Hitler não jogou mal sua última carta

Historiador surpreende com a revisão da batalha das Ardenas, que completa 70 anos

Soldados norte-americanos na neve durante a batalha das Ardenas, em dezembro de 1944.
Soldados norte-americanos na neve durante a batalha das Ardenas, em dezembro de 1944.

A batalha das Ardenas, ou do escape, travada em condições muito sacrificantes no inverno de 1944-45, durante quase sete semanas, foi um dos grandes enfrentamentos da II Guerra Mundial e a última grande ofensiva do Exército alemão na frente ocidental. As imagens dos tanques Tiger e Panther avançando rapidamente sobre a neve, dos soldados norte-americano cavando trincheiras no solo gelado e dos combates sem quartel nos bosques, povoados e encruzilhadas fazem parte das mais icônicas do confronto, assim como figuram entre seus nomes emblemáticos os de Malmedy, Bastogne, a operação aérea Bodenplatte, o Kampfgruppe Peiper e os comandos de Skorzeny –que causaram grande confusão se infiltrando com uniforme inimigo–. Hitler lançou o melhor que tinha, 300.000 soldados (muitos fantasmagoricamente vestidos de branco), 1.800 tanques e destruidores de tanques e 2.400 aviões, em uma tentativa desesperada de mudar o curso da guerra.

MAIS INFORMAÇÕES

O ataque, iniciado em 16 de dezembro, pegou completamente desprevenidos os Aliados, que, meio ano depois do desembarque na Normandia, davam a guerra quase que como acabada. Após um início promissor, lutas de uma brutalidade tremenda e uma defesa tenaz das tropas dos EUA –é famosa a resposta do general McAuliffe, da 101ª Aerotransportada, ao receber uma demanda para entregar Bastogne: “Nuts! (loucos, em versão livre)– os alemães se viram obrigados a interromper seu avanço sem conseguir o novo Dunkerque desejado pelo Führer. Vários livros e filmes recriaram a luta, entre estes últimos, o mais famoso é A Batalha das Ardenas (1965) –com sua conhecida cena dos jovens tripulantes de carros alemães entoando o cântico de sprit de corps conhecido como Panzerlied–, além de O Preço da Glória (1949) e Noites Calmas (1992), sem esquecer dos capítulos correspondentes no seriado de televisão Band of Brothers (sem dúvida, o melhor).

No 70º aniversário da batalha, e à espera da iminente publicação do novo e aguardado livro de Antony Beevor sobre ela, o historiador sueco Christer Bergström faz um relato monumental e detalhado em The Ardennes, 1944-1945: Hitler's Winter Offensive, que oferece, além de uma perspectiva insólita, uma surpreendente reinterpretação daquele confronto, do qual destaca que nenhum veterano entre os que entrevistou conta qualquer história amável, mas só coisas terríveis. “Está claro que foi uma das experiências bélicas mais assustadoras desses homens”, diz. Algumas imagens do livro ficam gravadas na memória, como o regimento alemão avançando em corrida gritando “ianques filhos da puta!”, os soldados norte-americanos que descobrem em 13 de janeiro os corpos congelados dos presos executados pela SS na estrada de Malmedy em dezembro, que continuam deitados no lugar em que foram abatidos, o Panther que se confunde e se mete em uma coluna de carros Sherman e a luta com granadas em uma casa de Thirimont, em que cada lado ocupava um andar.

Bergström, autor de 22 livros sobre a II Guerra Mundial, inicia seu relato detalhado a partir do ponto de vista de uma das unidades blindadas lançadas ao rio Mosa com a mira voltada para o porto de Amberes: toda uma declaração de princípios, pois uma das coisas do livro que mais surpreende o leitor, acostumado com as versões anglo-saxãs, é que muito da narração dos fatos seja feita da perspectiva do lado alemão. Mas tem muito mais: Bergström considera que os alemães estavam melhores preparados do que se considera normalmente, que seu moral era elevado, seu equipamento excelente, seus comandantes muito bons e Hitler não estava tão perdido em seus planos como se acredita. A operação não estava condenada ao fracasso e, em alguns de seus aspectos, era inclusive “magistral”.

Vamos por partes: a situação do exército alemão não era então tão ruim ao final de 1944? “Em novembro-dezembro, em absoluto”, explica o autor, que esteve com veteranos em Bastogne em dezembro passado devido ao aniversário da batalha. “O fato de os alemães terem conseguido deter os Aliados ocidentais na fronteira de seu país, a vitória de Arnhem, a promessa das novas armas maravilhosas (reatores, foguetes, submarinos elétrico, etc) e –não menos importante– o plano Morgenthau dos britânicos e norte-americanos que estabelecia mais ou menos a destruição industrial da Alemanha tinham elevado o moral da luta de uma forma que, em muitos casos, inclusive excedia o nível normal nos primeiros compassos da guerra”. Quanto ao equipamento militar, o historiador sueco afirma de forma muito clara: “Os alemães eram absolutamente superiores nos campos mais importantes, na verdade, pela primeira vez na guerra. O tanque pesado Königstiger, ou Tiger II, superava qualquer coisa que os Aliados tinham –em janeiro de 1945, dois desses aniquilaram uma companhia inteira de tanques Sherman, sem sofrer um arranhão–, e nenhum tanque médio podia competir com o Panther. Tinham o primeiro fuzil de assalto do mundo, o Sturmgewehr 44, os aviões Me-262 e Ar 234 eram totalmente superiores no ar”.

Presos alemães passam por um Sherman e um jeep Willys durante a batalha das Ardenas.
Presos alemães passam por um Sherman e um jeep Willys durante a batalha das Ardenas.

O livro se desprende da crença de que a ofensiva alemã das Ardenas foi uma tentativa desesperada, e aponta que tinha chances reais de sucesso. “Na verdade, da perspectiva de Hitler, era o mais inteligente que podia fazer, enquanto esperava a ofensiva russa seguinte no Vístula. Foi cuidadosamente planejada e preparada, e fracassou principalmente por dois fatores que poderiam não ter ocorrido: primeiro, porque as linhas de abastecimento alemães foram cortadas pela aviação Aliada quando o tempo melhorou no oitavo dia da ofensiva, e, segundo, porque as SS, menos competentes que o exército regular, a Wehrmacht, receberam a responsabilidade de conseguir os objetivos mais importantes. Mas esses dois fatores, como disse, poderiam ter sido diferentes. Se os alemães tivessem reposicionado sua aviação de elite, enviada para a frente do Leste, no Oeste, a aviação Aliada provavelmente não teria sido capaz de cortar as linhas de abastecimento alemães. Então, os alemães teriam 50% de possibilidades de alcançar a Antuérpia, cortar as forças Aliadas em duas e cercar o grupo de exércitos de Montgomery".

A melhor aviação alemã estava no Leste? “Exatamente. Havia uma enorme diferença entre os pilotos de uma frente e da outra. Enquanto a maioria de aviadores do Oeste era, em 1944, de novatos treinados de forma inadequada, uma parte importante dos pilotos alemães no Leste era formada pelo que os padrões norte-americanos descrevem como ases. Lá havia pilotos como Erich Hartmann e Gerhard Barkhorn, com 300 vitórias cada um, ou pilotos de ataque ao chão como Hans-Ulrich Rudel, com experiência em 2.000 missões de combate. Os pilotos alemães com experiência em 500 ou mais saídas de combate não eram incomuns no Leste no final de 1944. Os pilotos Aliados no Oeste não tinham essa experiência”.

Os alemães dispunham de tanques melhores e o moral estava elevado

Em termos claros e futebolísticos, os alemães eram melhores no campo do que os norte-americanos? “Sim, seus comandos eram melhores, suas táticas eram melhores, muitas de suas tropas estavam mais motivadas (com exceção das tropas aerotransportadas dos EUA), e seu armamento era melhor, com exceção também da artilharia dos EUA”. Bergström é ainda mais polêmico quando lhe pergunto se deveríamos repensar a (in)capacidade de Hitler como comandante militar. “Acho que deveríamos. Apesar de Hitler carecer de alta educação militar, tinha comprovado ter uma intuição das possibilidades no campo de batalha. Os ataques no Oeste em 1940 e 1944 são bons exemplos. No entanto, essa intuição falhou em várias ocasiões no final da guerra, a mais notável talvez em Falaise, em agosto de 44. Mas a ideia de atacar nas Ardenas com o objetivo de pegar rápido os exércitos de Montgomery foi brilhante”.

Voltando às SS, no livro se destaca algumas vezes que a Wehrmacht lutou melhor nas Ardenas que as SS, contrariando que as Waffen SS eram superiores. “Sem dúvida nenhuma foi assim. Muitos depoimentos, de comandos da Wehrmacht e dos EUA, comprovam de fato que as SS combateram de forma bastante inferior, como amadores, durante a batalha das Ardenas. Essa era a regra geral –ainda que com exceções notáveis– para as tropas novatas das SS em suas primeiras campanhas no campo de batalha durante toda a II Guerra Mundial”.

E como lutaram os norte-americanos na que foi a sua pior batalha na guerra, em intensidade e baixas? “Segundo todos os depoimentos, as tropas aerotransportadas foram muito bem, assim como outras unidades, como a 30ª e a 84ª divisões de Infantaria. Mas, no geral, devo dizer que considerando sua crescente vantagem numérica, esperava-se que o Exército dos EUA se comportasse melhor em um bom número de casos durante a batalha. A contraofensiva de Patton, que na verdade foi um grande fracasso em comparação com seus objetivos, é um bom exemplo em que se pode ver que se os alemães desfrutassem das mesmas vantagens, provavelmente teriam obtido muito mais sucesso”.

Ser sueco parece dar uma visão diferente, mais objetiva e mais neutra, à história da II Guerra Mundial. “Acho que simplesmente é natural que se seja influenciado pela perspectiva da sociedade em que vive, em muitos casos é o seu próprio país. Mais ainda, quando se trata de história militar, muito do que se pensa é influenciado pela propaganda de guerra da época. Isso obrigatoriamente tem uma grande influência na forma em que se aprende a história, de forma que ser de um país neutro é uma grande vantagem se sua vontade é proporcionar uma descrição neutra e objetiva de uma batalha como essa.”

Uma das conclusões mais surpreendentes de Bergström é que a batalha foi uma vitória para... os soviéticos. “Com certeza. A ofensiva das Ardenas enfraqueceu os Aliados ocidentais; de forma material e, particularmente, psicológica teve um impacto prejudicial em seus próprios planos de ofensiva, e os deixou extremamente cautelosos. Graças a isso, a União Soviética conseguiu o crédito de capturar Berlim”. A história tem, segundo o historiador, um corolário estremecedor: uma vitória alemã nas Ardenas poderia ter representado que fossem duas cidades alemães as vítimas das bombas atômicas em vez de Hiroshima e Nagasaki. “Se Hitler tivesse conseguido cercar e talvez aniquilar o exército de Montgomery, pode ser que tivesse sido capaz de aguentar até o verão de 1945. Nesse caso, as bombas atômicas provavelmente seriam lançada contra a Alemanha, como era o plano original. Da forma que aconteceu, os alemães se renderam antes que as bombas atômicas estivessem disponíveis”.

Soldados norte-americanos em deslocamento no front durante a batalha das Ardenas.
Soldados norte-americanos em deslocamento no front durante a batalha das Ardenas.

Christer Bergström está de acordo que chegou a hora de se fazer um bom filme moderno sobre a batalha. “É verdade, a batalha das Ardenas tem tudo que é preciso para se fazer um grande filme de guerra de sucesso: o drama do combate, o milagre quando o céu abre no último minuto permitindo às forças aéreas dos EUA salvar suas tropas terrestres, o retorno inesperado dos alemães em janeiro de 1945, a luta interna entre os generais Aliados (particularmente Patton e Montgomery), e os dois anjos femininos que trabalharam como enfermeiras e salvaram tantas vidas na assediada Bastogne”. O historiador lembra bem a cena dos militares alemães cantando o Panzerlied no filme de 1965. “Essa cena foi ideia do general Meinrad von Lauchert, um veterano da batalha das Ardenas, Cruz de Cavalheiro com folhas de carvalho, que comandou uma das pontas de lança alemães durante a ofensiva, e que foi assessor do filme”. Do último filme sobre a II Guerra Mundial, Corações de Ferro, com Brad Pitt, diz que recentemente falou com vários veteranos das forças norte-americanas que serviram na batalha das Ardenas e todos concordam que Corações de Ferro é um dos filmes de guerra mais realistas que já viram. “Logicamente, eu tenho que compartilhar essa opinião”.

A Batalha que Comoveu a Europa, sobre a batalha de Poltava, de Peter Englund, A Beleza e a Dor, do mesmo autor, e seu próprio Ardenas parecem mostrar um auge da história militar sueca. “O primeiro livro de Englund mencionado abriu caminho para um novo interesse pela história militar na Suécia. Os livros de História, particularmente história militar e, em especial, sobre a II Guerra Mundial, são muito populares na Suécia. A edição sueca do meu livro das Ardenas vendeu quase 3.000 cópias em seis meses e foi feita uma segunda edição, o que não está ruim em um país de 9 milhões de habitantes”.

Arquivado Em: