Jogar como 82 ou ganhar como 94? A seleção brasileira entre duas gerações memoráveis

Símbolos de épocas opostas do futebol brasileiro, Zico e Mauro Silva analisam o legado de suas equipes

Seleções brasileiras de 1982, 1994 e 2018.
Seleções brasileiras de 1982, 1994 e 2018.Alexandre Battibugli (Agências)
Mais informações

Por enquanto, na Copa da Rússia, o Brasil demonstrou mais da objetividade do time de Parreira que a magia consagrada pelos homens de Telê. Mas Tite nunca escondeu que a grande miragem para sua seleção é o jogo ofensivo e criativo de 36 anos atrás. “A beleza daquele time em campo era de emocionar as pessoas”, disse o técnico no dia de sua apresentação. Ainda assim, o comandante sempre evitou eleger um modelo favorito entre 82 e 94. Contudo, baluartes das duas gerações ouvidos pelo EL PAÍS entendem que a seleção atual carrega virtudes de ambos os lados.

Para Zico, camisa 10 no Mundial da Espanha, a mescla de estilos se faz visível nas extremidades do time. “Não gosto de comparações. Mas o Tite conta não só com uma parte defensiva sólida, mas também com jogadores de muita qualidade na frente, como Neymar, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus. Ele adotou uma filosofia de jogo que potencializa o talento desses atletas”, diz o Galinho. Já o volante tetracampeão Mauro Silva enxerga em Casemiro um reflexo do marcador implacável que ele encarnou em 94 e, no restante da equipe, um pouco do futebol-arte que o levou às lágrimas. “Eu chorei em 82 quando perdemos a Copa”, lembra. “Hoje o Brasil alcançou o meio-termo. É uma equipe muito equilibrada, com poderio ofensivo e defensivamente estável. Tem a cara do Tite.”

Mauro explica que a abordagem conservadora do time do tetra não nasceu por acaso. A seleção havia perdido sua dupla de zaga titular, Ricardo Gomes e Ricardo Rocha, lesionados. Parreira, então, recorreu a uma formação inédita, com Aldair e Márcio Santos, que só ganhou entrosamento ao longo do torneio. “O Parreira me pediu para ficar próximo deles o tempo todo, porque era uma dupla nova. Minha principal função era proteger a defesa. A gente queria evitar sofrer o primeiro gol, porque o lado emocional pesa muito em uma Copa do Mundo. Não existe margem para recuperação.”

O Brasil de 82 bem que tentou se recuperar. Buscou duas vezes a desvantagem no placar contra a Itália, mas sucumbiu depois do terceiro gol marcado por Paolo Rossi. “Nós perdemos porque encontramos um adversário que soube aproveitar nossos erros. E ganhou merecidamente”, avalia Zico. “Copa do Mundo é isso: num dia ruim, você volta pra casa. A filosofia do treinador de 94 era uma, a do treinador de 82 era outra. Tem que saber o que tá disputando. Não tenho dúvidas de que se aquela seleção disputasse um campeonato de pontos corridos, todos contra todos, dificilmente ia perder. É raro uma equipe tão boa errar tantas vezes como nós erramos.”

De acordo com Mauro Silva, a tragédia do Sarriá, de certa maneira, serviu de exemplo para o Brasil de Dunga, Romário e companhia. “Se tivesse um pouquinho mais de equilíbrio defensivo, a seleção ganharia a Copa do Mundo em 82”, afirma o ex-volante. “Era um time incrível. Mas é preciso aprender com os erros. Em uma Copa, a solidez na defesa é muito importante. Sem isso, um time raramente vence um campeonato de tiro curto.”

Na campanha do tetra, a seleção sofreu apenas três gols – um contra a Suécia, na fase de grupos, e dois contra a Holanda, nas quartas. O time ganhou ainda mais consistência quando Parreira barrou Raí e promoveu a entrada de Mazinho após a primeira fase. “Ficamos com três volantes”, explica Mauro. “Um meio-campo muito compacto. Mas nosso único armador era o Raí. Não tínhamos outro jogador com as características de criação para servir Romário e Bebeto. Imagina se a gente tivesse um Djalminha no grupo? Perdemos poder criativo e ficamos mais engessados, mas, por outro lado, consolidamos de vez o sistema defensivo.”

Disputado no verão dos Estados Unidos, a Copa de 1994 registrou temperaturas acima de 40 graus, já que muitas partidas eram realizadas no meio do dia para privilegiar a cobertura de televisão ao redor do mundo. A final contra a Itália, que começou às 12h30, em Pasadena, na Califórnia, foi uma delas. Outro fator que, para Mauro Silva, condicionou a seleção a não cair na tentação de sufocar os adversários, embora tivesse mais posse de bola que a maioria – só perdeu nesse quesito para a Holanda. “A gente precisava administrar o esforço. O calor não favorecia a intensidade. Tanto que nosso melhor jogo foi em Dallas [contra os holandeses], com tempo nublado e mais agradável para praticar futebol.”

Na partida contra o México, em Samara, na Rússia, a seleção de Tite deve encarar uma temperatura ao redor dos 35 graus e o menor índice de umidade deste Mundial, algo que influenciou na decisão do treinador ao trocar Marcelo, que se recuperou de uma lesão nas costas, por Filipe Luís. Assim como o Brasil de 94, seu time somou sete pontos, teve mais posse de bola que todos os adversários e sofreu apenas um gol na fase de grupos. Mas também apresentou lampejos de criatividade e improviso, como nas aproximações de Neymar e Coutinho contra a Sérvia, a exemplo da seleção de 82 – que marcou 10 gols em seus três primeiros jogos na Copa, o dobro da equipe atual.

Credenciais que fazem Zico confiar na disputa pelo hexa até o fim. “Se continuar jogando assim, o Brasil certamente vai chegar à final.” Para o eterno craque e quarto maior artilheiro da seleção, o escrete de rara profusão de talento que integrou em 82 ficou marcado não só por simbolizar a essência do futebol canarinho, mas, sobretudo, por influenciar outras escolas tradicionais. O colombiano Juan Carlos Osorio, técnico do México, por exemplo, já disse em algumas oportunidades se inspirar no time de Telê. “Não conseguimos o título, mas tivemos nosso desempenho reverenciado no mundo inteiro. Pelo futebol que a gente jogava, até os espanhóis passaram a apoiar o Brasil naquela Copa. Como afirmou o Guardiola, nosso time serviu como uma inspiração para as futuras gerações da Espanha. A seleção campeã em 2010 resgatou um pouco do toque de bola que impusemos em 82.”

Mauro Silva, por sua vez, avalia o legado da geração de 94 como um desafogo para o país, que não ganhava uma Copa havia 24 anos. Hoje, 24 anos depois do tetra, o ex-volante se diz orgulhoso da pragmática, porém redentora seleção que vingou o Brasil justamente contra a Itália. “É preciso ser justo ao avaliar aquela seleção. Soubemos administrar uma pressão enorme, de muito tempo sem ganhar. O pragmatismo foi importante e necessário naquele momento. Depois do tetra, o futebol brasileiro ganhou mais tranquilidade, tanto que chegou à final em 98 e foi campeão novamente em 2002. Nossa sociedade precisa valorizar mais a dedicação e o esforço. Temos uma história rica em talentos, drible e individualidade, mas só isso não basta para construir uma equipe vencedora.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: