Brasil tem a maior inflação oficial em 13 anos, encerrando 2015 em 10,67%

Índice é muito superior ao teto da meta do Governo Dilma, que era de 6,5% IPCA de dezembro variou 0,96%, , também a taxa mais alta para o mês desde 2002

Brasileiro passou a gastar mais com alimentação em 2015.
Brasileiro passou a gastar mais com alimentação em 2015.Marcelo Camargo (Agência Brasil/Fotos Públicas)

O brasileiro passou a pagar mais caro no ano passado por todos os grupos de produtos e serviços que compõem o custo de vida, principalmente habitação (alta de 18,31%, contra 8,80% em 2014), alimentação e bebida (12,03% em 2015, ante 8,03% no ano anterior), e transporte (10,16% no ano passado, frente à 3,75% em 2014).

É a primeira vez desde 2003, primeiro ano do Governo do ex-presidente Lula, que a inflação oficial superou a meta estabelecida Conselho Monetário Nacional. Apesar da alta, o índice ainda ficou abaixo da previsão dos analistas, que previam um acréscimo em dezembro de 1,05%, acumulando em 12 meses alta de 10,77%, segundo pesquisa da Reuters. 

Em 2015, a cebola ficou 60,61% mais cara; mas também ficou mais caro comprar alho (53,66%)

A notícia, contudo, não chega a ser uma surpresa. No primeiro trimestre do ano passado, o Banco Central já havia admitido (pela primeira vez em 12 anos), que a inflação deveria estourar a meta. Entretanto, na ocasião, a expectativa do BC é que o índice atingiria 8% em dezembro. O mercado, porém, já previa que a alta de preços viria num patamar maior que o esperado pela equipe econômica do Governo. 

Em dezembro, o IPCA subiu 0,96%, também a maior taxa mensal para um mês de dezembro desde 2002 (2,10%), embora tenha ficado 0,05 ponto percentual abaixo da taxa de novembro (1,01%).

Cebola e alho: os vilões do orçamento doméstico

A alta no preço dos alimentos foi generalizada, mas alguns itens básicos que compõem o prato do brasileiro diariamente tiveram um aumento bastante expressivo. Em 2015, a cebola ficou 60,61% mais cara; mas também ficou mais caro comprar alho (53,66%), tomate (47,45%), a batata-inglesa (34,18%) e o feijão-carioca (30,38%).

Mais informações

Também ficou mais caro comprar frango inteiro (alta de 13,42% em 2015, contra 2,01% no ano anterior), e carne, embora esta tenha sofrido uma elevação do preço menor que a comparação com 2014 (12,48% em 2015, diante de 22,21% no ano anterior). O pãozinho também está mais caro: variação de 12,05% no ano passado.

Fora de casa, também ficou mais caro tomar cafezinho na rua (15,67%) e cerveja (13,21%).

Outras contas que subiram

Também pesaram no bolso do consumidor o aumento das tarifas domésticas, como a conta de energia elétrica (51% a média nacional, sendo que em São Paulo esse percentual chega a 70,97%). O botijão de gás também teve um aumento médio de 22,55% (tornando ainda mais pesado o impacto da alta dos alimentos, já que ambos estão diretamente relacionados. Já as contas de água e esgoto subiram 14,75%, enquanto o aluguel aumentou 7,83%; o condomínio foi a 9,72% e os artigos de limpeza para 9,56%.

Já em relação aos transportes, a variação do preço dos combustíveis foi 21,43%, sendo que o litro da gasolina subiu 20,10% em média, , enquanto o etanol teve um aumento médio de 29,63%, ambos variando mais ou menos dependendo da região do país. 

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: