Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Um ano crucial para América Latina, com eleições no Brasil, no México e na Colômbia

Um panorama das disputas presidenciais no continente, que ainda incluem voto na Venezuela

São Paulo / México / Bogotá

Para a América Latina, 2018 será um ano eleitoral de suma importância. Os dois gigantes da região, Brasil e México, realizarão eleições presidenciais, assim como a Colômbia, quarta economia regional. A Venezuela, protagonista de uma crise política em constante escalada, supostamente também deve convocar uma disputa para presidente. E, em Cuba, Raúl Castro anunciou que este ano abandonará o poder. Veja o que está em jogo.

Eleições 2018
Confronto entre manifestantes e a Guarda Bolivariana em Caracas, na Venezuela, em maio de 2017. EFE

BRASIL

O Brasil celebra em 7 de outubro sua eleição mais importante e mais imprevisível desde 1989, quando ocorreu a primeira escolha nas urnas de um presidente após o fim da ditadura. A única coisa que se sabe com certeza é que a surpresa daquela eleição, o então líder metalúrgico esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva, será também um protagonista da próxima disputa. Não se sabe se Lula, presidente por duas vezes pelo PT e agora recorrendo de uma condenação da Justiça, poderá ser candidato e se, caso não seja, terá, como líder das pesquisas até agora, força para galvanizar apoios em torno do nome que o substituir.

Do lado da centro-direita, também afetada pela Operação Lava Jato, tampouco o panorama é claro. O veterano governador de São Paulo, Geraldo Alckmim, do PSDB, caminha a passos largos para obter a candidatura do seu partido, mas ainda trabalha para obter apoios de mais siglas enquanto tenta vencer sua fragilidade nas pesquisas, especialmente no Nordeste. Há 24 anos no poder do principal Estado do país, tentará conjugar o sentimento anti-Lula com algum aceno de política social num país em que 70% do eleitorado tem renda familiar de até 2 salários mínimos. Não é tarefa fácil, já que parte do apoio entre investidores e empresários depende do endosso de Alckmin a indigestas reformas, como a da Previdência.

O presidente do Brasil, Michel Temer, em 21 de dezembro de 2017.
O presidente do Brasil, Michel Temer, em 21 de dezembro de 2017. REUTERS

Sem falar que Alckmin - ou quem quer que ocupe seu lugar no espectro político-  terá pela primeira vez um adversário não só à esquerda, mas também à direita. A novidade da eleição até o momento é o surgimento da candidatura isolada de extrema direita do deputado e militar reformado Jair Bolsonaro, que aparece em segundo lugar nas pesquisas baseada na pregação contra Lula e até na licença para matar para policiais, um discurso de apelo em um país onde a violência urbana alcança níveis alarmantes. Bolsonaro, por sua vez, terá de provar que sua força eleitoral, é sustentável e perene, o que a maioria dos analistas duvida.

Seja como for, na crise profunda de credibilidade da classe política atual, não se descarta que outsiders venham a surgir. No Brasil, o clichê repetido é que tudo só se define mesmo é na campanha da TV, nas quais os candidatos têm tempo gratuito para se vender aos eleitores de acordo com os apoios partidários que consigam obter. Na divisão do tempo na TV, até o apoio do PMDB, um partido à frente de um Governo com recorde de impopularidade, passa a ter peso. Esse panorama, argumentam, costuma cortar o voo de qualquer outsider. No entanto, com os últimos acontecimentos dentro e fora do país, pode ser que clichês tenham ficado sem validade. Essa será a primeira campanha em que os políticos poderão pagar por propaganda no Facebook, um passo com um potencial imenso e ainda difícil de medir.

Essa será a primeira campanha em que os políticos brasileiros poderão pagar por propaganda no Facebook, um potencial de influência  imenso ainda difícil de medir

O calendário eleitoral já começará, na prática, com tudo neste janeiro. O ano começará com mais um capítulo da novela jurídica de Lula, acusado de ter obtido ganhos pessoais ilícitos como contrapartida por supostamente ter facilitado contratos públicos. Lula já foi condenado em uma das ações pelo juiz Sergio Moro. No dia 24 de janeiro, um tribunal superior vai julgar se confirma ou não a pena. Tudo leva a crer que o ex-presidente deve, sim, ser considerado culpado de novo, o que pela lei que visa tirar os corruptos da política o impediria de concorrer. Ainda assim, resta um longo caminho de contestações judiciais até o Supremo Tribunal Federal e o PT já declarou que vai até o fim para manter Lula na corrida.

Não é uma questão menor: Lula, símbolo de uma era de ouro especialmente para os brasileiros mais pobres, é o favorito isolado nas mais recentes pesquisas, ainda que descontada a efetividade deste tipo de levantamento tantos meses antes das urnas. O instituto Datafolha, de São Paulo, estima que 38% dos eleitores como “lulistas” mais ou menos dispostos a seguir sua indicação. Sem ele na disputa, cresce, por ora, a fatia de brancos e nulos, abrindo ainda mais o campo das incertezas.

MÉXICO

Em 1.o de julho, o México realizará uma eleição presidencial imerso num contexto profundamente difícil. Seis anos atrás, o presidente Enrique Peña Nieto dava ensejo um sexênio de esperança, com uma série de reformas obtidas com o consenso da maioria das forças políticas. Mas a segunda parte do mandato prejudicou – e, em algumas ocasiões, solapou – a imagem do país. Os casos de corrupção atingem continuamente o círculo mais próximo de Peña Nieto e, inclusive, o governante Partido Revolucionário Institucional (PRI). Além disso, a violência tingiu o país de sangue como nunca antes. Ante a ausência de dados oficiais para dezembro, tudo indica que 2017 será o ano mais violento desde que existem registros.

A batalha para suceder Peña Nieto já começou. A campanha eleitoral se anuncia com hostilidades, mais brutal do que nunca e com um possível cenário até agora inédito: três candidatos chegando com chance de vitória até o último momento. Tudo isso em plena renegociação do Tratado de Livre Comércio (TLC) com os Estados Unidos e o Canadá e com a sombra de Donald Trump vindo do norte.

O presidente de México Enrique Peña Neto.
O presidente de México Enrique Peña Neto. EFE

O líder em todas as pesquisas continua sendo Andrés Manuel López Obrador, duas vezes candidato, líder do Movimento de Regeneração Nacional (Morena), um partido que criou à sua imagem e semelhança quando abandonou o PRD no início deste sexênio. Esta será a última vez – segundo ele – que López Obrador tentará chegar à presidência, que perdeu em 2006 por meio ponto para Felipe Calderón. O líder do Morena continua transmitindo uma imagem negativa para um amplo espectro do eleitorado, que o considera uma ameaça para o país – o que vem impedindo que desponte nas pesquisas.

E se alguém tem uma imagem ruim no México atual é o PRI, que, para solucionar seu desgaste, optou por ter como candidato alguém que não milita no partido, embora tenha pedido ao PRI que o faça “seu”: José Antonio Meade. Ex-secretário da Fazenda e único membro do Gabinete de Peña Nieto que esteve no anterior de Felipe Calderón, Meade é a aposta do partido tricolor para se manter no poder, do qual, em 90 anos de história, só esteve longe apenas entre 2000 e 2012.

Como alternativa ao partido considerado “da corrupção” e à ameaça do suposto populismo, apresenta-se Ricardo Anaya, que até semanas atrás era presidente do Partido Ação Nacional (PAN), a tradicional formação opositora do México. Ele lidera a candidatura que seu partido cristalizou ao lado do progressista PRD e do Movimento Cidadão – uma amálgama com muitas divisões ideológicas que, no entanto, podem se consolidar nesta época em que preponderam as emoções.

A batalha no México pelo cargo de Peña Neto já está em marcha. O líder em todas as pesquisas continua sendo o duas vezes candidato Andrés Manuel López Obrador

Enquanto o país espera para ver quantos candidatos independentes poderão participar da batalha final – só Jaime Rodríguez El Bronco e Margarita Zavala, esposa do ex-presidente Calderón, parecem ter lugar garantido –, a única certeza é que os desafios do próximo mandatário do México serão enormes. Além de conter a hemorragia da corrupção e da violência, ele deverá articular, pela primeira vez na história moderna do país, um sistema de Justiça independente que coloque um freio na impunidade galopante.

COLÔMBIA

Em maio de 2018, a Colômbia realiza eleições presidenciais das quais dependerá, em boa medida, a consolidação do processo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), após o acordo selado em novembro de 2016 pelo Governo de Juan Manuel Santos. O mandatário deixa o cargo após duas legislaturas que deram fim ao conflito armado com a guerrilha mais antiga da América Latina e lhe valeram o Prêmio Nobel da Paz, mas motivaram uma dura oposição de boa parte da sociedade, incentivada por seu antecessor, o ex-presidente Álvaro Uribe.

A partir deste ano, os ex-combatentes terão uma representação garantida no Parlamento – uma das cláusulas dos acordos de paz –, e seu máximo líder, Rodrigo Londoño, “Timochenko”, pretende disputar com os candidatos dos partidos tradicionais. Com esse horizonte, em meio a um clima de elevada polarização social, o país andino atravessa sua transição depois de meio século de guerra. Essa transformação vai repercutir na economia, na arquitetura institucional, na luta contra o narcotráfico, na insegurança que ainda persiste nas zonas rurais e nos principais aspectos da convivência. O próximo chefe de Governo será o encarregado de pilotar essa etapa.

O presidente de Colômbia, Juan Manuel Santos.
O presidente de Colômbia, Juan Manuel Santos. EFE

Depois de mais de um ano de pré-campanha, a corrida eleitoral começa a se definir em torno de seis nomes, representantes das principais famílias políticas. As pesquisas projetam um panorama muito fragmentado, com um embate entre quem apoia e quem rechaça os acordos de paz, e a necessidade de formar alianças, no primeiro ou segundo turno ou até antes das eleições legislativas convocadas para maio. Sergio Fajardo, ex-prefeito de Medellín e antigo governador do departamento de Antioquia, encabeça a maioria das pesquisas. Defende a reconciliação do país como prioridade social e evita os rótulos ideológicos. No entanto, disputará com a líder do Partido Verde, Claudia López, e o progressista Polo Democrático, de Jorge Enrique Robledo, sob as siglas da Coalizão Colômbia.

No espectro mais conservador se destacam três figuras: Germán Vargas Lleras, Iván Duque e Marta Lucía Ramírez. O primeiro, dirigente da Mudança Radical, foi vice-presidente de Santos até março de 2016. Duque é o aspirante do Centro Democrático, a legenda de Uribe, mas depois do acordo alcançado por este com o também ex-presidente Andrés Pastrana terá que medir apoios com Ramírez, do Partido Conservador e ex-ministra.

O ex-prefeito de Bogotá Gustavo Petro, que em um sistema político tradicional ocuparia um espaço marcadamente de esquerda, aparece também, por ora, entre os favoritos. Mas seu movimento teria de buscar o apoio de outros setores e não descarta a possibilidade de tentar envolver Humberto de la Calle, mas o candidato do Partido Liberal tem se mostrado cauteloso com relação a seus planos. De la Calle foi chefe da equipe negociadora do Governo com as FARC, é advogado e tem uma extensa carreira política –foi vice-presidente de Ernesto Samper há duas décadas. Seu projeto político busca reduzir o clima de crescente indignação dos colombianos e a desconfiança nas instituições com um programa taxativo contra a corrupção.

A Colômbia está em transição depois de meio século de guerra. Essa transformação vai repercutir na economia, na arquitetura institucional, na luta contra o narcotráfico, na insegurança que ainda persiste nas zonas rurais

VENEZUELA

A Venezuela acaba de encerrar um dos anos mais sombrios de sua história recente. O regime de Nicolás Maduro jogou por terra os últimos recursos que permitiam a existência de um contrapoder na vida pública do país. Desmantelou o Parlamento eleito em dezembro de 2015, de maioria oposicionista, e convocou a eleição de uma Assembleia Nacional Constituinte, uma câmara sem representantes críticos ao chavismo que se transformou em um mero braço executor do Poder Executivo. A oposição rejeitou participar dessas eleições, realizadas em julho, disputou as eleições regionais –em que denunciou fraude– e se dividiu nas municipais, no último trimestre. Houve quatro meses de protestos de rua ininterruptos que deixaram mais de 120 mortos. A tendência hiperinflacionária, a incompetente gestão da política monetária, a repressão, a corrupção e o afundamento da petroleira estatal, a PDVSA, coroam esse dramático panorama.

As eleições na Venezuela serão vitais para a reativação da coalizão opositora MUD, que atravessa um de seus piores momentos, marcada por tensões internas e divisões 

O país deveria realizar eleições presidências este ano. Maduro já manifestou sua intenção de optar pela reeleição. No entanto, ameaçou fazer isso em condições de abririam o caminho para sua perpetuação no poder, a eliminação da oposição e a consolidação do autoritarismo. O sucessor de Hugo Chávez pretende punir os partidos majoritários da coalizão oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) por boicotarem as eleições de prefeitos. O mandatário aproveitou esta circunstância para intimidar os partidos de seus principais adversários (Vontade popular, de Leopoldo López; Primeiro Justiça, de Henrique Capriles; e Ação Democrática, de Henri Ramos Allup) e adverti-los de que não poderão apresentar candidatos. Dias depois, a Assembleia Constituinte deu o primeiro passo para a proibição dessas legendas, que por ora se traduz em obstáculos administrativos.

O presidente de Venezuela, Nicolás Maduro.
O presidente de Venezuela, Nicolás Maduro. EFE

Se Maduro cumprir sua ameaça, não só converterá a realização das eleições em uma farsa, mas dinamitará de modo irreversível as últimas tentativas de diálogo, que depois de repetidos fracassos vem sendo mantidas há alguns meses na República Dominicana. Além disso, contribuiria para incrementar a pressão da comunidade internacional, sobretudo dos Estados Unidos, dos países vizinhos e da União Europeia. As conversações com a oposição foram acompanhadas em 2017 de gestos que a MUD considera insuficientes, como a libertação de alguns presos políticos ou a concessão da prisão domiciliar a Leopoldo López.

No entanto, a convocação de eleições presidenciais constitui a principal reivindicação há anos. Essa votação é vital para a reativação da Mesa, que atravessa um de seus piores momentos, marcado por tensões internas e divisões. Na semana passada a coalizão admitiu em um comunicado “graves erros e omissões” e se comprometeu a recuperar a unidade e a eleger um candidato único para as próximas eleições, que ainda não têm data.

MAIS INFORMAÇÕES