memes que reproduzem bordões dos personagens e também na fantasia dos foliões que foram às ruas no Carnaval deste ano.

Resumidamente. Rogerinho do Ingá, o personagem de Caito Mainier, é o âncora. Meio casca grossa, ele conduz as discussões que têm como base trailers de filmes, nem sempre lançamentos. Maurílio, interpretado por Raul Chequer, é o único dos quatro que, de fato, trabalha com transporte de equipes de cinema, por isso, é dado a fazer comentários pseudo intelectuais, o que lhe rendeu o apelido de “palestrinha", e se dirige aos espectadores como “amantes da sétima arte de todo o Brasil”. Julinho da Van, o Leandro Ramos na vida real, é o mais discreto, vida boa, só usa regatas e, além de motorista, vende um treino especial para ficar sarado, forte, “botar um bração” – muito embora ele próprio não esteja exatamente em forma. Renan, o Daniel Furlan, é, para muitos, a estrela dos quatro. Língua presa, cavanhaque, óculos escuro na cabeça, faz os comentários mais absurdos.

Absurdo, aliás, é uma boa palavra para descrever o tipo de humor do Choque de Cultura. No começo é um pouquinho difícil de entrar no mundo deles, mas depois que você entra, é um caminho sem volta. O próprio Caito Mainier tem uma história boa sobre isso. Em 2016, quando lançaram o primeiro episódio do programa, entre comentários que diziam “que porra é essa?” e “o Omelete baixou o nível”, alguém disse no Youtube que os quatro eram “claramente atores”. Nada mais nonsense, nada mais Choque de Cultura do que isso. Afinal, é claro que eles são atores. Ou não é? A graça do programa talvez venha justamente daí: os quatro personagens são tão bem construídos, estão cada vez tão mais críveis, com histórias “pessoais” que vão para além do programa, que até acaba acontecendo uma confusão entre criador e criatura. Não à toa, no Oscar deste ano, os quatro personagens ficaram ao vivo, durante 5 horas e meia, comentando a cerimônia.

Em uma conversa com o EL PAÍS, por exemplo, acabaram se transformando nos próprios personagens a todo o momento. É só começarem a contar uma história, que nem precisa ser necessariamente engraçada de saída, e cada um assume seu papel. Numa conversa entre Leandro Ramos e Daniel Furlan, um despretensioso comentário sobre paletas mexicanas, sorvete febre de um verão em São Paulo, pode acabar assim:

— Paleta mexicana é igual frozen iogurte, não existe mais.

— É, mas é que aquilo não é nem comida, se você jogar aquilo no chão, um animal passa reto. Não identifica como alimento. É igual fandangos, né? Joga um fandangos na floresta e vê o que acontece!

— Você fala isso, mas eu já vi uma saúva carregar um fandangos.

— Mas aí é para fazer o telhado da casa. Outra formiga vai até comentar: “O Jorginho Formigueiro está com uma casinha de fandangos com bituca de cigarro que é uma belezinha”.

Se o Choque de Cultura nasceu em 2016, os integrantes do programa trabalham com humor há muito mais tempo. Eles fizeram o caminho inverso, foram dos meios tradicionais, como televisão e mídia imprensa, para a internet, onde encontraram sucesso quase instantâneo. Repleto de bordões, os episódios são rapidamente convertidos em memes que se espalham pela internet na mesma velocidade em que a fama do programa aumenta. Hoje, além dos quatro atores (nem todos com formação cênica) que aparecem no vídeo, trabalham por trás da câmera no núcleo criativo também Pedro Leite, Juliano Enrico, David Benincá e o diretor Fernando Fraiha. Todos fazem os roteiros – sim, porque, como eles dizem, por mais improvisação que haja, 90% dos episódios são roteirizados, assim como a transmissão que comentou o Oscar –, cada um veio de lugar diferente.

Uns são cariocas, outros capixabas. Alguns trabalharam nos estertores da MTV brasileira na TV aberta, em atrações como O Último Programa do Mundo, estrelado por Daniel Furlan, outros integraram equipes de outras séries de humor de sucesso, como o Larica Total, do Canal Brasil. Todos, em algum momento, se reuniram em torno da TV Quase, que nasceu em 2002 como revista Quase, uma publicação independente que “por motivos de crise do mercado editorial”, explica Juliano Enrico, acabou migrando para o audiovisual. Hoje, além do Choque de Cultura, a TV Quase ainda produz Irmão do Jorel, um desenho exibido no Cartoon Network, e o Falha de Cobertura, programa de humor esportivo. Agora, com o sucesso do Choque de Cultura, estão surgindo também outros projetos pessoais, Leandro Ramos, por exemplo, fez uma participação em O Mecanismo, e Daniel Furlan vai estrear a série Samantha!, ambas produções da Netflix.

Melhores momentos da transmissão ao vivo do Oscar 2018

Outros índices do sucesso do Choque de Cultura: na internet, muitas vezes, a novidade surge e acaba em questão de semanas, este não é o caso do programa; já há os exclusivistas de plantão que, incomodados com o sucesso, passaram a dizer que o programa virou muito mainstream; e começam a surgir verdadeiras análises sociológicas sobre a série. Há quem diga que Choque de Cultura é humor 100% brasileiro; há quem diga que é tributário de experiências recentes, como o Porta dos Fundos, que catapultou a carreira de atores como Gregório Duvivier e Fábio Porchat; há quem aponte para o final dos ano 1990 e diga que eles bebem diretamente da fonte de programas de sucesso da MTV, como Hermes e Renato e Rock Gol; e há, por fim, comentários que os ligam diretamente a uma tradição mais antiga, personificada por figuras como Chico Anísio, especialista em criar personagens, tipos únicos, como é o caso dos quatro motoristas comentaristas de cinema.

E no Brasil, em pleno 2018, também nunca é demais lembrar que, por enquanto, o Choque de Cultura vem sendo uma unanimidade entre diferentes grupos políticos. Eles não pretendem levar  política para o programa e já deram muita risada com os memes que os encaixaram tanto à direita quanto à esquerda. Segundo o Caito Mainier, primeiro eles assistem o trailer dos filmes – sim, porque eles juram nunca terem assistido um filme que resenharam até o final –, depois tem uma rodada de brainstorm meio nonsense e, a partir daí vão afinando o roteiro. Nunca se importam com política na hora de construir os episódios, mas, às vezes, “descobrimos que a parada tinha uma conotação política só quando vai ao ar e tem uma repercussão com esse viés”.

Crítica do filme "A Forma da Água", ganhador do Oscar de 2018

O Pedro Leite, que trabalha atrás das câmeras, teoriza meio na piada: “não é Marx que explica Choque de Cultura, é Freud!”. Se alguma visão política acaba passando para os episódios, é a parte que está nos próprios criadores e acaba, em mais uma confusão de personagem e ator, contaminando os motoristas de van. Apesar de todo o sucesso, há também algumas críticas que dizem que o programa propaga um “humor de homem hétero, branco”. Para isso, a resposta deles é rápida. “Mas é exatamente isso! E não há problema nisso, mesmo porque muitas vezes acaba expondo a babaquice da intolerância e do machismo”, diz Mainier. Assim, piada proibida não tem, mas eles dizem tomar cuidado e reavaliar tudo sempre. “O critério é se é engraçado, caso insulte alguém, a gente naturalmente já não vai achar engraçado”, resume o Leandro Ramos.

E, por fim, o papo de Freud serve para explicar um monte dos bordões que conquistaram a internet. Muito do que os personagens dizem foi vivido na vida real dos atores. Por exemplo, em um episódio sobre super-heróis, Renan começa a dizer, em uma de suas histórias absurdas, que comprou uma aranha caranguejeira de estimação para o filho, “uma aranha do tamanho de um pirex” que picou a criança inteira, mas que não passou nenhum super poder para o menino, como aconteceu com o homem-aranha. A aranha, segundo Daniel Furlan, realmente existiu quando ele era criança, embora o resto seja, obviamente, invenção. E, numa conversa com o pessoal do Choque de Cultura, você percebe que realmente é preciso apenas uma lembrança de infância ou uma história vivida dentro de um táxi para que a coisa cresça, cresça e cresça até as raias do absurdo total, que fará, sem dúvida, umas milhões de pessoas gargalharem.

MAIS INFORMAÇÕES