_
_
_
_

Mulher morre congelada no Japão após ser confinada em casa pelos pais durante 15 anos

Airi Kakimoto, que vivia num cubículo e comia só uma vez por dia, estava com o corpo cheio de feridas

Casa onde foi encontrado, congelado, o cadáver de Airi Kakimoto
Casa onde foi encontrado, congelado, o cadáver de Airi Kakimoto
Mais informações
Após cinco anos em cativeiro, refém do Talibã revela que mataram sua filha e estupraram sua esposa
Infografia | A violência contra as mulheres no mundo em quatro mapas
Resgatados na Espanha dois irmãos mantidos em cativeiro havia sete anos

Airi Kakimoto, de 33 anos, viveu um pesadelo por mais de 15 anos em sua casa na cidade de Neyagawa, província de Osaka, oeste do Japão. E sua morte certamente foi um inferno – de frio e abandono. Seu corpo foi encontrado congelado num quarto quase hermético, de apenas três metros quadrados e sem calefação, onde, segundo admitiu seu pai, ela havia estado trancada desde a adolescência porque, segundo ele, tinha uma doença que a tornava violenta. O pai e a mãe foram presos. Só alimentavam a filha uma vez por dia. Seu corpo estava cheio de feridas.

A autópsia determinou que Airi morreu de frio em sua casa, segundo a rede estatal NHK. O exame também indicou que a mulher se encontrava num estado de desnutrição extrema, pesando apenas 19 quilos, com uma estatura de 1,45 metro. Os serviços sociais acreditam que os pais deixaram de alimentar a filha nos dias anteriores à sua morte.

A mulher, cujo cadáver foi encontrado pelas autoridades após serem avisados pelos pais no sábado, havia estado confinada num quarto de cerca de três metros quadrados, sem calefação, desde que tinha 16 ou 17 anos, segundo admitiu o pai, Yasutaka Kakimoto, de 55 anos.

Kakimoto e sua esposa, Yukari, de 53, trancaram a filha porque ela “sofria de uma doença mental que a tornava violenta”. Segundo as autoridades, o casal a alimentava apenas uma vez por dia desde então, como revelaram fontes da investigação à agência japonesa Kyodo. Essas fontes admitiram que careciam de informações prévias sobre os abusos sofridos pela mulher.

O pequeno quarto onde Airi permaneceu confinada durante mais de uma década e meia foi construído pelo pai, segundo ele supostamente reconheceu. Tinha uma privada improvisada e um tubo conectado a um tanque de água instalado no exterior para que ela pudesse beber.

O habitáculo possuía uma porta dupla que só podia ser aberta do lado de fora, além de uma câmera de vigilância, informou a imprensa local. Os pais de Airi – que, acredita-se, morreu por volta de 18 de dezembro, apesar de só ter sido encontrada recentemente – foram presos no final de semana pelo abandono do cadáver de sua filha, acusação que as autoridades japonesas apresentam enquanto reúnem provas suficientes para iniciar uma ação por homicídio. O corpo estava cheio de feridas, indicando que passava o dia prostrada na cama.

Em 2000, um homem foi detido por confinar uma menina de nove anos, em sua casa em Kashiwazaki, província de Niigata. Ele a manteve ali durante nove anos, depois de sequestrá-la em 1990.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_