Supremo Tribunal Federal
O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, durante sessão nesta quinta que discutiu a prisão após segunda instância

STF derruba prisão em segunda instância e abre caminho para a liberdade de Lula

Placar de 6 a 5 muda entendimento em vigor desde 2016. Decisão impacta situação de ex-presidente e outros 5.000 presos

O procurador Augusto Aras e o ministro Sergio Moro na cerimônia de posse na PGR.

As batalhas (e derrotas) que a Lava Jato deve enfrentar no STF até o fim do ano

Força-tarefa vive semana de reveses, mas processos envolvendo a operação ainda estão longe do fim. Supremo deve julgar casos que tratam da condenação após segunda instância e pedido de suspeição de Sergio Moro nos próximos dois meses

Crítica
Manifestantes ocupam a frente do STF após decisão do ministro Marco Aurélio Mello que mandou soltar todos os condenados em segunda instância, no dia 19 de dezembro de 2018. A decisão seria suspensa pelo presidente do Supremo, Antonio Dias Toffoli.

O decano do STF que comia ‘junk food’

Parece impossível ler Os Onze sem buscar os detalhes da vida íntima dos ministros do Supremo, mas o livro de Felipe Recondo e Luiz Weber oferece bem mais do que isso

O advogado de defesa Cristiano Zanin defende a soltura do ex-presidente Lula, durante a sessão da Segunda Turma do STF nesta terça-feira.

Segunda turma do STF rejeita pedidos para soltar Lula

Maioria da segunda turma do Supremo rejeita proposta de Gilmar Mendes de colocar o ex-presidente em liberdade até que se vote suspeição de Moro em um julgamento futuro

Apoiadores de Lula diante do STF nesta terça.

STF mantém Lula preso e adia análise de suspeitas sobre Sergio Moro

Maioria dos ministros da segunda turma do Supremo rejeita proposta de Gilmar Mendes de colocar o ex-presidente em liberdade até que se vote suspeição do ex-juiz da Lava Jato

Gilmar Mendes, nesta terça durante julgamento da Segunda Turma do STF.

STF dribla, por enquanto, o “ônus” de libertar Lula

Na análise de Davi Tangerino, professor de Direito da FGV, Gilmar Mendes atuou para dividir a pressão de pautar julgamento. Holofotes seguem sobre o decano Celso de Mello

Julgamento no STF sobre a criminalização da homofobia
Ministros durante a sessão do STF desta quinta-feira.

STF interrompe julgamento com quatro votos a favor de criminalizar homofobia

Relatores Edson Fachin e Celso de Mello votam por equiparar homofobia ao racismo e são acompanhados por Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso

Julgamento no STF sobre a criminalização da homofobia
Ministro Celso de Mello, relator de uma das ações que pedem a criminalização da homofobia, na sessão extraordinária nesta quinta-feira.

O voto de Celso de Mello no julgamento sobre criminalização da LGBTfobia em cinco frases

Relator não conclui voto e julgamento de ações que pedem a criminalização da LGBTfobia será retomado na próxima quarta-feira, 20 de fevereiro, no plenário do Supremo

Manifestante em frente ao STF no dia 17.

Decisão sobre Lula expõe volatilidade do STF e submete Lava Jato a incertezas

Advogados do ex-presidente aproveitam veredito do STF para pedir que Moro envie todo o processo para São Paulo. Há insegurança jurídica. É o oposto do que deveria fazer o STF , diz procurador

Neymar cumprimenta Gilmar Mendes em junho de 2013, em concentração da seleção brasileira

Gilmar Mendes, o Neymar do Supremo

Hoje, o Brasil tem 210 milhões de presidentes do STF, que sabem exatamente como cada ministro joga — ou como deveriam jogar — e que assuntos devem ser pautados pelo tribunal