A boa cozinha espanhola é mais do que paella

Tanit, restaurante do chef Oscar Bosch em SP, oferece gastronomia da Espanha além dos clichês

As 'patatas bravas' do Tanit.
As 'patatas bravas' do Tanit.Divulgação

Mais informações

No menu – daqueles resumidos, que não causam ansiedade – não faltam delícias que comprovam essa tese. A ideia é abrir o apetite tapeando (comendo pequenas porções variadas, conhecidas como tapas), o que de cara é um hábito muito espanhol. Nessa hora, a opção mais pedida são as deliciosas croquetas (os croquetes cremosos com molho bechamel) de jamón ibérico ou de alho-poró com queijo de cabra. Outras possibilidades são as batatas bravas, que, na versão do chef, são recheadas com ragu de chorizo espanhol, ou então uma tábua do jamón com pão da casa.

Antes dos pratos, o visitante pode fugir à regra mediterrânea e provar um ótimo steak tártar servido com tutano assado. Mas aí, para não pesar demais, é recomendável que se chegue logo ao menu principal, onde reinam os frutos de mar em pratos como o fideuá, o macarrão cabelo de anjo feito no forno com maionese de alho e lulas, ou então o arroz negro de tinta de lula com polvo grelhado. Fora do mar, uma opção bastante celebrada – e meio abrasileirada até – é o leitão desfiado com pururuca, cenoura assada, purê de cenoura e chutney de repolho roxo e maçã.

Beatriz e Oscar Bosh.
Beatriz e Oscar Bosh.Facebook Tanit

“Gosto muito de fazer releituras”, diz o chef, que cresceu entre as panelas e as mesas do restaurante dos pais – o elogiado Can Bosch, que fica na cidade de Cambrils, a 100 quilômetros de Barcelona, e mantém uma estrela do guia Michelin há mais de 30 anos. Além de ter trabalhado lá, Oscar tem passagens pelos mais célebres restaurantes espanhóis, ambos de Girona: El Bulli, cujo dono, o chef Ferrán Adriá, fechou suas portas em 2011, e El Celler de Can Roca, o atual número um do mundo.

As bebidas do Tanit – cujo espaço pequeno (reserve lugares se for à noite) é decorado com madeiras claras e sofá de algodão rústico – também merecem atenção. Além de uma carta de vinhos variada, estão os drinks autorais, gim tônicas e um clericot preparados pelo bartender Caíque Soares. O mesmo vale para as sobremesas de Bia Bosch, entre as quais se destaca a magnífica torta de Santiago, feita com crème anglaise e sorvete de nata. Quem está pensando nos preços, não precisa se angustiar (as entradas estão na faixa dos 30 reais e os pratos custam ao redor de 60 reais), mas quem prefere não gastar demais comendo fora faz bem em pensar no Tanit nas ocasiões mais especiais.