COPA DO MUNDO RÚSSIA 2018

O que é impedimento? Um guia básico de futebol para sobreviver à Copa do Mundo

Não precisa ser especialista nem entusiasta do esporte para acompanhar o Mundial da Rússia sem fazer feio na mesa de bar

Árbitros durante evento de preparação para a Copa do Mundo.
Árbitros durante evento de preparação para a Copa do Mundo.Catherine Ivill (Getty Images)

MAIS INFORMAÇÕES

De quatro em quatro anos, a Copa do Mundo coloca o futebol como o centro do universo em vários países. No Brasil, nem se fale. Parece que mais nada acontece além dos jogos transmitidos e repercutidos em praticamente todos os canais de televisão. Um prato cheio para os fãs da modalidade mais popular do país. Mas também um suplício para quem não é do ramo, mas se esforça para manter a simpatia no grupo de amigos, e quer arriscar pitacos em uma conversa sobre o esquema tático da Costa Rica.

Muitas vezes, as marcações dos juízes durante os jogos soam como russo aos ouvidos (e olhos) leigos. Para desvendar essa língua “estrangeira” e tirar as principais dúvidas dos torcedores de ocasião na Copa, o EL PAÍS destrincha as regras mais cabeludas da bola.

Regulamento da Copa

Seguindo as regras oficiais do futebol de campo, a Copa do Mundo é disputada em campos de futebol padronizados pela FIFA: 105m de comprimento por 68m de largura. Cada equipe tem 11 jogadores, incluindo um goleiro. A partida é disputada em dois tempos de 45 minutos, mais os acréscimos decididos pelo juiz para compensar o tempo gasto com substituições de atletas e interrupções, além dos 15 minutos de intervalo, que servem para os atletas se hidratarem e também para os técnicos passarem orientações a seus comandados. O time que fizer mais gols vence o duelo. Ou seja, acertar a trave ou a bandeirinha de escanteio não vale pontos.

Bandeirinha marca impedimento no jogo entre Croácia e Nigéria.
Bandeirinha marca impedimento no jogo entre Croácia e Nigéria.Julian Finney (Getty Images)

Por que Itália, Holanda e Estados Unidos não estão na Copa?
Participam da Copa do Mundo as 32 seleções mais bem colocadas nas respectivas eliminatórias de seus continentes. Seleções tradicionais, como Itália, Holanda e Estados Unidos, não conseguiram se classificar entre as melhores. A América do Sul, por exemplo, tem cinco representantes: Brasil, Argentina, Colômbia, Peru e Uruguai.

Como é que faz para o Brasil ser campeão?
As equipes são divididas igualmente em oito grupos, definidos por sorteio. Cada vitória vale três pontos e o empate, um. Todos os times jogam entre si, e os dois mais bem pontuados se classificam para a fase de mata-mata.

Mata-mata? Como assim?
Calma, ninguém mata ninguém. É que, a partir daí, a seleção derrotada volta para casa, sem choro nem vela. São mais três fases (oitavas, quartas e semifinal) até chegar à grande decisão do campeão.

Ah, e se empatar?
Quando há empate nesses jogos, os times precisam disputar uma prorrogação (dois tempos de 15 minutos). Se ainda assim não houver o desempate, a vitória é decidida na disputa por pênaltis. Cada equipe tem direito a cinco cobranças – a que errar mais, acaba derrotada.

Quando a bola começa a rolar

Há quem enxergue o jogo através de esquemas táticos, formações que vão do 3-5-2 a 4-1-4-1 e expressões praticamente indecifráveis como “passe entrelinhas”, “marcação alta”, “recomposição defensiva” e “transição ofensiva”. Mas isso é conversa para um módulo bem mais avançado de futebol. Vamos às lições básicas que explicam muito do que acontece durante as partidas.

Impedimento
No momento em que o jogador dá um passe para o outro, tem de haver pelo menos dois adversários (geralmente o goleiro e mais um atleta) à frente do atleta que vai receber a bola. Caso contrário, ele é considerado carta fora do baralho, a não ser que, na hora do passe, se encontre atrás da linha do meio-campo. Para flagrar os impedidos, o árbitro da partida conta com dois auxiliares – um de cada lado do campo –, popularmente conhecidos como bandeirinhas, que erguem seu instrumento de trabalho ao sinalizar que um jogador está em posição de impedimento.

Árbitro de vídeo (VAR)
Esta é a primeira Copa em que os juízes dispõem do auxílio da tecnologia para tirar dúvidas a respeito de suas marcações. Câmeras espalhadas pelo campo fornecem imagens a uma sala de controle fora do estádio, onde os auxiliares de vídeo analisam replays das jogadas e podem ajudar o árbitro principal a tomar sua decisão em três casos: gols, pênaltis ou aplicação de advertência a jogadores.

Cartões
O cartão amarelo é a punição ao jogador que comete falta mais grave ou outro ato de indisciplina. O acúmulo de dois cartões amarelos na mesma partida resulta no cartão vermelho e, consequentemente, na expulsão do atleta de campo. Nesse caso, o treinador não pode colocar outro em seu lugar e o time fica com um jogador a menos até o fim do jogo. O cartão vermelho também pode ser apresentado ao atleta que não tenha cartão amarelo, em casos de agressão física ou falta com uso desnecessário de força. Se acumular um cartão amarelo a cada partida, durante dois jogos consecutivos, o atleta fica suspenso da partida seguinte.

Escanteio
É marcado quando um adversário toca a bola para a linha de fundo (aquela onde fica o gol) e cobrado de um dos dois cantos do campo para onde a linha foi ultrapassada.

Lateral
Acontece quando a bola sai pela linha lateral (perpendicular à linha de fundo). O último jogador a tocar a bola cede o lateral para o time adversário. É cobrado com as mãos e a bola deve ser lançada acima da cabeça do atleta que executa o lateral.

Tiro de meta
Marcado quando a bola sai pela linha de fundo, tocada por um jogador do time adversário ao que defende o gol daquele lado do campo. O tiro de meta pertence ao goleiro, que deve dar saída à bola com os pés – ele também pode indicar um jogador de linha para fazer a cobrança.

Substituições
Em jogos oficiais de Copa, cada time tem direito a fazer três substituições de jogadores. Nos amistosos (para fins de treino ou comemorações), as substituições costumam ser ilimitadas.

Posições dos jogadores

Árbitros do VAR analisam imagens de vídeo em Moscou.
Árbitros do VAR analisam imagens de vídeo em Moscou.Dmitri Lovetsky (AP)

“Volante no futebol? Mas isso não é uma peça do carro?”. Se você já se perguntou isso, siga nossa cartilha para não derrapar na hora da escalação.

Atacante
Como o próprio nome diz, o jogador que exerce essa função tem como objetivo atacar em direção ao campo adversário e colocar a bola no fundo da rede, a exemplo de Neymar, principal atacante do Brasil. Geralmente atua bem à frente dos companheiros e próximo ao gol da equipe rival.

Meia
É o jogador que atua no meio de campo. Sua função é buscar a bola com os volantes, zagueiros ou laterais e entregar para os atacantes. Também conhecidos como armadores da equipe, imbuídos de criar as jogadas. Podem atuar em várias formações.

Volante
O volante também joga pelo meio, mas em função mais defensiva que a do meia. Ele se posiciona à frente dos jogadores de defesa, protegendo a entrada da área, recuperando a bola do adversário e entregando-a para o meia ou atacante.

Lateral
Como indicado pelo nome, são os atletas que atuam nas laterais do campo. Ajudam tanto na defesa quanto carregam a bola para o meio de campo ou ataque. A posição exige boa forma física, para correr toda a extensão lateral do campo.

Zagueiro
Quem nunca ouviu Galvão Bueno berrando o bordão “Quem é que sobe?”, sempre que um rival cruza a bola pelo alto na área do Brasil? Então, geralmente o zagueiro é quem sobe de cabeça para afastar esse tipo de cruzamento. Afinal, sua missão é defender o seu gol dos adversários. Atuam bem próximos à área de seu time, com a função de desarmar (tomar a bola) dos jogadores da outra equipe.

Goleiro
É o guardião do gol de seu time e único jogador que pode usar as mãos. No entanto, se a bola for recuada por um companheiro da mesma equipe, tem que se virar com os pés.

O zagueiro Thiago Silva tira a bola no jogo entre Brasil e Suíça.
O zagueiro Thiago Silva tira a bola no jogo entre Brasil e Suíça.JOE KLAMAR (AFP)

Arquivado Em: