Pandemia de coronavírus

O desafio de congelar a economia

Com a recessão já dada como certa, o desafio agora é evitar danos ao tecido produtivo até que o dinheiro flua novamente. Sem precedentes em que se agarrar, não será tarefa fácil

Uma rua no bairro de Dumbo, no Brooklyn, com vista para a ponte de Manhattan, que foi obrigado a fechar seus bares e restaurantes.
Uma rua no bairro de Dumbo, no Brooklyn, com vista para a ponte de Manhattan, que foi obrigado a fechar seus bares e restaurantes.Jeenah Moon / Reuters

Durante semanas, com a China já paralisada e as cadeias de suprimentos dando o primeiro golpe, a palavra recessão permaneceu fora do léxico: o debate ainda girava em torno de quanto o coronavírus subtrairia do crescimento. Mas a pandemia chegou ao Ocidente e as dúvidas rapidamente se volatilizaram: uma economia confinada deixa pouco espaço para escapatória. Haverá recessão na Espanha. Haverá recessão na Europa. Haverá recessão nos Estados Unidos. E haverá recessão na América Latina. A ruína inicial será enorme, quase certamente maior que a da crise de 2008 e 2009, e o desafio hoje das autoridades econômicas ―Governos, bancos centrais, FMI, Banco Mundial, G20, G7 ―é evitar que esse baque limitado no tempo se transforme em algo mais: uma Grande Depressão, como nos anos 30 do século passado. O sucesso depende, em boa medida, de um tratamento experimental: congelar o tecido produtivo até que o pesadelo termine e esperar que, depois, a atividade retorne o mais próximo possível ao ponto em que estava antes. Em resumo, evitar um curto-circuito no sistema de produção que estrangule o crescimento por anos e não meses.

"Já é tarde demais para evitar a recessão: estamos diante de uma desaceleração maciça e repentina, com efeitos devastadores tanto no consumo como na produção. Mas podemos e devemos fazer o possível para impedir uma depressão. É o desafio que definirá toda uma geração”, diz por email Mohamed El-Erian, chefe da assessoria econômica da Allianz e ex-presidente do Conselho de Desenvolvimento Global dos EUA, na época de Barack Obama. “Estamos no mais parecido com um período morto para a economia, no qual as pessoas e as empresas precisam, acima de tudo, sobreviver”, diz Alan Blinder, ex-número dois do Fed e ex-assessor da Casa Branca nos tempos de Bill Clinton. Enquanto a parada durar, todos os esforços dos Governos e dos bancos centrais serão direcionados para um único objetivo: fazer todo o possível para que possam sair desta. “Apoiar as famílias menos privilegiadas, dar crédito às empresas e evitar insolvências e demissões”, acrescenta Ricardo Reis, economista da London School of Economics (LSE).

A economia entrou em um túnel escuro e autoinfligido, lembra Grégory Claeys, do think tank Bruegel, com o maior objetivo imaginável: salvar vidas. Os EUA passaram em tempo recorde do pleno emprego a uma previsão de 20% de desemprego e a Goldman Sachs já vislumbra uma contração de dois dígitos na Espanha. Em águas desconhecidas e sem um farol do passado para iluminar o caminho, desta vez, como escreveu a economista Carmen Reinhart, é diferente.

E o receituário também deve ser. Em circunstâncias extraordinárias como esta, cabe agora à política econômica desempenhar um papel muito diferente daquele a que está acostumada: tentar, por todos os meios, garantir que o tecido produtivo preserve seus traços básicos sem grandes interrupções até que a atividade retorne às ruas. Submeter o setor produtivo, em outras palavras, a uma espécie de coma induzido ou criogenização que mantenha os sinais vitais tão intactos quanto possível, de modo que, quando tudo passar, na habitual sopa de letrinhas dos economistas a saída da crise seja em forma de V e não de L.

Uma economia pode, então, ser congelada? “É possível, sim, embora muito complicado. E depende de quanto tempo: se o fechamento total se prorrogar, será catastrófico; se forem apenas algumas semanas ou meses, poderemos evitar o desastre... Para isso, é necessário impedir que empresas e empregos desapareçam", diz Reis. Quase não existem precedentes históricos. Talvez a Segunda Guerra Mundial, diz o professor da LSE sem muita certeza. Ou, como lembra por email Barke Eichengreen, de Berkeley, o da mal chamada gripe espanhola: “Mas foram algumas cidades, não um congelamento global como este”.

Enquanto não houver consumo para estimular, como afirma Sung Won Sohn, presidente da consultoria SS Economics e professor da Universidade Loyola Marymount, o objetivo continuará sendo algo tão simples de dizer e tão difícil de alcançar como o de evitar uma hecatombe em forma de avalanche de falências e demissões permanentes. E garantir que as feridas deixadas pela paralisia no setor financeiro sejam as menores possíveis: fora de todos os holofotes, os alarmes já dispararam por lá, com o enorme mercado hipotecário dos EUA (12 vezes o PIB espanhol) passando por sua maior turbulência desde a crise de 2008. “Estamos diante da primeira recessão na história liderada pelo setor de serviços. Se durar muito e afetar a solvência dos bancos, poderá ser ainda pior do que a Grande Crise."

A teoria aguenta tudo. As notas soam bem na partitura: o Estado se encarrega de que tudo não vá para o espaço e que não haja efeito dominó. Agora, é preciso que a orquestra tenha a destreza e a força para interpretar a música. A informalidade do trabalho e pior acesso ao financiamento, por exemplo, complicam bastante a tarefa de criogenização nos países emergentes. Enquanto isso, a maioria dos países europeus e os Estados Unidos já puseram mãos à obra, vetando demissões indefinidas e apostando em fórmulas temporárias nas quais o erário cubra uma parte substancial do salário ou jogando milionários salva-vidas de liquidez para as empresas.

Os idos de março deixaram, porém, algumas coisas claras. A dívida pública vai chegar às nuvens e terá que haver reduções no lado privado, como Mario Draghi alertou esta semana no Financial Times. “E parte dos empréstimos do Governo [às empresas] nunca será reembolsado”, disse Blinder por e-mail. Mais adiante, quando as pessoas voltarem a trabalhar e consumir, terá que haver mais: “O consumo precisará de apoio, com uma nova rodada de estímulos que, felizmente, as economias avançadas podem encarar graças às taxas de juros tão baixas”, completa Eichengreen, sem nenhuma dúvida quanto a defender o papel do Estado em momentos como este.

Mas o vazio converteu outros em keynesianos: hoje ninguém nega sua importância capital para evitar a queima total. E terão que ser assim também depois, dando uma mão no pagamento de impostos e assumindo sua responsabilidade social. Caso contrário, conclui Ian Greer, da Universidade Cornell, “mais uma vez os Governos acabarão resgatando os investidores e disseminando os custos para a sociedade por meio de medidas de austeridade”.

A excepcionalidade também deixa lições aprendidas. Os bancos centrais foram muito mais rápidos no reflexo do que em 2008. “É alentador o papel dos Estados e bancos centrais, agindo rapidamente e adotando medidas de emergência”, diz El-Erian. O Fed e o BCE têm sido contundentes: fizeram sua parte. E os erros cometidos, como o de Christine Lagarde em sua primeira aparição ―“não estamos aqui para reduzir os spreads”― foram corrigidos “em dois dias e não em dois anos, como antes”, observa Claeys. Outros, por sua vez, ainda não internalizam: “Desta vez, a crise é exógena e vai atingir a todos. A narrativa de irresponsabilidade fiscal já não se sustenta. É por isso que os eurobonds são tão importantes". Alguém deveria tomar nota em Berlim e em Haia.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50