Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Por que Toni Kroos nunca será um Neymar

E vice-versa. Afinal, comparar maturidade e sangue frio de um craque com os destemperos do outro é tão injusto como confrontar os IDHs de Brasil e Alemanha

Copa do Mundo Rússia 2018 Neymar Kroos
Neymar e Kroos, símbolos de duas escolas de futebol distintas.

Depois que Toni Kroos marcou um golaço de falta, decretando a virada da Alemanha sobre a Suécia, nos acréscimos, explodiram comparações entre sua conduta e a de Neymar, que desabara em lágrimas assim que o árbitro apitou o fim da partida do Brasil contra a Costa Rica. Os alemães haviam demonstrado enorme frieza em uma situação adversa. Os brasileiros quase perderam o controle em um cenário de pressão. De repente, Kroos representava o único modelo possível de jogador, enquanto Neymar personificava tudo aquilo que um atleta profissional deve evitar. Kroos era o cérebro do time, calculista e objetivo. Neymar, o ponto de desequilíbrio emocional, firulento e individualista. Nada de novo no universo de vereditos imediatistas do futebol. Mas as analogias entre Kroos e Neymar, que no fundo insinuam um paralelo entre Brasil e Alemanha, atestam somente a impossibilidade de equiparar realidades edificadas em condições desiguais.

Neymar nunca será um Toni Kroos, assim como Toni Kroos jamais será um Neymar – e o mesmo se aplica a Brasil e Alemanha, seja como time, seja como nação. Embora tenham histórias semelhantes no futebol, os craques se desenvolveram em contextos bem diferentes. Kroos nasceu na parte oriental de uma Alemanha recém-unificada. Influenciado pela família de classe média repleta de esportistas, logo se destacou no futsal de sua cidade. Era treinado pelo pai, Roland, no pequeno, porém tradicional clube de base Hansa Rostock. Para afastar as suspeitas de que Toni só integrava o time por ser “cria” do técnico, Roland se empenhava em tratá-lo como apenas mais um. Em certos momentos, a rigidez o fazia pegar pesado com o filho, que chegou a abandonar a escola por não conseguir conciliar as aulas com a rotina de treinamentos.

Na Baixada Santista, Neymar Junior, dois anos mais novo que Kroos, também começou cedo no futsal. Seu pai, um ex-jogador de times pequenos, não fez fortuna com a bola, mas, depois de pendurar as chuteiras, se esforçou para fazer do rebento um craque consagrado. Por sua obstinação, conseguiu bolsas de estudos para o filho em colégio particular e um contrato milionário no Santos quando ele tinha apenas 14 anos. Antes, já ganhava salário quase 20 vezes maior que a maioria de seus colegas na base. Era exaltado a cada ocasião em que driblava meio time adversário e empilhava gols. Naturalmente, acostumou-se a ver o clube curvar-se diante de seu talento. Sempre foi tratado como estrela da companhia, sobretudo depois de passar por um período de testes no Real Madrid.

O caminho de Kroos antes de chegar ao Real foi mais longo. Aos 16 anos, ele se transferiu do Hansa Rostock para o Bayern de Munique por cerca de 7 milhões de reais. Com a mesma idade, Neymar já valia mais de 100 milhões de reais. Ambos contaram com acompanhamento psicológico e escolar em seus clubes. Estrearam no time principal com 17 anos. A diferença é que, seguindo a cartilha de formação alemã, que defende a evolução gradual dos jovens talentos, Kroos foi emprestado ao Bayer Leverkusen para ganhar experiência antes de deslanchar, ao contrário de Neymar, que se firmou como titular no segundo ano como profissional do Santos.

Trajetórias parecidas que mudam de curso ao se arvorar em um ecossistema peculiar. O futebol alemão passou por um processo de reestruturação a partir do início dos anos 2000. Uma revolução com foco nas categorias de base, que têm como referência uma ideia de jogo coletivo e solidário. O time geralmente está acima da figura do craque. Nesse sentido, Kroos se tornou o fruto mais bem acabado dessa escola. Um meia organizador, que faz a equipe jogar e tem o passe como principal fundamento. Neymar foi lapidado em uma cultura de base que ainda prioriza a ascendência do mais talentoso. A figura do craque geralmente está acima da equipe. Desde o Santos, com exceção de seu período no Barcelona, à sombra de Messi, o camisa 10 da seleção se habituou a ter equipes jogando em função de seu raro talento.

Pelo histórico de craques que vestiram a camisa amarela, o imaginário brasileiro espera sempre que, nos momentos difíceis, o craque tire um coelho da cartola e jogue por terra todo esforço coletivo do adversário para brecá-lo. Neymar cresceu sob essa expectativa. Um atacante implacável, com o poder de arrebatar artilharias e prêmios individuais. Para evitar as pancadas dos zagueiros que o caçavam, aprendeu na base, por influência do pai e de treinadores, que encenar e se jogar era uma forma de proteção. Na Alemanha, condutas como simulação e cai-cai são desestimuladas desde as escolinhas, por questões culturais e para que atitudes individuais não se sobreponham ao coletivo. Especialmente no caso de Toni Kroos, sua frieza ao lidar com a caça dos marcadores foi potencializada pelo pai-treinador, que fazia vistas grossas a muitas faltas que ele sofria nos treinos como forma de blindá-lo do rótulo de filho protegido do técnico.

De repente, nesta Copa do Mundo, a fria e calculista Alemanha que se impôs sobre a Suécia se transformou em um time burocrático e estéril contra a Coreia do Sul. Entre tanta organização, tantos jogadores nivelados por cima, os alemães ressentiram-se justamente de um ponto fora da curva, a figura do craque que, num rompante de genialidade, pudesse tirá-la da atrofia. E, com a mesma rapidez, o Brasil, de refém do individualismo de Neymar, passou a ser reverenciado por fazer o astro se curvar ao jogo coletivo na vitória em cima da Sérvia. Coisas do futebol. Por ironia do destino, Kroos esteve sob holofotes na eliminação alemã não por seu talento, mas pelos erros incomuns para um jogador de atuações tão regulares. Saiu de seu pé esquerdo o passe acidental para a Coreia abrir o placar. O suficiente para brasileiros engasgados não só com sua exibição de gala na partida que eliminou a seleção da última Copa, mas também com o deboche sobre o 7 a 1 que o meia havia compartilhado nas redes sociais há algum tempo, o destituíssem do altar de referencial para Neymar e o atirassem à fogueira como o craque desmoralizado.

Em que pese o vexame, os alemães continuam sendo um exemplo de organização e formação de talentos no futebol. Toni Kroos fracassou na Copa. Como qualquer ser humano, comete erros e deslizes. Mas, ainda assim, se mantém entre os principais jogadores de sua geração. Da mesma forma, comparar sua maturidade e sangue frio com os destemperos de Neymar é tão injusto como confrontar os IDHs de Brasil e Alemanha, sem levar em conta fatores históricos, sociais e econômicos, ou medir o talento de ambos exclusivamente pelo número de dribles e gols. Cada um pode desequilibrar uma partida à sua maneira, com personalidade e estilo preservados. A hipótese de combinar as melhores virtudes de cada jogador em um só corpo existe apenas no videogame. O futebol do mundo real vive de imperfeições, que costumam vir à tona ou desaparecer de acordo com o resultado. Por isso, vale frisar, um eventual título brasileiro na Copa não apaga a humilhação do 7 a 1, muito menos faz da CBF o reduto de excelência e boa gestão que seus dirigentes, alheios à realidade, julgam comandar.

MAIS INFORMAÇÕES