O retorno dos vírus devoradores de bactérias

Deixados de lado após o surgimento dos antibióticos, os fagos voltam a ser uma alternativa para a cura de pessoas com infecções imunes a esses medicamentos

Representação artística de um fago atacando a uma bactéria
Representação artística de um fago atacando a uma bactériaGetty Images

Há cem anos, algumas das grandes empresas farmacêuticas vendiam preparados baseados em vírus para tentar combater infecções bacterianas que causavam danos, numa época em que os antibióticos ainda não estavam disponíveis. Felix d'Herelle, um médico canadense que batizou esses microrganismos como bacteriófagos, devoradores de bactérias, os utilizou para tratar com algum êxito pacientes com cólera e peste bubônica e criou medicamentos virais que depois a L'Oreal comercializou. Em um estudo realizado com pacientes de cólera no Punjab, na Índia, em 1927, quando ainda fazia parte do Império Britânico, 92% de doentes tratados com fagos se salvaram enquanto 37% dos que não receberam nenhum tratamento morreram.

Alguns resultados foram promissores, mas as dificuldades em isolar os vírus e tratá-los para convertê-los em medicamentos fizeram com que muitos desses produtos fossem de baixa qualidade e pouco ou nada úteis. Além disso, naqueles anos estava ocorrendo uma autêntica revolução médica. O surgimento dos antibióticos, muito mais eficazes e simples de produzir em escala industrial, fez com que muitos pensassem que as infecções não seriam mais um problema para a humanidade, e no Ocidente os fagos foram abandonados como terapia.

As bactérias resistentes aos antibióticos matam mais de 30.000 pessoas todos os anos somente na Europa

A situação mudou e os vírus assassinos retornam para uma segunda chance. As bactérias se adaptaram ao uso maciço de antibióticos com uma versatilidade assombrosa. O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças calcula que só na Europa as bactérias resistentes a antibióticos matam mais de 30 mil pessoas a cada ano e a ONU pressiona por um acordo mundial para combater uma ameaça global que considera premente. Há poucos dias, a cura de uma adolescente britânica apresentou esse tipo de terapia para o mundo. Isabelle Holdaway, desenganada por causa de uma infecção imune a antibióticos, teve sua vida salva graças a um tratamento com fagos modificados geneticamente.

Nesta semana, a imprensa belga anunciou outro tratamento bem-sucedido de uma infecção com vírus bacteriófagos. Uma equipe do Hospital Universitário Saint-Luc, em Bruxelas, salvou a vida de um bebê que nasceu com uma deficiência no fígado que exigia um transplante. Após a operação, a criança sofreu uma infecção no fígado e no sangue que não respondeu aos antibióticos. Os médicos decidiram aplicar um tratamento de fagos que durou 85 dias, o tempo necessário para treinar os fagos para detectar e destruir a infecção específica sofrida pela criança.

MAIS INFORMAÇÕES

Os antibióticos são uma substância química que mata as bactérias, bloqueando processos essencias para sua sobrevivência. "Têm a vantagem de agir contra um alvo que pode estar em uma espécie bacteriana ou em todas as bactérias", explica Daniel López, especialista em superbactérias do Centro Nacional de Biotecnologia do CSIC. Isso permite a existência de antibióticos de amplo espectro, que podem ajudar a combater uma infecção mesmo que não se saiba exatamente qual bactéria a causou.

Os fagos matam as bactérias porque lhes injetam seu DNA para se reproduzir e, em seguida, as explodem por dentro. Cada vírus infecta bactérias de cepas muito específicas e isso tem vantagens e inconvenientes. "No caso da menina britânica, foi necessário experimentar uma coleção de mais de 10.000 fagos para encontrar aqueles que poderiam ser úteis", diz López. "Isso dificulta a administração de um tratamento rapidamente", conclui. Do lado positivo, o tratamento é muito específico, é menos provável que gere bactérias super-resistentes e não prejudica os micróbios benéficos do nosso organismo.

Por enquanto, como aconteceu com Holdaway, só se utilizam fagos quando se esgotaram as soluções convencionais. Alguns pacientes recorrem até à peregrinação a Tbilisi, na Geórgia. Ali, no centro de pesquisa fundado por George Eliava – um discípulo de D'Herele que acabou sendo fuzilado por se apaixonar por uma mulher desejada por Lavrenti Beria, o chefe da polícia política de Stalin – prosseguiu a pesquisa sobre fagos para aplicações médicas quando foram abandonados no Ocidente.

Para aplicar fagos como terapia compassiva para aqueles que não têm escolha, as agências reguladoras precisam dar sua aprovação. As dúvidas sobre sua eficácia com base nos resultados do passado ou o risco de que a má purificação dos fagos provoque uma reação imune letal dificultam essas permissões. Pilar García, coordenadora da rede espanhola de pesquisadores em bacteriófagos, explica que "na Espanha esse tratamento compassivo não é aplicado" e vão "reunir-se com a Agência Espanhola de Medicina para tornar isto possível". "Agora, um dos produtos desenvolvidos no meu instituto está sendo purificado para ser ministrado a pacientes em um hospital em Lyon, e também outros países nos pediram, como a Suíça", disse Garcia, que é uma pesquisadora do Instituto de Produtos Lácteos das Astúrias do CSIC, em Villaviciosa. "Há pessoas com infecções sem tratamento, próximas de nós, e seria uma pena se essa possibilidade de ajudá-las fosse desperdiçada", conclui.

No mercado já existem tratamentos à base de bacteriófagos para aquicultura, em uma área como a da saúde animal que tem sido um ambiente onde o uso irresponsável de antibióticos acabou resultando em um excelente treinamento para superbactérias. A empresa holandesa Micreos produziu a primeira endolisina para uso humano. Estas proteínas, utilizadas pelos fagos para provocarem a explosão das bactérias a partir do interior e saírem ao mundo, são utilizadas no caso do fármaco Staphefekt para atacar a bactéria staphylococcus aureus, responsável por doenças inflamatórias da pele, tais como o eczema. A Micreos também possui produtos com proteínas específicas contra listeria, salmonella e escherichia coli para a segurança alimentar.

Na Espanha, a empresa Ikan Biotech, com sede em Pamplona, também está tentando desenvolver esse tipo de "enzibiotico" a partir de proteínas que os fagos produzem para explodir as bactérias. Roberto Díez-Martínez, fundador da empresa, explica que são coletadas do subsolo bactérias que nunca tiveram contato com humanos para procurar nelas bacteriófagos capazes de matar bactérias multirresistentes. "Temos cerca de 15.000 bactérias em nossa biblioteca. Dessas, analisamos 10% e obtivemos 408 fagos, dos quais, após uma triagem, separamos 72 que são positivos para patógenos humanos. Agora, procuramos aqueles que matem os quatro organismos prioritários e outros que geraram super-resistência", diz ele.

O pesquisador acredita que o desenvolvimento desse tipo de antibacteriano será lento por causa da complexidade do processo, mas também porque, para as empresas farmacêuticas, por enquanto é mais lucrativo produzir antibióticos pelos métodos químicos tradicionais. Mas o número de bactérias resistentes aos antibióticos de último recurso, como as que quase mataram Isabelle Holdaway, aumenta, e serão necessárias todas as alternativas possíveis. Os vírus devoradores de bactérias podem dar esperança a milhares de pacientes.

Arquivado Em: