Eleições Brasil 2020

Russomanno rejeita isolamento social para conter coronavírus: “Defendo o afastamento vertical”

Candidato do Republicanos à Prefeitura de São Paulo se alinha a Bolsonaro e diz que só grupos específicos devem se isolar: “Vamos cuidar dos idosos, de quem tem propensão por doenças crônicas”

O EL PAÍS e o MyNews entrevistaram nesta sexta-feira o candidato do Republicanos à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, como parte de uma série de sabatinas com os postulantes ao comando da maior cidade do país nas eleições municipais de 2020. Na conversa, transmitida em tempo real no site do jornal e nos canais do EL PAÍS e do MyNews no YouTube, Russomanno rejeitou a política de isolamento social geral implementada para conter a pandemia. Disse que, se eleito, aplicará o “afastamento vertical”, uma modalidade de medidas que visa proteger e restringir a circulação de integrantes de grupos de risco, algo que é rejeitado pelos especialistas. “Vamos cuidar dos idosos, dos deficientes, de quem tem propensão por doenças crônicas”, disse. Veja a conversa na íntegra no vídeo acima.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Desde 1994, Russomanno foi eleito por seis vezes deputado federal, por PSDB, PPB (que virou PP), PRB e Republicanos. Tentou o Governo de São Paulo em 2010, mas foi derrotado no primeiro turno por Geraldo Alckmin, e está na terceira tentativa à Prefeitura da capital. Desta vez, lidera a corrida, segundo as pesquisas mais recentes, e tem como trunfo o apoio do presidente Jair Bolsonaro. Na sabatina, o candidato prometeu criar um programa emergencial de renda por causa da pandemia, batizado de “auxílio paulistano”. Segundo ele, a verba virá da renegociação da dívida da Prefeitura de São Paulo com a União.

Russomanno também respondeu questionamentos sobre sua declaração de que moradores de rua teriam resistência maior à covid-19. Ele ignorou ponderação sobre a subnotificação de morte entre a população de rua provocada pela pandemia e insistiu que é “a ciência” que tem de responder as razões para essa suposta maior resistência dos moradores de rua que ele enxerga. “Não estou contestando a ciência. Estou perguntando para a ciência.”

Na sabatina do EL PAÍS e do MyNews, 11 dos candidatos ao comando da maior cidade do país respondem a perguntas, com apresentação de Mara Luquet e participação de jornalistas deste jornal e do canal on-line de notícias. Já foram sabatinados Guilherme Boulos (PSOL), Orlando Silva (PCdoB), Jilmar Tatto (PT), Joice Hasselmann (PSL), Márcio França (PSB), Filipe Sabará (Novo) e Marina Helou (Rede). Esta sexta-feira marca o encerramento das entrevistas. Antes de Russomanno, mais cedo, foi a vez de Arthur do Val (Patriota). O prefeito Bruno Covas (PSDB) também respondeu às perguntas. Ainda nesta sexta, às 18h, Andrea Matarazzo (PSD) participará da sabatina.