Planeta futuro

A solução para a crise ambiental é um negócio

Os empreendimentos de base científica e tecnológica são essenciais para que a América Latina não fique para trás em um mundo em transformação. Além de impulsionar a economia, pode responder a males do cotidiano

Micheile Henderson (Unsplash)

O pai de Rodrigo Coquis (Lima, Peru, 1991) lhe deu um carro velho aos 22 anos. “Muito poluente”, ele esclarece. Como estudava engenharia, pensou que deveria criar algo para impedir que seu veículo poluísse. “Eu nem sabia como os carros funcionavam”, admite. Mas começou a investigar e, após várias tentativas, conseguiu. “Pensei que talvez alguém quisesse comprá-lo, poderia ser um negócio”. Juntamente com um parceiro, ele submeteu sua ideia a um concurso universitário para obter financiamento e, como o dinheiro desapareceu muito rápido, depois a submeteu para outro e outro. “Nós éramos o protagonista do Pokémon, de academia em academia”, diz. Mas o protótipo deles não era um Pokémon vencedor, era válido apenas para carros antigos e eles precisavam de um que funcionasse para novos. Com os fundos que tinham, continuaram a pesquisar e fizeram a descoberta de que precisavam. “Os combustíveis têm bactérias.”

Do outro lado do telefone, Coquis explica o mais didaticamente possível os aspectos intrínsecos de sua invenção baseada em nanotecnologia, para que os veículos poluam menos, o combustível renda mais e os motores sofram menos. Mais de três anos de pesquisa transformaram-se em um produto lucrativo ―o EcoVol― e uma empresa de oito trabalhadores ―a GreenTech. Esse é um dos exemplos citados por Pablo Angelelli, especialista da Divisão de Competitividade e Inovação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em seu relatório Empreendimentos de base científica e tecnológica na América Latina: importância, desafios e recomendações para o futuro. “No mundo em que vivemos, com um processo de mudança tecnológica acelerada, é importante que a região não fique para trás e esse tipo de empreendimento é essencial”, diz.

Essas startups baseadas em ciência e tecnologia que conectam universidades, seus centros de investigação e conhecimento ao mundo empresarial são essenciais não apenas para o desenvolvimento da região, mas também para “enfrentar desafios sociais”, observa Angelelli. No caso da GreenTech, ela não apenas gera riqueza e emprego, também exporta sua marca para outros países e contribui para solucionar um problema, o da poluição, que, em Lima, principal destino de seus produtos, excede em muito os níveis recomendados pela Organização Mundial da Saúde. Somente durante o confinamento para interromper a expansão da covid-19, quando circulavam 10% dos dois milhões de carros que normalmente percorrem suas ruas, os limenhos conseguiram respirar ar puro.

Para que esse modelo seja possível, é “um requisito essencial ter boa ciência”, explica Angelelli. “E na região existem alguns países que têm essas capacidades e outros com sistemas científicos fracos”, diz. Por esse motivo, apela aos governos para investir mais “a partir do minuto zero” na geração de conhecimentos de qualidade para criar negócios. “Que a pesquisa não seja avaliada apenas pelo número de papers [artigos científicos] publicados, mas também pelo número de patentes e empresas”. Coquis concorda: “O mundo está cheio de problemas e há muitos papéis, mas há desafios que não têm solução, você precisa inventá-lo”.

“Temos que trabalhar em um triângulo: definir as principais missões, para que haja mais equipes de cientistas tentando resolvê-las e mais investimentos”, resume Angelelli. Para isso, de acordo com as conclusões de seu estudo, é necessário transformar culturalmente os centros de investigação e que sua ciência possa ser usada para transformá-lo em um negócio. “Se os países da região priorizarem essa questão, com os recursos humanos existentes, poderiam criar 3.000 empreendimentos de base científica e tecnológica”, enfatiza o especialista. Mas nenhuma dessas recomendações será proveitosa, ele reconhece, sem o fundamento essencial: o ensino superior. Embora o número de pessoas entre 18 e 24 anos de idade que frequentam uma instituição de ensino superior tenham aumentado de 21% em 2000 para 43% em 2013, segundo um estudo de 2017, a metade não consegue terminar seus estudos. Uma tarefa parcialmente pendente. “E devemos garantir que mais e mais crianças se dediquem à ciência e ao empreendedorismo, com vocação científica”, acrescenta o especialista do BID.

A pandemia, diz Angelelli, valorizou esse tipo de projeto porque “eles reagiram rapidamente para inventar coisas que não tinham”, por exemplo, desenvolvendo testes rápidos para a detecção de coronavírus e outras inovações que estão sendo fundamentais na luta contra a covid-19. Mas ele adverte: “Os governos precisam estabelecer uma política específica. Esses tipos de empreendimento não surgem da noite para o dia, exigem anos e centenas de milhares de dólares, até milhões. Este é um investimento de paciência e precisa de parcerias público-privadas”.

De fato, a equipe da GreenTech levou cerca de três anos e precisou de milhares de dólares de instituições públicas e do próprio BID para transformar seu protótipo em um bom produto. “O caro nesses projetos é o desenvolvimento da ideia”, diz seu criador. Agora ele planeja solicitar mais ajuda para repetir o processo e fazer com que sua tecnologia funcione para veículos de pick-up, que são muito populares na América Latina. Embora sua invenção reduza consideravelmente as emissões de partículas poluentes “em até 80%”, de acordo com seus estudos com diferentes modelos de diferentes marcas automotivas, é a economia de combustível que “vende mais”, diz Coquis. “Ainda não existe uma grande consciência na região com o meio ambiente”, diz ele.

O projeto do Dr. Fernando Vázquez Alaniz e da mestranda Marlenne Perales García, ambos da Universidade Juárez do Estado de Durango (UJED), no entanto, também se concentra na solução de um problema ambiental. Ambos desenvolveram um bioplástico feito com casca de laranja, biodegradação fácil e rápida. Leva especificamente de 60 a 90 dias para se decompor, enquanto um saco de plástico leva 150 anos para se desfazer no oceano e uma garrafa enterrada permaneceria por algo em torno de 1.000. A invenção desta empresa, Geco, “pode ser usada como matéria-prima para têxteis, contêineres e embalagens”, sugere Hugo Kantis, co-autor do relatório do BID sobre empreendimentos de base científica, que estudou o caso desse negócio.

“A ideia surgiu do contato, em 2015, entre a estudante Giselle Mendoza, 21 anos, e a professora de biotecnologia Marlenne Perales, ao verificar que o México é o quinto produtor mundial de laranjas e que metade do seu peso é descartado, tornando-se foco de contaminação e geração de doenças respiratórias. Portanto, sua reciclagem para gerar plásticos rapidamente biodegradáveis pode ter um impacto ambiental positivo duplo “, escreve Kantis. Neste exemplo, é a empresa privada que está interessada na invenção. E não apenas uma, várias grandes empresas como Bimbo, Jumex, Toks, Goss, Griffith e Reyma ―a última empresa e a mexicana mais relevante no campo da produção de plásticos.

Estes são exemplos do que, na opinião dos especialistas do BID (que investe nesse tipo de empreendimento), pode e deve ser feito para o desenvolvimento da América Latina e do Caribe. Que essas 3.000 empresas científicas e tecnológicas potenciais surjam.

Mais informações