Macron: “Estamos perdendo a batalha para as mudanças climáticas”

Presidente francês tenta mobilizar recursos para frear o aquecimento global em uma cúpula em Paris

O presidente Emmanuel Macron em um ato público às vésperas da cúpula do clima em Paris
O presidente Emmanuel Macron em um ato público às vésperas da cúpula do clima em ParisLUDOVIC MARIN (AFP)

Mais dinheiro, mais esforços, e menos complacência. O presidente francês, Emmanuel Macron, quer galvanizar a humanidade na luta contra as mudanças climáticas, ameaçada pelo boicote da Administração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aos acordos internacionais e pela lentidão na resposta dos demais países. Macron pediu nesta terça-feira, em uma cúpula nos arredores de Paris, a mobilização do mundo financeiro e empresarial para frear o aquecimento global. “Estamos perdendo a batalha”, constatou Macron para uma plateia de meia centena de chefes de Estado e de Governo e de dezenas de dirigentes políticos, filantrópicos e empresariais.

Mais informações
Al Gore: “Donald Trump, e não os EUA, está se isolando no Acordo de Paris”
Os fundos de investimento pressionam às empresas que mais CO2 emitem
Donald Trump enterra esforço global para deter mudança climática

Nesta cúpula, que se realiza nos arredores da capital da França, o presidente francês tenta mobilizar dinheiro público e privado para a luta. A presença de meia centena de representantes de Governos e de dezenas de líderes empresariais deve servir para um duplo objetivo. Primeiro, encontrar os recursos necessários para acelerar a mudança das energias poluidoras para as limpas e proteger os mais vulneráveis dos efeitos nocivos do aquecimento global. E, segundo, enviar uma mensagem simbólica ao mundo: apesar da retirada dos Estados Unidos do acordo do clima, o restante do mundo manterá seus esforços.

A data da cúpula coincide com o segundo aniversário da COP21, a reunião internacional que há dois anos concluiu o acordo de Paris e delineou a agenda para os próximos anos quanto às mudanças climáticas. Macron foi o primeiro líder estrangeiro a reagir ao anúncio de Trump, em junho, de que o Governo dos EUA abandonava o acordo de Paris. E criou então o slogan make the planet great again (faça o planeta grande de novo), um jogo de palavras irônico com o slogan eleitoral de Trump, make America great again (faça a América grande de novo).

Não se trata de alcançar novos acordos sobre redução de gases poluentes nem de negociar os objetivos para deter o aumento das temperaturas, mas de exibir a força da comunidade internacional ante a ameaça representada pelas mudanças climáticas e apresentar projetos concretos. Doze, segundo anunciaram, nas vésperas da cúpula, fontes do Palácio do Eliseu que pediram anonimato. Na segunda-feira, em um ato no novo campus de empresas tecnológicas em Paris, a Station F, Macron anunciou as 18 bolsas de estudo para cientistas estrangeiros – deles, 13 cientistas que trabalham nos EUA – se dedicarem à pesquisa das mudanças climáticas na França. A oferta dessas bolsas foi uma das respostas mais midiáticas de Macron à retirada dos EUA do acordo de Paris, efetuada por Trump, e à proposta de Washington de cortar orçamentos públicos dedicados à ciência, com a ideia de que as mudanças climáticas carecem de base científica, de que é um “boato inventado pelos chineses”, como disse em uma ocasião.

“Eu lhes agradeço por estarem aqui, pela resposta ao chamado e a sua decisão de vir a Paris”, disse Macron em inglês. “Nosso objetivo é dar impulso à sua pesquisa, às suas iniciativas, e garantimos que aqui vocês terão um lugar para chegar a resultados com maior rapidez, e fazer mais”.

Em Paris, quase 200 países se comprometeram há dois anos a evitar que as temperaturas subam mais de 1,5 grau centígrado em relação aos níveis pré-industriais. “Hoje, se continuarmos com a tendência, estamos em 3,5”, disse Macron. O acordo contempla a mobilização de 100 bilhões de dólares (330 bilhões de reais) anuais a partir de 2020 para ajudar os países com menos recursos a se protegerem e se adaptarem às mudanças climáticas. A retirada de Trump, embora não se efetue plenamente até 2019, também implica a perda de financiamento procedente da primeira economia mundial. O restante do mundo evitou até o momento o efeito contágio: os EUA são o único país que ficaram fora do acordo climático, o que não significa que não seja um ator decisivo.

O governo dos EUA estará representado na One Planet Summit — assim a batizaram os franceses, em inglês: a cúpula de um planeta – pelo encarregado de negócios da embaixada em Paris, mas as citadas fontes do Eliseu insistiram em que os EUA são muito mais que Trump. Na cúpula estarão presentes desde o governador da Califórnia, Jerry Brown, e o do Colorado, John Hickenlooper, até figuras sensatas do mundo empresarial e filantrópico, como o fundador da Microsoft Bill Gates e o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg. Entre os chefes de Estado e de Governo, comparecerão o mexicano Enrique Peña Nieto, o espanhol Mariano Rajoy e a britânica Theresa May. Outros países estão representados por ministros. A ONU e o Banco Mundial organizam a cúpula em conjunto com a França. A reunião se realiza na ilha do Sena onde se localizava a histórica fábrica da Renault, no sudoeste da capital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS