Testemunha-chave muda seu depoimento e diz que ajuda à Ucrânia foi condicionada a investigação contra Biden

Retificação de Gordon Sondland, ex-embaixador dos EUA na UE, reforça a tese de que a Casa Branca chantageou Kiev para o benefício pessoal de Trump

Gordon Sondland em 28 de outubro, após depor a portas fechadas no Congresso. Em vídeo, as chaves do ‘impeachment’.
Gordon Sondland em 28 de outubro, após depor a portas fechadas no Congresso. Em vídeo, as chaves do ‘impeachment’.SIPHIWE SIBEKO (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Uma testemunha-chave na investigação parlamentar para o impeachment do presidente Donald Trump alterou nesta semana o seu depoimento para declarar que agora se lembra de ter comunicado a um alto funcionário da Ucrânia que esse país não obteria a ajuda econômica militar combinada se não investigasse atividades de Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente Joe Biden. Isto confirmaria que realmente ocorreu o já famoso quid pro quo (barganha), a proposta de uma troca de favores entre Donald Trump e o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.

Gordon Sondland, ex-embaixador dos EUA para a União Europeia, enviou ao Congresso uma carta de três páginas para alterar o depoimento que prestou a portas fechadas em 17 de outubro a três comissões da Câmara de Representantes (deputados). A nova declaração corrobora a tese dos democratas de que a Casa Branca chantageou Kiev para benefício político de Donald Trump e sua campanha à reeleição em 2020, o que motivou o início de uma investigação para a possível destituição do presidente.

Nesta terça-feira, os comitês que investigam o caso da Ucrânia divulgaram a transcrição do depoimento de Sondland, em que afirma que o comparecimento de outras testemunhas lhe refrescou “a memória sobre certas conversas” relativas à Ucrânia, nas que participou em setembro. “Agora recordo uma conversa em 1º de setembro em Varsóvia com o senhor [Andrei] Yermak [assessor do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski]", lê-se no quinto ponto da carta de Sondland. O embaixador esclareceu que comunicou a Yermak a mensagem de que a retomada da ajuda norte-americana “não ocorreria enquanto a Ucrânia não realizasse a declaração política contra a corrupção que foi negociada durante muitas semanas”.

A memória de Sondland – um empresário hoteleiro que foi premiado com o cargo de embaixador por ter sido doador da campanha de Trump – foi reavivada depois de depoimento de Bill Taylor, embaixador interino dos EUA em Kiev, e Tim Morrison, ex-assessor do presidente para a Rússia e assuntos europeus. Sondland disse que tinha entendido que a declaração contra a corrupção deveria ser feita pelo próprio presidente Zelenski. Entretanto, o ex-embaixador diz não recordar como chegou a essa conclusão, mas que certamente foi através do advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, ou de Kurt Volker, o então enviado especial dos Estados Unidos para a Ucrânia. Volker demitiu-se depois que seu nome apareceu na denúncia feita por um informante anônimo sobre as pressões de Trump sobre seu homólogo ucraniano para que investigasse Biden.

Junto com Rick Perry, secretário de Energia, Volker e Sondland eram conhecidos como “os três amigos”. À exceção de Volker, que foi embaixador na OTAN entre 2008 e 2009, nenhum dos outros dois tinha experiência diplomática alguma, mas eram unidos pela relação de muita confiança com Trump. Em maio, segundo depoimento prestado no Congresso por um alto funcionário do Departamento de Estado, o chefe de Gabinete de Trump, Mick Mulvaney, afirmou numa reunião que a política para a Ucrânia sairia dos canais oficiais e seria coordenada através dos “três amigos”, numa espécie de diplomacia paralela.

Sondland afirma que hoje em dia continua sem saber “por que foi suspensa” a entrega dos quase 400 milhões de dólares à Ucrânia como ajuda militar, mas que compreendeu no começo de setembro, “e diante da falta de explicações críveis sobre a suspensão da ajuda”, que o cancelamento da assistência estava vinculado à declaração da luta contra a corrupção.

A Casa Branca reagiu à publicação das transcrições de Sondland e Volker – cuja declaração também foi publicada nesta terça-feira – através de sua assessora de imprensa, Stephanie Grisham. “Ambas as transcrições mostram que há inclusive menos provas para esta farsa de impeachment ilegítimo do que se pensava”, disse a porta-voz. “O embaixador Sondland declara claramente que não sabia (e continua sem saber) quando, por que ou quem suspendeu a ajuda”, comunica Grisham. “Também diz que ‘assume’ que havia uma ligação com a ajuda, mas que não pode identificar uma fonte sólida para essa presunção”.

A Casa Branca prossegue seu comunicado estabelecendo que, entretanto, o testemunho do Volker confirma que não poderia ter havido uma barganha, porque o Governo ucraniano não sabia nesse momento que a ajuda estava sendo retida. A nota da Casa Branca termina dizendo que tanto faz o volume de mentiras publicadas na mídia para mudar o que já é claro: que “o presidente Trump não fez nada de errado”.