“Quando acaba a saliva, tem que ter pólvora”, diz Bolsonaro para Biden sobre Amazônia

Presidente deu a entender que poderia usar a força contra possíveis barreiras comerciais impostas pelos EUA em caso de aumento do desmatamento no Brasil

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Jair Bolsonaro, presidente do BrasilEVARISTO SA (AFP)

O presidente Jair Bolsonaro insinuou nesta terça-feira que pode ter que fazer uso da força para driblar eventuais sanções econômicas impostas pelo mandatário eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, em resposta à contestada atuação do Brasil na questão ambiental. “O Brasil é um país riquíssimo. Assistimos há pouco um grande candidato à chefia de Estado [Biden, que já está eleito] dizer que se eu não apagar o fogo da Amazônia levanta barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que nós podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá, né, Ernesto?”, disse, referindo-se ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que estava na plateia. “Porque quando acabar a saliva, tem que ter pólvora, se não, não funciona. Precisa nem usar a pólvora, mas precisa saber que tem”, finalizou.

Mais informações
'Free Amazonia', en Goiânia (Brasil)
Opinião | Biden e a Amazônia
Operação de Garantia da Lei e da Ordem Verde Brasil sob a Coordenação da 17ª Brigada de Infantaria de Selva e com a participação de Órgãos Estaduais e Federais,  para combate a incêndios em vegetação e repressão a delitos ambientais
Turnê de embaixadores pela Amazônia termina sem visitar áreas afetadas por queimadas e desmatamento
Un grupo de activistas de Greenpeace ha simulado un incendio forestal frente a la embajada de Brasil en Madrid para exigir mayor protección a la Amazonía, que registró en agosto 8.301 focos de fuego solo en el Estado de Amazonas, el mayor número de su historia, señala la organización ecologista.
Com Biden, futuro da Amazônia vira ponto central na nova relação entre EUA e Brasil

A frase belicosa, proferida durante um evento em Brasília no qual o Bolsonaro pretendia fomentar o turismo nacional, foi uma resposta do mandatário aos planos de preservação da floresta de Biden. O presidente eleito citou a Amazônia duas vezes durante a campanha. Em um debate durante a campanha eleitoral, ele mencionou as queimadas na Amazônia. Em outra ocasião, falou de possíveis sanções ao Brasil. Biden é crítico dos sucessivos recordes de queimadas e áreas devastadas registrados pelo país. “Parem de destruir a floresta. E, se vocês não pararem, irão enfrentar consequências econômicas significativas”, afirmou durante um debate contra Trump no final de setembro. À época Bolsonaro classificou a declaração de “desastrosa”, e continuou apostando suas fichas em uma vitória do republicano. O presidente brasileiro brasileiro — apoiador fervoroso de Donald Trump— ainda não parabenizou o democrata por sua vitória, ao contrário do quem tem feito a maioria dos líderes mundiais.

Os planos de Biden para a preservação da floresta, no entanto, não se resumem a possíveis sanções econômicas. Durante a campanha ele propôs a criação de um fundo de 20 bilhões de dólares (cerca de 100 bilhões de reais) com outros países para garantir a proteção da Amazônia.

Caso os EUA implementem sanções econômicas contra o Brasil, não será a primeira vez em que a devastação da floresta provoca problemas econômicos para Bolsonaro. Em 2019 vários países, dente eles Alemanha e Noruega, bloquearam recursos que seriam repassados ao Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e que tem como finalidade a preservação do bioma. A medida teria como objetivo forçar o presidente a agir para conter a devastação no local.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS