Delegada acusa Zara de racismo após ser barrada em shopping center de Fortaleza

Polícia diz que loja se recusou a fornecer imagens internas para investigar se houve crime de racismo e apreende material com um mandado judicial. Zara diz que cliente foi barrada por estar sem máscara

Delegada Ana Paula Barroso denuncia loja por racismo, em Fortaleza.
Delegada Ana Paula Barroso denuncia loja por racismo, em Fortaleza.Polícia Civil do Ceará (Divulgação)

A delegada Ana Paula Barroso carregava uma sacola em uma mão e um sorvete na outra quando decidiu entrar na loja Zara localizada em um dos principais shoppings de Fortaleza, o Iguatemi, na terça-feira passada, 14 de setembro. Não demorou para que fosse surpreendida pelo gerente da loja, que teria barrado a sua entrada sob a justificativa de “normas de segurança”. Sem entender o que estava acontecendo, ela perguntou se o problema era o sorvete que estava tomando, com a máscara para proteger-se contra o coronavírus arqueada no queixo. Como resposta, contou que ouviu apenas que não poderia ficar ali e foi conduzida à saída.

Mais informações

Próximo à Zara, Ana Paula perguntou a um segurança do shopping se baixar a máscara enquanto tomava um sorvete era motivo para impedir sua entrada na loja. Ele negou e acionou o chefe de segurança do shopping, que a reconheceu como delegada, por já terem trabalhado juntos. Ambos retornaram então à Zara para falar com o gerente. “Ele perguntou ao funcionário o que havia acontecido, e ele foi logo dizendo que não tinha preconceito, que tinha amigos negros, gays e lésbicas”, narra a delegada Anna Claudia Nery da Silva, que agora investiga o provável caso de racismo. “Quando ele fala esta frase, já mostra que há um preconceito”, acrescenta. O chefe de segurança então mediou a situação, e o gerente disse ter sido mal interpretado e acabou pedindo desculpas, conforme depoimentos ouvidos por Nery.

Ana Paula Barroso, diretora adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV) da Polícia Civil do Ceará, teria ficado em “estado de choque” com o ocorrido. Poderia ter dado voz de prisão, mas não o fez. “É complicado você passar por uma situação dessa. Em pleno século XXI você não acredita que isso vai acontecer. Ela não teve esta reação na hora, de dar voz de prisão”, afirma Nery. No mesmo dia em que ocorreu o episódio, Ana Paula registrou um Boletim de Ocorrência eletrônico. A Polícia Civil então instaurou um inquérito e pediu as imagens das câmeras de segurança do shopping e da loja para investigar o suposto crime de racismo. O problema é que a Zara decidiu não cedê-las, segundo afirma, em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Ceará. A delegada Ana Nery diz que ao menos três ofícios foram enviados, mas a loja postergava a entrega das imagens. Por isso, a Justiça foi acionada para consegui-las.

Ao site Bemdito, Ana Paula Barroso se disse “emocionalmente abalada”. “O sentimento que tive foi o de ser indigna de estar naquele ambiente, naquele lugar. Um ambiente de tratamento seletivo. Fiquei impactada. É uma coisa que você não espera. Você sente o não pertencimento. Foi como se aquele lugar não me pertencesse, como se eu não pudesse estar ali. Fiquei emocionalmente abalada”, disse, acrescentando que não costuma frequentar a loja. “Nunca vou lá. Mas, como tudo na vida, e como cristã que sou, acredito que nada acontece por acaso. Para tudo há um propósito. Estou em um departamento da Polícia Civil que atende a grupos vulneráveis. E Deus permitiu que eu entrasse naquela loja, que eu nem ia entrar, e passasse por esse dissabor, para que isso não ficasse impune”, completou.

Na versão da Zara, Ana Paula teria sido impedida de permanecer na loja porque estaria sem máscara, uma exigência sanitária por conta da pandemia. “O que aconteceu é que esta cliente delegada entrou na loja sem máscara. E nosso gerente a abordou para que ela colocasse a máscara, porque estamos obedecendo regras de segurança em todas as nossas lojas do Brasil”, alegou por telefone uma fonte da empresa, que pediu para não ser identificada. A marca espanhola não tem um porta-voz oficial no país e, sem responder formalmente por e-mail as demandas do EL PAÍS, deu sua versão a este jornal off the record, extraoficialmente, por telefone.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui
Policiais cumprem mandado de busca e apreensão para investigar racismo na Zara.
Policiais cumprem mandado de busca e apreensão para investigar racismo na Zara.SSPDS-CE (Divulgação)

Questionada sobre a recusa para fornecer as imagens à Polícia, a Zara alegou que há um procedimento interno a ser seguido nesses casos, passando pelo setor jurídico em São Paulo, mesmo quando há demandas policiais. Estas imagens, diz a empresa, teriam sido reunidas na sexta à noite para serem enviadas nesta segunda-feira, que seria o próximo dia útil do prazo. Mas no domingo anterior a polícia executou o mandado de busca e apreensão concedido pela Justiça. Uma cena inusual tomou o entorno da badalada loja de roupas. Um grupo de mais de seis policiais atraiu olhares enquanto confiscava as imagens do circuito interno de segurança. Os vídeos foram enviados à Perícia Forense, que checará possíveis adulterações. Os laudos devem sair em de 15 a 20 dias. Todo o material será analisado no inquérito policial instaurado na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza.

Responsável pela investigação, Anna Claudia Nery da Silva diz que as imagens foram requisitadas ao Iguatemi e à Zara no mesmo dia para comprovar toda a narrativa que a vítima alega no boletim de ocorrência. “O shopping deu essas imagens sem qualquer embaraço e a loja não deu. Disse que a cessão dessas imagens só poderia ser dada à polícia judiciária caso houvesse autorização da assessoria jurídica da loja”, afirma. “A requisição de imagem pelo delegado de polícia é ordem, não é um favor. Vamos supor que fosse um homicídio, também teríamos requisitado o acesso a toda a dinâmica do crime. São provas imprescindíveis para robustecer a investigação”, argumenta.

A ampla repercussão do caso aconteceu após a operação de apreensão das imagens. Segundo Nery, havia muitos policiais porque o mandado era genérico e, caso a loja mantivesse a recusa para entregar as imagens daquele dia, ela poderia apreender todos os equipamentos de filmagem e precisaria da mão de obra para tanto. A delegada admite, contudo, um lado “pedagógico” da ação, para que situações de racismo não se repitam. Segundo ela, o fato de a vítima ser delegada influencia no desenlace do caso, porque ela conhece seus direitos e soube a quem procurar. “Muitos passam pelo que ela passou e não fazem nada porque acham que serão desacreditados e que não vai dar em nada”, justifica. “O crime de racismo nem sempre precisa ser expresso. Não preciso dizer que fulana não vai entrar aqui porque é negra. Basta eu me comportar de uma forma que não quero deixá-la ali pela cor, pela raça, pela religião.” A delegada informa ainda que as investigações vão continuar. Dois seguranças do shopping, segundo a delegada, confirmaram a narrativa de Ana Paula Barroso. Ainda serão ouvidos uma testemunha que presenciou o fato e o suspeito, gerente da loja.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: