Uma nova guerra de desinformação ameaça a campanha presidencial dos Estados Unidos

Facebook admite que não pretende controlar a veracidade dos anúncios políticos e gera temor de que se repitam as táticas de 2016

A deputada democrata Maxine Waters fala com Mark Zuckerberg após o depoimento dele em 23 de outubro.
A deputada democrata Maxine Waters fala com Mark Zuckerberg após o depoimento dele em 23 de outubro.Stefani Reynolds (GTRES)

MAIS INFORMAÇÕES

De todas as críticas que o Facebook recebeu nas últimas semanas, a mais eloquente de todas talvez seja a feita por seus próprios funcionários. “A desinformação afeta a todos nós”, diziam cerca de 250 funcionários numa carta à direção da empresa revelada em 28 de outubro no The New York Times. “Permitir a desinformação paga na plataforma passa a mensagem de que não vemos problema em nos beneficiar de campanhas de desinformação deliberada por parte daqueles que procuram posições de poder”, afirma o texto.

Os Estados Unidos estão a apenas 100 dias dos caucus (assembleia eleitoral) de Iowa, o início de um processo de eleição presidencial que pode marcar o país e o mundo por décadas. Nesse contexto, os olhares se voltam para o Facebook, para saber o que se pode esperar de uma ferramenta de publicidade sem precedentes na história, capaz de chegar com precisão a praticamente qualquer eleitor. Na memória de todos está o precedente de 2016, quando a campanha de Donald Trump e o aparato extraoficial de inteligência da Rússia utilizaram o enorme poder do Facebook para disseminar desinformação e desmobilizar o eleitor democrata em condados decisivos. A rede social foi partícipe necessária naquela operação. Diante de um nervosismo cada vez maior sobre o que pode acontecer em 2020, por enquanto a plataforma não deixa claro se pretende fazer algo diferente.

A carta chegou no final de um mês de outubro especialmente difícil para o Facebook. No começo do mês, a Justiça europeia emitiu uma sentença, de consequências ainda desconhecidas, segundo a qual qualquer país da UE pode obrigar o Facebook a retirar em todo o mundo mensagens que sejam declaradas ilegais. Trata-se de um golpe sem precedentes à condição de empresa global do Facebook e à impossibilidade de controlar o conteúdo fora das próprias fronteiras até agora. Não está claro, entretanto, como será possível obrigar a empresa a cumprir eventuais ordens.

Além disso, os primeiros sinais sobre o que se pode esperar do Facebook estão ficando evidentes, e os candidatos estão fazendo sua prospecção. Primeiro, a campanha de Donald Trump publicou um anúncio na rede com dados grosseiramente falsos sobre Joe Biden. Alertado sobre o fato, o Facebook disse que não irá retirar o anúncio porque não descumpria sua normativa. A campanha da senadora Elizabeth Warren decidiu então publicar um anúncio com informação falsa para demonstrar a falta de implicação do Facebook. A plataforma o aceitou sem problemas.

A deputada Alexandria Ocasio-Cortez durante o depoimento de Mark Zuckerberg.
A deputada Alexandria Ocasio-Cortez durante o depoimento de Mark Zuckerberg.

Mark Zuckerberg, fundador e executivo-chefe do Facebook, tinha depoimento marcado no Congresso em 23 de outubro. A deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez decidiu utilizar sua vez de perguntar para apertar Zuckerberg a respeito do tema. “As normas do Facebook permitem aos políticos pagarem para disseminar desinformação”, disse a congressista, buscando fazer o próprio Zuckerberg apontar até onde isso poderia levar. Ocasio-Cortez lhe perguntou insistentemente se retiraria anúncios políticos com informação falsa. “Se qualquer um, inclusive um político, estiver dizendo coisas que convidam à violência ou que podem provocar dano físico iminente ou suprimir o voto, retiramos esse conteúdo”, disse Zuckerberg. Mentir, por si só, não entra nessa categoria.

“Ou seja, que há um limite”, disse Ocasio-Cortez. Essa foi possivelmente a frase-chave do intercâmbio. Há um limite, e o Facebook não parece ter problemas para detectar o conteúdo que ultrapassa esse limite e eliminá-lo, como faz com a pornografia. A decisão de não fazê-lo com conteúdo falso pago por políticos é consciente e deliberada, segundo expunha a congressista. “Bom, acho que mentir é ruim”, foi tudo o que Zuckerberg conseguiu responder. O brevíssimo interrogatório de Ocasio-Cortez (cinco minutos) não trouxe nenhuma novidade sobre a política do Facebook, mas foi crucial para tornar patente, visível e resumido num par de frases virais a preocupação de muitos com relação à campanha eleitoral.

Para terminar o mês, dias depois o fundador e executivo-chefe do Twitter, Jack Dorsey, fez um anúncio que deixou o Facebook ainda mais exposto que com as perguntas de Ocasio-Cortez: o Twitter não aceitará anúncios de campanhas políticas. Essa é muito menor que o Facebook (320 milhões de usuários), mas sua influência na política mundial na era de Donald Trump é inescapável.

Dorsey expôs suas razões numa série de tuítes em 30 de outubro, entre os quais dizia que “o impacto político deve ser algo conquistado, não comprado”. Argumentou que para resolver o problema era melhor atacar “as raízes, sem a carga e a complexidade que o dinheiro traz”. “Por exemplo”, escreveu, “não seria confiável se disséssemos que ‘estamos empenhados em conter as pessoas que queiram manipular nosso sistema para pulverizar desinformação, maaas se alguém nos paga para selecionar pessoas e obrigá-las a ver seu anúncio… bom… aí podem dizer o que quiserem!”. Dorsey acrescentou o emoticon de carinha piscando um olho. Era inevitável pensar nas palavras de Zuckerberg na semana anterior.

“No momento em que dizem que não vão aceitar certas coisas porque são inaceitáveis, o que fizeram foi revelar que tomam decisões, não são um simples mensageiro”, diz Sam Wineburg, professor de Educação e História da Universidade de Stanford, na Califórnia, que nos últimos anos se especializou em estudar a credibilidade que o público dá à informação na Internet. A decisão do Facebook de fazer conscientemente o mesmo que fez em 2016 lhe parece “a máxima irresponsabilidade e uma maneira de desmantelar qualquer impulso democrático que possamos ter no âmbito das redes sociais”.

Wineburg opina que “as mentiras verificáveis são fáceis de comprovar”, por isso o Facebook é “moralmente culpado” de não evitá-las. Mas, além disso, “futuramente serão culpados perante a lei”. “Uma instituição não pode sobreviver sem que afinal o governo se dê conta de que são um elemento nocivo para a sociedade. É questão de tempo. Veremos isso nos EUA assim que houver uma Administração com cabeça.”

O departamento de Wineburg em Stanford fez um estudo em 2016 para saber se os jovens sabem distinguir a informação real da desinformação e das notícias falsas. Os resultados foram desanimadores. A maioria dos alunos dos últimos anos de ensino primário e secundário não sabia distinguir um anúncio de uma notícia e acreditava nas afirmações das redes sociais sem se fazer as mínimas perguntas de verificação. Wineburg acaba de concluir um novo estudo de acompanhamento, ainda inédito, e afirma que nada mudou. “Se o Facebook permitir nesta eleição as coisas que vimos em 2016, será ainda pior.”

David Greene, diretor de liberdades civis da associação Electronic Frontier Foundation (EFF), que se dedica à defesa dos direitos civis na Internet, adverte, entretanto, contra um excesso regulatório no Facebook. “Em uma campanha política há muita margem para o exagero, é quase natural”, diz Greene. “Acredito que as afirmações categoricamente falsas sejam a exceção, e não a regra. Não é bom que o Facebook ponha certos limites que depois poderiam ser explorados por gente que denunciaria cada anúncio. Os ricos que podem se permitir essa briga vencem, e os pobres perdem. Isso é o que vemos em sistemas que permitem a censura.”

Greene argumenta que, se o Facebook proibir as campanhas políticas, haveria o risco de que isso afetasse também grupos que, sem terem necessariamente interesse eleitoral, promovem determinadas políticas. “Entendo, por um lado, que o Facebook não queira ficar na posição de proibir o conteúdo de candidatos. Por outro, entendo que há algo profundamente inquietante em que permitam que continue publicado em sua plataforma algo que sabidamente é mentira”, diz Greene. “O que nós pedimos é que o Facebook tenha regras claras e transparentes que todos possam entender e seguir”.