ADA YONATH | Prêmio Nobel de Química

“Se não criarmos novos antibióticos, as pessoas morrerão aos 50 ou 60 anos, como antes”

Prêmio Nobel de Química Ada Yonath alerta que resistência bacteriana causará mortes na metade da vida

A cientista Ada Yonath, fotografada esta semana em Madri.
A cientista Ada Yonath, fotografada esta semana em Madri.Fundación Ramón Areces

Mais informações

A prêmio Nobel de Química Ada Yonath parece uma pessoa especial logo ao vê-la. Em torno da cadeira de rodas — o voo de Israel maltratou seus quadris de quase octogenária — acontece um pequeno caos formado por uma bolsa, vários lenços de papel, uma bengala dobrável e uma mochila cheia na qual remexe e que não abandonará nem quando subir ao palco do encontro O Futuro do Envelhecimento, realizado na semana passada em Madri e organizado pela Fundação Ramón Areces. “Será que você não está acompanhando a jornada?”, espeta à jornalista, olhando de soslaio para o monitor onde outros vencedores do Nobel analisam o grande desafio demográfico do século XXI. Sobre esta mulher com os olhos de menina cavalga uma indômita cabeleira cinza encaracolada que foi objeto de debate nacional em seu país antes da viagem a Estocolmo em 2009 para receber o prêmio. Todo mundo queria mandá-la para o cabeleireiro. Inevitável pensar em Einstein.

Pergunta. A senhora é uma mulher pioneira...

Resposta. Você pode retirar o termo mulher? Sou uma cientista pioneira, mas poderia ser homem.

P. A senhora teve as mesmas oportunidades?

R. Não, mas foi porque o projeto era difícil, não por ser mulher. Durante os 20 anos que durou a pesquisa muitas vezes pensamos em abandoná-la.

Yonath recebeu o Nobel junto com dois cientistas pela descoberta da estrutura e da função do ribossomo, a organela celular que produz proteínas ao traduzir a informação do DNA. Evidenciou o componente através da cristalografia, contrariando a opinião de seus colegas. No ano seguinte à publicação da descoberta, as equipes que ela dirigia revelaram como alguns antibióticos eliminam as bactérias ligando-se aos seus ribossomos e impedindo-os de produzir proteínas. É uma das cinco mulheres que receberam o Nobel de Química entre os 176 homens premiados.

R. Não decidi ser cientista. Aconteceu. Sempre fui muito curiosa. Desde menina, queria saber o que estava acontecendo. Queria me tornar escritora, mas sentia que não conseguia expressar bem o que tinha dentro de mim, então fui para a ciência. Podia pensar e fazer. Mais simples.

As bolsas que a fizeram cientista, conta com a ironia reconhecível nas pessoas felizes, foram limpar escadas, fazer sanduíches ou ensinar Matemática e Física aos colegas do ensino médio. Seus pais, imigrantes poloneses em Israel, eram extremamente pobres.

R. Eu queria ser profissional, trabalhar em uma empresa química ou me dedicar ao ensino. A ciência era um hobby para mim e pensei que ninguém pagaria por um hobby.

P. Ainda é um hobby?

R. Claro que sim.

P. O que a senhora está fazendo agora?

R. A mesma coisa. No auditório dizem que existe uma idade para nos aposentarmos, mas em Israel há exceções e eu sou a exceção.

P. Qual a sua idade?

R. Farei 21 dentro de um mês [risos].

Em seus longos 20 anos, continua nadando e escalando montanhas. Costumava comemorar seu aniversário dando presentes à mãe e levando-a para jantar porque considera que era ela que deveria ser enaltecida. “Agora que ela não vive, não farei nada. Será um dia normal.” Prestes a completar 80 anos, continua à frente de uma equipe de cientistas do Instituto Weizmann, em Israel.

P. O que a senhora tem a dizer sobre a longevidade?

R. A longevidade disparou graças aos antibióticos, em meados do século passado. Evitou a morte daqueles que não tinham completado 50 anos... antes dessa idade morreram Mozart e Kafka... Depois vieram as doenças relacionadas à idade, como o câncer ou o Alzheimer. Depois, acontecem falhas de funcionamento, como a hipertensão, que podem ser controladas. As empresas farmacêuticas fornecem a esses pacientes medicamentos muito caros que os mantêm vivos. O que acontece é que as pessoas morrem de infecções. Um terço das mortes atribuídas ao câncer na verdade se devem a uma gripe normal, porque a pessoa não pode lutar contra ela, já que seu sistema imunológico está danificado e os antibióticos não funcionam porque há resistências. Os laboratórios não querem sintetizar novos antibióticos, porque são muito caros de fabricar, são vendidos muito barato e são usados durante poucos dias, não como outros tratamentos caros, como os do câncer. E há resistências, porque as bactérias são espertas, encontram o caminho para sobreviver.

Os micro-organismos resistentes são os novos assassinos em série. Mais de 33.000 europeus morrem um ano por conta desse fato. Um impacto maior que o da AIDS, tuberculose e gripe. Em quase metade dos casos (39%), as bactérias letais eram imunes aos antibióticos mais recentes.

R. Alguns pequenos laboratórios estão melhorando os antibióticos existentes, mas são muito poucos. Nos últimos 20 anos, apenas três novos foram desenvolvidos. Não é nada. O último deles, completamente novo, já apresentava resistências um ano depois de ter entrado em uso. As grandes companhias deixaram de fazê-los, mas devem continuar nisso. A longevidade é algo fantástico, mas pode ser detida por coisas estúpidas.

P. Qual é a beleza da pesquisa?

R. Ser como um hobby. Um jogo em que você descobre algo novo e dá ao mundo. Existe essa montanha de conhecimento e você tem uma pedra nela. É fantástico.

P. O que diria a uma menina que quer seguir seus passos?

R. Você está preocupada com a menina? Eu estou preocupada com a mãe dela. Estou preocupada com a sociedade, que pensa que as mulheres não devem se dedicar à ciência. Temos que reeducar os pais.

P. A senhora se sentiu sozinha?

R. Não por ser mulher. Eu me senti sozinha na comunidade científica porque não esperavam os resultados que obtive. Embora digam que se eu fosse homem falariam de mim de maneira menos desagradável. Agora são mais respeitosos, mas ainda há quem diga que sou uma mulher estúpida. Penso que existem muitos cientistas, homens e mulheres, melhores do que eu.

P. Por onde deveria avançar a pesquisa com antibióticos?

R. No meu laboratório estamos buscando posições diferentes das habituais que os antibióticos ocupam nas bactérias. São alvos para os quais podemos projetar antibióticos que penetrem através delas. Antibióticos que sejam muito específicos para cada patógeno, inclusive para cada cepa, que sejam absolutamente biodegradáveis, de forma que não poluam. E que saibam distinguir entre bactérias nocivas e as que não o são, a microbiota. Não é fácil. É o que estamos fazendo. Os laboratórios me odeiam. Digo a eles que estão tomando decisões erradas ao não projetarem novos antibióticos, entendo que eles precisam dar lucro para seus investidores, mas se mais e mais pessoas voltam a morrer aos 50 ou 60 anos, não terão mais consumidores para os tratamentos caros.

Termina a entrevista. Yonath vai falar. Dirá que seu laboratório já identificou 25 alvos para atacar as bactérias. O representante da Fundação Nobel que a acompanha pega a cadeira de rodas:

– Vamos sair?

– Para onde, dançar?