‘Não se meta com meus filhos’: movimento contra políticas de gênero na América Latina corteja Bolsonaro

Grupo de direita convoca protestos nesta quinta-feira e busca aproximação com novo presidente brasileiro para barrar projetos anti-homofobia nas escolas

Manifestantes do CMHNTM em protesto no Peru.
Manifestantes do CMHNTM em protesto no Peru.Divulgação
Mais informações

Com o intuito de estender seu alcance ao Brasil, as lideranças do grupo já articulam uma aproximação com o presidente eleito Jair Bolsonaro, visando a atuação conjunta em oposição às políticas de discussão de gênero por todo o continente. O primeiro contato foi estabelecido por meio de parlamentares que integram a bancada da bíblia no Congresso Nacional. Havia a intenção de que o ex-capitão do Exército gravasse um vídeo em apoio às manifestações de 15 de novembro, mas, alegando indisponibilidade na agenda por causa da composição de ministérios do novo Governo, a equipe de transição preferiu adiar conversas, sem deixar de expor a simpatia do alto escalão bolsonarista às bandeiras levantadas pelo movimento.

No mesmo dia em que Bolsonaro foi eleito, o CMHNTM organizou seu primeiro protesto na Argentina e fez questão de exaltar nas redes sociais a vitória de um chefe de Estado alinhado a seus interesses. “O povo brasileiro luta pela verdade, a vida e a família”, parabenizou o grupo com o tradicional bordão de ordem “Gênero nunca mais”. Em que pese a ascensão de outros líderes de direita na América do Sul, como Sebastián Piñera, no Chile, e Mario Abdo Benítez, no Paraguai, Bolsonaro é visto como potencial líder de uma frente conservadora, no que diz respeito aos costumes, por reproduzir em seus discursos muitas vezes homofóbicos a acusação de “doutrinação de esquerda” nas escolas. “Se for necessário, estamos dispostos a dar a vida para proteger a dignidade dos nossos filhos”, afirma Nancy García, uma das coordenadoras do CMHNTM na Argentina. “Eles não são propriedades do Estado.”

Idealizado no Peru, o movimento surgiu no fim de 2016 como uma resposta de lideranças religiosas, conservadoras e fujimoristas à proposta do governo Pedro Pablo Kuczynski de introduzir no currículo escolar o enfoque de igualdade de gênero. Com adesão nas ruas, o grupo contribuiu não só para brecar o projeto na Justiça, como também para derrubar dois ministros da Educação favoráveis ao tema —Jaime Saavedra e Marilú Martens. As polêmicas se parecem com as despertadas pelo Escola sem Partido. Enquanto seus entusiastas no Brasil, incluindo a família Bolsonaro, apelidaram o projeto Escola sem Homofobia de “kit gay” e atribuíram ao MEC a imposição de um livro didático que jamais chegou a ser adotado nas escolas na época da gestão de Fernando Haddad no ministério, no Peru o integrantes do CMHNTM se mostraram chocados com um guia sobre educação sexual voltado para professores do ensino básico e elaborado pelo governo que apresentava ilustrações de meninos com roupas rosas e meninas jogando futebol, além de um conto que reeditava a história de Chapeuzinho Vermelho tendo um garoto como protagonista.

Para o movimento, as propostas associadas à equidade de gênero “menosprezam a capacidade natural da mulher para competir em igualdade de condições com o homem”. Um dos porta-vozes do grupo afirma publicamente que discursos homofóbicos não devem ser censurados nem reprimidos, sob o pretexto da livre manifestação de pensamento. Argumentos que unem de pastores evangélicos a associações de advogados antiabortistas. “O Estado tenta camuflar a ideologia de gênero nas escolas usando o termo enfoque de gênero. Isso tem a ver com a aceitação de mais de cem gêneros diferentes, não com igualdade entre homens e mulheres. Respeitamos os homossexuais, mas condenamos a imposição desses temas na educação dos nossos filhos”, diz o pastor Sandro Mariluz em um dos vídeos de convocação para a marcha.

Marcha do movimento na Argentina.
Marcha do movimento na Argentina.Divulgação

Nesta quarta-feira, o CMHNTM comemorou o projeto de lei apresentado pela bancada ligada a Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori, que pretende excluir de qualquer política pública os termos “enfoque de igualdade de gênero”, “expressão de gênero” e “violência de gênero”. Parlamentares religiosos também estão mobilizados contra o plano do atual presidente Martín Vizcarra de, enfim, levar adiante o projeto de combate à homofobia nas escolas. “É difícil debater com quem diz ‘não quero que homossexualizem meus filhos’. Como pessoas que utilizam retóricas tão infundadas podem interferir na educação e no currículo escolar?”, afirmou o ex-ministro Jaime Saavedra logo depois de sua destituição do cargo, em 2016.

Além de Peru e Argentina, o movimento já fincou raízes na Bolívia, Chile, Equador e Paraguai, onde o ministério da Educação vetou materiais com enfoque de gênero para professores, e começa a expandir tentáculos em países caribenhos e da América Central. Panamá e El Salvador, por exemplo, registraram seus primeiros protestos no início deste mês. Na Colômbia, o principal alvo é a Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação (Fecode), que defende políticas de inclusão e igualdade de gênero. No Brasil, projetos atrelados ao Escola sem Partido geraram bate-bocas entre deputados no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa de São Paulo esta semana. Na última segunda-feira, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), editou um decreto para resguardar as liberdades de expressão e opinião dos professores em escolas do estado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: