Racismo

A memória histórica da escravidão é motivo de guerra nas escolas dos Estados Unidos

Estados republicanos impõem leis para proibir o que consideram um ensino que culpa os brancos. “Tentam fazer retroceder o ensino da parte mais incômoda de nossa história”

Winsome Sears, política da Virgínia, agita a bandeira em apoio aos opositores do ensino da teoria crítica racial, em 30 de junho.
Winsome Sears, política da Virgínia, agita a bandeira em apoio aos opositores do ensino da teoria crítica racial, em 30 de junho.Michael Blackshire / The Washington Post via Getty Im

Mais informações

Um homem negro de meia-idade se aproxima do terraço de uma cafeteria em Ausburn, Virgínia, uma pequena cidade a 40 minutos de Washington. “Com licença, o senhor é Scott Mineo?”, ele pergunta. Mineo: “Isso é bom ou ruim?” “Bem, eu o tenho escutado na televisão”, responde o outro. E então eles se envolvem em uma longa troca de “Eu não disse isso”, “na verdade, estamos dizendo a mesma coisa” ... “Teremos que dizer às crianças que George Washington tinha escravos”, alfineta o homem, que não se identifica. “Tudo bem, mas também mais coisas”, responde Mineo, “você acha que sou racista?”.

Tudo termina com o homem negro ajudando o branco a pegar o lixo e levá-lo para dentro do local —começou a chover—e com um aperto de mão. Estamos no condado de Loudoun, o mais rico dos Estados Unidos, um subúrbio próximo à capital do poder que, nos últimos anos, foi migrando de feudo republicano para moderado e democrata. Mineo, um analista de segurança branco, de 49 anos, começou uma cruzada de pais contra o que ele considera ser uma doutrinação racial nas escolas e ressentimento contra crianças brancas. Lançou um site chamado Pais contra a Teoria Crítica e criou um registro anônimo para que os alunos possam postar gravações do que os professores dizem em sala de aula. “Vamos expor todos os que fazem isso”, diz Mineo.

Loudon exemplifica a tensão que ferve nos Estados Unidos sobre como abordar o racismo nas escolas, e uma vertente fundamental, como demonstra a conversa com o estranho, é o ensino de história. A escravidão é um acidente, uma mancha em uma história de grandeza, ou na verdade, um elemento fundacional dos Estados Unidos? Os pais fundadores do país eram “boas pessoas”, com alguma contradição, ou sujeitos infestados delas?

Como resultado das mobilizações contra o racismo depois da morte de George Floyd, em 2020, muitas escolas têm reforçado suas palestras e programas educacionais contra a discriminação e o racismo sistêmico e, com isso, irrompeu também a reação conservadora, com cruzadas como a de Scott Mineo e um monte de leis. Uma série de Estados republicanos —Texas, Idaho, Oklahoma e Tennessee, entre outros— introduziu ou aprovou legislação para restringir o modo como a história é contada.

Uma mãe grita na reunião do conselho escolar de Loudoun, em 22 de junho.
Uma mãe grita na reunião do conselho escolar de Loudoun, em 22 de junho. Evelyn Hockstein / Reuters

A Assembleia do Tennessee, por exemplo, aprovou um projeto de lei em maio que proíbe as escolas de ensinarem que um indivíduo deveria sentir “responsabilidade” por ações passadas de membros de sua cor ou raça; ou que alguém, por causa de sua raça, “é inerentemente privilegiado” ou que promova o “ressentimento”. Ohio usa linguagem idêntica em várias partes de seu projeto de lei e veta que os professores ensinem que a escravidão foi qualquer coisa diferente de “uma traição ou fracasso dos verdadeiros princípios fundadores dos Estados Unidos, que incluem a liberdade e a igualdade”.

O ponto controverso dos conceitos proibidos —em que momento um professor que fala sobre racismo está dizendo que ser branco implica privilégios ou está gerando ressentimento contra os brancos?— disparou alarmes sobre a liberdade de expressão.

O historiador David Blight, branco, professor de Estudos Afro-Americanos da Universidade de Yale, alerta que todos os países têm um passado que incomoda seus cidadãos. “O movimento conservador vem tentando há meio século, de forma intermitente, fazer retroceder o ensino da parte mais incômoda de nossa história, porque acredita que nosso dever é formar patriotas, mas nós não educamos os jovens para serem só patriotas, nós os educamos para que entendam melhor a sociedade em que vivem e isso pode torná-los melhores patriotas”, diz Blight por telefone. As leis em vigor, opina, “são horríveis, anti-intelectuais, antidemocráticas, um mau uso da história para produzir um certo tipo de cidadão”.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O debate subjacente se alicerça em tratar a escravidão —abolida em 1865, quase 100 anos após a fundação do país— como mais um capítulo da história do país ou um elemento básico dela. A seu ver, “eles não querem encarar que [a escravidão] foi central para a identidade da nação americana, seu desenvolvimento e crescimento, na Guerra Civil”.

Um dos elementos centrais dessa disputa é a chamada Teoria Crítica Racial, cujo significado foi distorcido, como acontece em toda boa controvérsia intelectual e política que se preze. Hoje, pode-se vê-la sendo usada, especialmente pela direita, para identificar qualquer análise que aborde o racismo como um problema sistêmico nos Estados Unidos e, no âmbito escolar, qualquer atividade ou oficina que enfoque a discriminação por causa da raça.

A Teoria Crítica Racial é um marco teórico procedente do mundo do direito que começa a ser forjado na década de 1970 por acadêmicos como Kimberlé Crenshaw, que estudam os movimentos dos direitos civis. Argumentam, grosso modo, que raça é uma construção social e racismo é algo que vai além dos preconceitos pessoais, que o ordenamento jurídico está configurado de uma forma que sustenta e estimula a supremacia dos brancos sobre os negros. Por isso, concluem, as conquistas da época não conseguiram erradicar a injustiça social.

Pode ser considerado um movimento intelectual oficial desde 1989, quando seus promotores organizaram a primeira sessão de trabalho com esse título, mas agora se tornou uma expressão fetichista dos conservadores na batalha da educação. Em março passado, Christopher Rufo, pesquisador do laboratório de ideais Instituto Manhattan, entidade conservadora, disse abertamente em sua conta no Twitter: “Conseguimos deixar cravada sua marca —'teoria crítica racial’— no debate público e não param de serem acrescidas percepções negativas. Em algum momento a converteremos em algo tóxico e colocaremos todos esses delírios culturais nessa categoria”.

Outro dos protagonistas dessa briga é o Projeto 1619, uma análise histórica de como a escravidão moldou as instituições norte-americanas nos campos político, social e econômico. Publicado no The New York Times em agosto de 2019, e idealizado pela repórter Nikole Hannah-Jones, o nome faz referência à data em que os primeiros africanos chegaram a solo americano, questiona se essa é a data que deve ser considerada a da fundação dos Estados Unidos e reivindica as contribuições dos negros norte-americanos para a formação do país.

Aplaudido em geral pelo enfoque, tem recebido críticas de historiadores de diferentes países por algumas considerações, como a do nascimento do país, ou o quadro pessimista do progresso obtido, entre outras. Um ano após sua publicação, em meio à onda de protestos pela morte de George Floyd, foi redobrada a atenção sobre o projeto e o então presidente Donald Trump o tomou como exemplo da “propaganda tóxica” que dividia o país e anunciou a criação da Comissão de 1776 para promover uma “educação patriótica”.

Marvin Lynn, professor de Educação da Universidade de Portland, aplicou a crítica feita pela Teoria Crítica Racial ao campo do sistema educacional como forma de abordar as desigualdades nesse sistema, mas rejeita que essa teoria esteja sendo ensinada em sala de aula. Lynn, um homem negro de 50 anos, lamenta a forma como o passado lhe foi contado. “Me ensinaram que os Estados Unidos são uma grande nação e que os pais fundadores foram homens honestos e de grande integridade. Só fiquei sabendo sobre Sally Hemmings, que era escrava de Thomas Jefferson e tinha filhos de Jefferson, sendo escrava, quando me tornei adulto”, explica. Lynn é pai de três garotos, de 19, 15 e 13 anos. Eles, conta, foram na maior parte do tempo para escolas públicas e “não aprenderam nada de sua história como pessoas negras, nada do passado na África”. Em sua opinião, “esse movimento quer restringir ainda mais o currículo, é realmente um movimento racista”.

No condado de Loudoun, a briga vai muito além da história. Um grupo de pais, incluindo Mineo, processou o Conselho Escolar do Condado alegando que os professores incorporaram “teorias políticas radicais e polêmicas” na programação e estão pedindo às crianças que os apoiem sob pena de retaliação, além de sistemas de denúncias de discriminação que fazem delas “policiais contra a liberdade de expressão”. Os últimos encontros com os pais viraram rixas, que são o filé das redes sociais, e as ameaças chegaram ao Facebook. Num grupo denominado Pais Antirracistas de Loudoun, de 600 membros, os que se opunham aos programas foram citados com nomes e sobrenomes e falou-se em expô-los, as imagens chegaram à mídia e grupos conservadores, que as divulgaram como prova de assédio. Vários membros do grupo “antirracista” receberam ameaças.

Os país contra o programa do racismo exigem a retirada de seis conselheiros. Seu chefe de comunicação, Wayne Byard, explica que as ligações e e-mails de pais sobre a Teoria Crítica Racial, que não é ensinada nas escolas, “chegam às centenas”.

Scott Mineo, que comenta em duas ocasiões que sua filha tem um namorado de origem hispânica e, no passado, outro negro, afirma que não é contra ensinar sobre a escravidão nas escolas, mas “a história toda, não apenas partes selecionadas”. Por exemplo, ele sente falta de que falem das “figuras negras muito proeminentes que tinham escravos, porque não apenas os brancos tinham escravos”. Ele não cita quantos negros tinham escravos nos Estados Unidos ou quão importantes eram, mas admite: “Havia mais proprietários de escravos brancos do que proprietários negros”. E acrescenta: “Hoje há muito mais escravos do que há séculos e ninguém fala deles, escravos sexuais, tráfico de seres humanos, escravos médicos, usados para pesquisa”.

Martin Luther King dizia que o arco do universo moral é amplo, mas se inclina para a justiça. O mundo precisa pensar sobre isso. O professor Blight destaca que os Estados Unidos têm uma história de “tragédia e conflito, como qualquer outro país”, mas os norte-americanos sempre tiveram a ideia de que a história deve ser um progresso. “Queremos pensar que sempre caminhamos para melhor, que sempre resolvemos os nossos problemas, e às vezes fizemos isso, até ajudamos o mundo, como na Segunda Guerra Mundial, mas há outros que não resolvemos e temos que encarar isso”, acrescenta.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50