ideias

O que o mundo perderá se a Turquia destruir os curdos da Síria

O ataque de Erdogan põe em perigo o inovador e polêmico experimento político da região de Rojava, que promete iniciativas feministas, ecologistas e de distribuição da riqueza

Uma família de deslocados abandona a cidade curda de Ras al Ain na quarta-feira.
Uma família de deslocados abandona a cidade curda de Ras al Ain na quarta-feira.Delil SOULEIMAN (AFP)

Na primavera setentrional de 2015, a única maneira de chegar aos territórios do norte de Síria sob controle curdo − o que os curdos chamam de Rojava − era cruzando de barco o estreito rio Tigre a partir do Curdistão iraquiano. As embarcações eram pequenas e estavam enferrujadas. Sobrecarregadas de emigrantes e suprimentos, moviam-se com a urgência de um búfalo-d’água tomando sol. Era uma viagem para pessoas desesperadas − compartilhei o barco com um casal idoso que ia para o território controlado pelo Estado Islâmico com a esperança de salvar o lar familiar da ocupação− empreendida em ritmo de turista. Como grande parte de Rojava naquela ocasião, a passagem fronteiriça era em parte realidade e em parte ilusão. Em nossa precária embarcação, a bandeira curda verde, vermelha e amarela tremulava com tanto orgulho como em um navio de guerra. As forças de segurança usavam distintivos que proclamavam que eram integrantes das Unidades de Proteção do Povo (YPG, na sigla em curdo), uma força sem experiência dedicada à proteção da região com aspirações de autonomia. Enquanto distribuíam permissões manuscritas que deviam nos autorizar a atravessar os postos de controle, davam-nos as boas-vindas como se Rojava ainda não fosse pouco mais do que um sonho curdo.

Durante décadas de intervenção dos Estados Unidos no Oriente Médio, os curdos quase sempre foram avaliados em função de seu interesse como aliados militares e em relação à sua maior ou menor contribuição para a derrota de um inimigo por parte dos americanos. Em Rojava, esse inimigo era o Estado Islâmico (EI); no Curdistão iraquiano, era Saddam Hussein. Desde que o presidente Donald Trump ordenou a retirada das tropas de seu país do norte da Síria, abrindo as portas para a intrusão turca, o clamor ocidental se concentrou no abandono dos combatentes que lideraram uma perigosa campanha contra o EI. A retirada foi qualificada justamente de “traição”, e o posterior banho de sangue é prova mais que suficiente da brutalidade da decisão de Trump.

MAIS INFORMAÇÕES

No entanto, contemplar o movimento como uma simples traição aos aliados militares é não entender grande parte do que está em jogo no norte de Síria, onde a área curda que deseja autonomia é também o cenário de um projeto de democracia, igualdade e estabilidade profundamente ambicioso, embora jovem e polêmico. Enquanto os membros do YPG e suas colegas da Unidade Feminina de Proteção Popular lutavam na linha de frente, os curdos de Rojava trabalhavam para pôr em prática um plano de democracia curda em preparação por pelo menos três anos. O plano incluía a representação igualitária das mulheres e das minorias, a distribuição justa da terra e da riqueza, o equilíbrio no poder judiciário e inclusive a proteção do meio ambiente nas áreas rurais do norte da Síria.

Durante décadas, os curdos foram avaliados pelos EUA em função de seu interesse como aliados militares

Rojava é um experimento com defeitos e muitas vezes difícil, mas em meio à repressão contra os partidários do movimento curdo na Turquia e aos reveses da campanha pela independência no Curdistão iraquiano, transformou-se no núcleo do grande movimento curdo, e seus habitantes se tornaram muito mais do que aliados militares. Aqueles que combateram o Estado Islâmico fizeram isso ao lado dos americanos, considerados por eles verdadeiros parceiros, mas lutavam por Rojava.

Antes de visitar a região, dediquei-me vários anos a informar sobre os movimentos curdos na região, concentrando-me principalmente naqueles influenciados pelo líder encarcerado Abdullah Ocalan. Ao longo de 40 anos, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, conhecido como PKK e fundado por Ocalan como grupo guerrilheiro − considerado por Turquia, EUA e União Europeia uma organização terrorista −, cresceu até se transformar em uma força social e política. O sucesso de sua doutrina ficou demonstrado principalmente no papel de destaque que as mulheres desempenham na política curda.

Já os curdos da Turquia, assim como os do Iraque, forjaram suas conquistas políticas e culturais rodeados de Estados centralizados muito mais fortes. Na Síria, a guerra e a agitação política criaram um vácuo de poder no norte, e os curdos se apressaram em erguer sua sociedade ideal inspirada nas ideias de Ocalan.

Uma mulher na frente da fumaça de pneus queimados pelos curdos para dificultar a visibilidade da aviação turca.
Uma mulher na frente da fumaça de pneus queimados pelos curdos para dificultar a visibilidade da aviação turca.Delil SOULEIMAN (AFP)

Como experimento, Rojava foi enormemente convincente. Conheci líderes políticos como Hediye Yusuf, uma mulher cuja identidade política começou a ser forjada nas prisões sírias e que acabou se tornando copresidenta de uma das três regiões de Rojava. Também conheci mulheres preparadas para intervir após uma denúncia de violência doméstica. Conversei com comerciantes que distribuíam produtos para famílias necessitadas, e com um cristão sírio que ficou no norte do país para se assegurar de que o Partido da União Democrática tivesse representação no Governo.

O que vi era consistente com a doutrina que guiava Rojava − um documento denominado Contrato Social − e, ao mesmo tempo, produto de circunstâncias extremas. O EI não estava longe. Um agricultor compartilhava sua comida não porque tivesse lido o Contrato Social, mas porque é o que se faz com os vizinhos durante um embargo comercial. Uma combatente teria preferido ser fotógrafa, mas sua vocação teve de esperar. Com frequência, os ideais de Rojava eram inseparáveis das pressões da guerra.

Idealizar tudo era tentador. Os jornalistas e os políticos atraídos para a região pelas promessas do Contrato Social foram convidados para visitas guiadas e conferências organizadas. A palavra “utopia” era usada frequentemente nas manchetes, e a luta das YPG contra o Estado Islâmico era comparada com a dos que combateram os fascistas na Guerra Civil espanhola. Os escritos de Ocalan incorporavam os ensinamentos do filósofo americano Murray Bookchin e faziam referência às críticas do cientista político irlandês Benedict Anderson ao nacionalismo, o que deu apelo mundial ao projeto curdo. Em 2014, a defesa de Kobane, uma cidade fronteiriça de pouca importância estratégica, mas com enorme significado simbólico, deu renome às forças curdas da Síria. Quando as YPG abriram um caminho seguro para que os yazidis escapassem do genocídio nas mãos do Estado Islâmico no Iraque, foram consideradas heroicas, não terroristas.

Guerrilleras curdas.
Guerrilleras curdas.Ahmet Sik/ Getty Images

Os curdos de outros Estados, em especial os que estavam na Turquia, subordinaram seus sonhos de autonomia ao sonho de Rojava. Em 2015, um arquiteto curdo fez planos de longo prazo para Kobane. Ele me contou que as casas seriam baixas e pintadas de branco, como em uma ilha grega, e teriam painéis solares. Um advogado curdo que bebia chá ao lado da fronteira afirmou que nunca teria imaginado que as ideias de Ocalan fossem ser postas em prática na Síria, em vez da Turquia, mas disse estar feliz com isso. “É um sonho transformado em realidade”, declarou na ocasião.

A autonomia curda e o apoio americano transformavam Rojava em uma ameaça para a Turquia e para o presidente Recep Tayyip Erdogan. Utilizando a retórica da luta antiterrorista, em 2015 seu Governo começou a mostrar cada vez mais empenho em prender os defensores do movimento curdo do país, expulsou de seus cargos os líderes curdos democraticamente eleitos e reprimiu os protestos com tanta brutalidade que transformou as cidades do sudeste da Turquia em zona de guerra. No ano passado, forças apoiadas pela Síria conquistaram Afrin, que fazia parte do território de Rojava. “Erdogan começou uma guerra”, disse-me Adem Uzun, chefe de relações exteriores do Congresso Nacional Curdo. “Dava-lhe medo que o projeto dos curdos de Rojava desse certo e obtivesse reconhecimento.”

Há indícios de que os ataques de Erdogan na Síria despertaram um fervor político que ele tinha conseguido esmagar. Em Diyarbakir, historicamente o centro político do Curdistão turco, têm ocorrido pequenos protestos nas ruas. “Quando você conversa com as pessoas, elas dizem que na Turquia se perdeu muito, que destruíram suas cidades, mas que pelo menos em Rojava se conseguiram coisas”, contou-me Ramazan Tunc, um empresário e político que até a repressão de 2015 trabalhava na abertura de uma universidade em língua curda na Turquia. Os ataques no norte de Síria, acrescentou, “podem provocar distúrbios”.

Para merecer proteção, Rojava não precisa ser idealizada ou vista somente através do prisma dos objetivos americanos na região. Trata-se de um experimento exclusivamente curdo que cresceu ao longo de décadas de esforço político e militar em cada uma das área do sonhado Curdistão, adaptando-se constantemente às circunstâncias da guerra

O experimento recebe críticas justificadas. Enquanto preparava meu artigo, falei com curdos que tinham fugido do domínio político das YPG e com grupos de defesa dos direitos humanos que as acusam de recrutar crianças soldados. Os rumores de uma aliança, possivelmente tácita, com o regime de Bashar al Assad ganharam peso como resultado de uma nova aliança militar contra o ataque turco. Quem considerava que qualquer vínculo com o regime de Assad deslegitimaria a revolução verá seus argumentos serem reforçados; outros dirão que os curdos, como tantas outras vezes, limitam-se a tentar sobreviver em uma situação insustentável.

A iniciativa de Rojava recebe críticas devido ao domínio das Unidades de Proteção do Povo e ao recrutamento de crianças

Mas Rojava foi em frente, apesar dos enormes obstáculos, e lançou as bases para uma democracia local deficiente, mas ambiciosa. “Não digo que fosse um lugar perfeito”, escreveu-me por e-mail Yasi Duman, um pesquisador cujos estudos se concentram na administração do norte da Síria, “mas deu um enorme passo rumo à obtenção de uma região autônoma capaz de acomodar as necessidades dos diferentes grupos étnicos, religiosos e políticos, tudo enquanto sofria o ataque de diferentes regimes e organizações”.

A força de Rojava, explicou Duman, não vem só das tão alardeadas unidades de combate. Vem também do ensino da língua e da cultura curdas, com respeito por outras etnias e religiões, e dos avanços para a igualdade de gênero. “Não acredito que o Governo de Trump possa entender ou esteja disposto a fazer isso”, concluiu.

Jenna Krajeski é jornalista, trabalha da Turquia e há dois anos se concentra nas minorias curdas. Publica em veículos como ‘The New York Times’ ,‘The Atlantic’ e ‘The New Yorker’.

© 2019 The New York Times