Pokémon Go

Por que paramos de caçar Pokémons?

Game foi incapaz de fidelizar o público e isso motivou a brutal queda no número de usuários, segundo estudo

Um usuário joga Pokemon Go em seu smartphone.
Um usuário joga Pokemon Go em seu smartphone.Tomohiro Ohsumi (Getty Images)

MAIS INFORMAÇÕES

Ele revolucionou o mundo dos videogames em meados do ano passado. Superou todas as estatísticas. Virou um fenômeno social. Acumulou milhões os downloads e usuários. Rompeu todos os estereótipos sobre os gamers existentes até então, porque atraiu famílias inteiras, da netinha ao vovô. Encheu parques e praças urbanas de caçadores e caçadoras virtuais. O Pokémon Go tocou a glória. E nesse sucesso sem precedentes teve a seu favor a interessante mistura de ficção e realidade e o fato de se encaixar nas dinâmicas cotidianas, a ponto de virar mais uma delas: as pessoas podiam caçar Pokémons com o celular durante um passeio ou a caminho do trabalho. Mas esse game de realidade aumentada só saboreou o mel do sucesso durante quatro escassos meses. Desde o lançamento, 96% dos que algum dia preencheram suas fileiras ficaram pelo caminho. Os 4% restantes resistem ao abandono organizando uma ou outra caçada para alcançar objetivos comuns.

Por que o Pokémon Go fracassou? “Ele não foi capaz de fidelizar. Acabou entediando o usuário, literalmente. Chegou um momento em que este esgotou tudo o que se pode fazer no jogo”, diz ao EL PAÍS Aarón Rodríguez, autor de Diseño Ludológico y Realidad Aumentada (Desenho de Videogames e Realidade Aumentada), que tem como subtítulo “a experiência de jogo no Pokémon Go!”. Trata-se do primeiro estudo feito na Espanha sobre o game criado pela empresa Niantic.

Rodríguez é professor de Ciências da Comunicação e membro do Grupo de Pesquisas em Tecnologias Aplicadas à Comunicação Audiovisual (ITACA), da Universidade Jaume I (UJI) em Castellón (leste da Espanha). Completam sua equipe de pesquisas Marta Martín, especialista em mecânicas de videogames, e Samuel Gil, estagiário de pesquisa. O estudo assumiu como objetivo traçar um perfil dos usuários desse game, “seus hábitos, sua maneira de se relacionar com as mecânicas do jogo e suas relações com outros textos paralelos do universo transmídia onde se localizam”, para a partir daí detectar o que motivou as “brutais cifras de abandono” desse jogo de realidade aumentada.

Os pesquisadores da UJI estudaram a percepção de 332 jogadores de toda a Espanha com um nível muito alto de implicação com o Pokémon Go. “Eram especialistas, dedicavam-lhe muitas horas e compartilhavam conteúdos nas redes sociais”. Um quarto da amostra analisada corresponde a usuárias, “um percentual que parece pequeno, mas não é tanto, se comparado com o perfil masculinizado que impera de forma global no mundo do videogame. Algo que, nos últimos cinco anos, está mudando com o aumento não só de usuárias mas também de criadoras e críticas”, observa Aarón Rodríguez.

Os resultados demonstram que foi um jogo amplamente aceito por setores totalmente heterogêneos. Não havia um perfil, portanto, pois ele tinha chegado a homens e mulheres, de todos os níveis educacionais, “uma característica que costuma ser rara com relação aos videogames convencionais, que têm um target muito mais marcado”, diz o professor. Pokémon Go arrastou as massas não por seus marcos narrativos – afinal, os jogadores não tinham por que estar familiarizados com a série de televisão, os filmes de animação ou os games anteriores desses personagens. O que o fez funcionar foram suas inovadoras mecânicas de jogo.

Aarón Rodríguez, autor do estudo.
Aarón Rodríguez, autor do estudo.Damián Llorens (UJI)

Com praticamente tudo a seu favor, o que deu errado? O que condenou o Pokémon Go ao imediatismo mais extremo? O estudo resume: a falta de interatividade, ligada a mecânicas inovadoras, mas delimitadas, provocou seu “desabamento total”, segundo Aarón Rodríguez.

“O jogo não teve a capacidade de fidelizar os usuários. Era muito limitado nas mecânicas: o que você podia fazer como jogador era pouco: caçar, controlar academias e compilar itens. Mas eram opções de baixíssima fidelização, esgotavam-se rápido”, explica o autor do estudo. E com esta falta de alternativas a diversão inicial passou ao tédio “literal”. As pessoas, segundo apontam os pesquisadores da Jaume I, queriam mais. “Trocar Pokémons com outros usuários humanos, competir; pois afinal o jogo ficava no plano do individual, com poucas opções de colaboração”. Mas a Niantic não respondeu a esse interesse por maior interação, à demanda de caminhar para um game mais comunitário. “A companhia estancou diante dessa oferta e fez o game fracassar”, acrescenta Rodríguez.

Assim, a ruína do Pokémon Go foi, se não um fato programado, provavelmente uma etapa de um projeto pensado como “experiência-piloto”. “Por ser um produto tão inovador, pensou-se mais no curto que no médio ou longo prazo. Ele estava mais destinado a deslumbrar exibindo o que se podia fazer com um jogo de realidade aumentada do que a desenhar um jogo de longo percurso”, apontam os pesquisadores.

Voltará o Pokémon Go à sua época áurea? “É pouco provável”, diz Rodríguez. Mas a companhia que o criou poderia dar o golpe com outro jogo similar, anunciado ainda neste mês, que terá o universo de Harry Potter como cenário. “Depois que nossa pesquisa foi publicada, soubemos que a Niantic está trabalhando em mecânicas para melhorar isso da falta de interatividade, e acredito que tudo o que ela aprendeu com o Pokémon Go estará a serviço do novo produto”.

Deste “sabe-se muito pouco, mas pode ser interessante, porque eles vão se direcionar a um nicho de seguidores de filmes e séries que se interessarão bastante. Haverá outro pico de jogadores, certamente. Ponho a mão no fogo, e lá estaremos nós para medir”, conclui Rodríguez, entre risos.