Esporte Clube Bahia

Bahia de todas as cores, classes, crenças e gêneros

Pioneiro em ações afirmativas, clube mais popular do Nordeste reverencia ídolos negros, incentiva mulheres na torcida, combate intolerância religiosa e adere à causa LGBT

Personalidades negras recebem camisas do Bahia na Fonte Nova.
Personalidades negras recebem camisas do Bahia na Fonte Nova.Divulgação

Uma mascote negra. Homenagens a Marielle Franco e Moa do Katendê, assassinados por motivações políticas. Criação do “Bolsa Ídolo”, que ampara ex-jogadores em dificuldades financeiras. Ronda Maria da Penha no estádio da Fonte Nova para proteger as mulheres. Solidariedade a Claudia Leitte após a cantora, torcedora tricolor, sofrer assédio machista do apresentador Silvio Santos. Ao inovar com seu Núcleo de Ações Afirmativas, o Esporte Clube Bahia pretende não apenas promover transformações sociais por meio do futebol, mas se consolidar como o time mais democrático e inclusivo do Brasil.

Mais informações

O desafio surgiu no fim do ano passado, quando o empresário Guilherme Bellintani, então secretário de ACM Neto (DEM), decidiu se afastar do trabalho na prefeitura de Salvador para concorrer à presidência do Bahia. Durante a campanha, ouviu apelos de sócios e torcedores para que o clube dialogasse mais com a torcida e se integrasse melhor à comunidade baiana, fazendo valer a fama de time da massa. Depois de vencer a eleição, não teve dúvidas em instituir, logo nos primeiros dias de mandato, o único departamento de ações afirmativas do futebol brasileiro. “O Bahia representa muito da identidade cultural e social do nosso Estado”, afirma Bellintani. “Por isso, temos obrigação de nos posicionar, frear extremismos e apoiar causas que vão além do campo de jogo.”

Com menos de um mês de existência, o Núcleo de Ações Afirmativas lançou sua campanha inaugural no Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, destacando religiões de matriz africana e a história do sincretismo religioso na Bahia. Desde então, não parou mais de fazer barulho no estádio e nas redes sociais. Uma das ações de maior repercussão foi a Não há Impedimento, em combate à discriminação de gênero. Rendeu ao clube o troféu Honra ao Mérito da Diversidade Cultural LGBT, concedido pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), mas também protestos homofóbicos de alguns torcedores e deboches dos rivais. Porém, nada que abalasse a convicção tricolor de romper o tabu ao enfrentar preconceitos. “A maioria das reações foi positiva”, conta o presidente. “Nossa torcida tem entendido a mensagem de tolerância e respeito às diferenças que o Bahia quer passar.”

Outra bandeira permanente é a Mulheres no Futebol, que incentiva a participação feminina no clube e nas arquibancadas. Em março, mais de 1200 torcedoras – a maioria negra – responderam um questionário que revelou que 43% delas nunca foram sozinhas à Fonte Nova e 38% têm receio de frequentar o estádio por medo de serem assediadas, discriminadas ou agredidas em brigas de torcida. Com base nas principais queixas, o Bahia desenvolve ações práticas para aumentar a frequência de mulheres, como a parceria com a Polícia Militar que levou a Ronda Maria da Penha – composta por muitas oficiais do sexo feminino – para atender exclusivamente às torcedoras na Fonte Nova. Segundo a diretoria, o apoio ao desabafo de Claudia Leitte contra Silvio Santos na semana passada é coerente com a postura do clube em defesa da mulher. “As campanhas de responsabilidade social do Bahia são muito importantes, porque ajudam a agregar mais torcedoras”, afirma Júlia Fraga, integrante da torcida Tricoloucas.

As mulheres também foram lembradas na série de três ações do Novembro Negro que exalta heróis e personalidades negras. Na primeira, jogadores entraram em campo estampando em suas camisas nomes históricos como Dandara, Luiza Bairros, Mãe Menininha do Gantois, Zumbi dos Palmares e Moa do Katendê. Na segunda, os homenageados foram artistas, integrantes do movimento negro e ativistas, entre eles o cantor Gilberto Gil, o repentista Bule-Bule, o antropólogo Kabengele Munanga, a ialorixá Mãe Jaciara e a influenciadora Tia Má. “Fizemos questão de homenagear inclusive torcedores do Vitória, para provar que a luta contra o racismo está acima de qualquer rivalidade”, diz Bellintani. A última ação do mês será nesta quinta-feira, antes do jogo contra o Fluminense, quando 23 ex-jogadores negros que defenderam o clube, como Cláudio Adão, Dadá Maravilha, João Marcelo, Fabão e o camaronês William Andem, serão prestigiados.

Outra forma de reverenciar o passado é o Dignidade ao Ídolo, programa de assistência social a veteranos notáveis da equipe que passam por necessidades. Uma pequena parte da receita anual (0,31% – número simbólico que remete a 1931, ano de fundação do clube), equivalente a cerca de 400.000 reais, é destinada para o pagamento de até três salários mínimos por mês a ex-jogadores em situação de vulnerabilidade. Um dos sete contemplados pelo “Bolsa Ídolo” é o ex-lateral Maílson, que teve o corpo paralisado pela Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). “Além de dar orgulho à torcida, por cuidar da nossa memória, o benefício é um recado aos jogadores atuais”, afirma o presidente tricolor. “Mostramos que vale a pena se tornar ídolo do Bahia, que eles não serão desamparados no futuro.”

Revolução com democracia e inclusão

O Núcleo de Ações Afirmativas é formado por funcionários do clube, mas também por professores universitários, líderes de movimentos sociais e coordenadores de ONGs. Por abraçar a defesa dos direitos de minorias, o Bahia já foi tachado de “esquerdista” e “comunista”. No entanto, de acordo com Bellintani, o Esquadrão de Aço se mantém neutro na política, embora não tenha se omitido de posicionamentos que pudessem gerar discordância entre torcedores durante as eleições. “Não sabíamos que o país estava tão dividido. Mas tomamos posição de maneira equilibrada, sem nenhum intuito de partidarizar questões. Nossa linguagem é de convergência.”

Para a atual gestão, a abertura às ações afirmativas é fruto do processo de democratização do clube, iniciado com o interventor Carlos Rátis e o mandato provisório de Fernando Schmidt, que interromperam o período de 15 anos em que as famílias Guimarães e Barradas se revezaram no poder. Após a deposição de Marcelo Guimarães Filho por improbidade administrativa, a modernização do estatuto do Bahia se tornou prioridade. Sob o comando de Rátis, ainda em 2013, foi aprovada a eleição direta para presidente. Na gestão de Marcelo Sant’ana, que assumiu em 2015, as finanças foram saneadas, dando fôlego ao sucessor para tocar o futebol e seguir com a “revolução” institucional.

Em maio, o Bahia deu um passo importante rumo à inclusão da população mais pobre em seu quadro de sócios. Com mensalidade de 45 reais, o plano Bermuda e Camiseta abriu 2.000 vagas para torcedores que recebem até 1.500 reais se associarem e, consequentemente, ganharem direito a voto – em agosto, o Conselho Deliberativo aprovou a votação pela internet para tricolores de fora de Salvador. Novas vagas da modalidade popular devem ser abertas em janeiro. Também neste ano, o clube anunciou a própria marca de uniformes e está prestes a lançar um modelo de camisa mais acessível (99 reais) que a oficial, que hoje custa 219 reais.

Ainda assim, grupos de torcedores como a Frente Esquadrão Popular reivindicam ingressos mais baratos e maior diversificação em posições de destaque: “Se os negros são maioria na torcida do Bahia, por que são tão poucos no Conselho Deliberativo?”. As mulheres também são minoria (menos de 10%) entre os 23.000 sócios. O time feminino só foi criado no início de novembro, em parceria com o Lusaca, por exigências do Profut e da Conmebol. Guilherme Bellintani reconhece que o clube ainda está longe de espelhar a sociedade baiana em seus quadros, mas defende o aprimoramento dos mecanismos democráticos para mudar essa realidade nos próximos anos. “Buscamos uma transformação real, não de fachada, como as cotas para mulheres em partidos políticos. Com a manutenção das políticas inclusivas, o Bahia terá mais diversidade no Conselho e na diretoria.”

Dentro do clube, há o consenso de que o bom momento esportivo, na esteira de títulos da Copa do Nordeste e do Campeonato Baiano, somado a duas temporadas consecutivas na Série A do Brasileirão, estimula um ambiente favorável para ampliar as campanhas afirmativas. “Se o desempenho do time fosse ruim, ia ter torcedor mandando a gente cuidar do futebol”, diz Bellintani, convencido de que a revolução no clube será duradoura, independentemente de tropeços e conquistas. “A grande lição do Bahia é provar que democracia combina com resultado em campo. Não promovemos inclusão e ações sociais por marketing. Mas por acreditar que o futebol pode dar sua contribuição para melhorar a sociedade.”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete