_
_
_
_

Facebook quer ler a sua mente e fazer dela sua nova fonte de dados

A rede social financia pesquisas que desenvolvem mecanismos para interpretar as ondas cerebrais

Imagem do filme 'Sinais'.
Imagem do filme 'Sinais'.
Mais informações
“Cedemos os dados sem receber nada em troca. Deveria haver um mercado”
As conversas que o Google escuta: “Desculpe, querida. Não posso falar mais porque minha mulher chegou”
Milhares de aplicativos espionam o usuário mesmo sem permissão

Já faz tempo que o Facebook deixou de achar suficiente saber onde você está, com quem e fazendo o quê. Do que você gosta ou deixa de gostar, todas as tecnologias já sabem com base em quem você segue, quantas curtidas você dá e quais coisas você compra. Também te escutam pelo telefone. Coletam dados sobre as coisas que você diz e faz, colocam um lacinho de embrulho e as vendem para quem der o maior preço. Mas há uma barreira que nenhuma delas conseguiu atravessar ainda: o pensamento. Você consegue imaginar o que aconteceria se as empresas pudessem ler a sua mente e obter lucro com essa informação? Pois esse parece ser o próximo objetivo do Facebook. A empresa de Mark Zuckerberg está financiando diferentes pesquisas para desenvolver "decodificadores de voz" capazes de determinar a partir dos sinais cerebrais das pessoas o que elas tentam dizer, de acordo com um post publicado no blog do Facebook.

Um dos estudos financiados pela empresa foi divulgado recentemente na revista Nature Communications e é liderado por pesquisadores da Universidade da Califórnia (São Francisco, Estados Unidos). Essa pesquisa tem como foco fazer com que possamos usar as máquinas apenas com a nossa mente. Para isso, estão projetando dispositivos que leem os sinais cerebrais e tentam identificar o que o sujeito está tentando dizer. Como assinala o MIT, "os pesquisadores colocaram placas de eletrodos no cérebro dos voluntários. Depois, fizeram uma série de perguntas às quais deveriam dar respostas simples. Por exemplo: ‘Você prefere um piano ou um violino?’. O sistema tentou detectar a pergunta e a resposta."

Embora os resultados sejam preliminares, concluíram que "a atividade cerebral registrada enquanto as pessoas falam poderia ser usada para decodificar quase instantaneamente o que estavam dizendo e transformá-las em texto na tela de um computador". O Facebook diz que se a máquina for capaz de reconhecer apenas alguns comandos mentais, como iniciarselecionar e deletar, isso já proporcionaria maneiras completamente novas de interagir com os dispositivos.

A rede social explica em seu blog oficial que seu objetivo é projetar uma interface não invasiva que permita aos usuários escrever diretamente com a mente, "imaginando-se falando". Indo um passo além, o Facebook quer criar um fone de ouvido portátil que permita aos usuários usar seus pensamentos para controlar a música ou interagir na realidade virtual. Com essa finalidade, a rede social também financiou pesquisas com sistemas que escutam o cérebro a partir do lado de fora do crânio, usando fibra óptica ou lasers que medem as mudanças no fluxo sanguíneo, algo semelhante a uma máquina de ressonância magnética.

• O que o Facebook fará com essa informação?

A versão oficial é que a empresa está tentando melhorar a interação entre máquina e humano. Mas qual é o preço de se poder escolher uma música com a mente? Que ao longo do caminho a empresa colete dados sobre as suas ondas cerebrais. Com esses dispositivos, o Facebook pode detectar e traduzir os seus sinais cerebrais, seja o que for que você estiver pensando. Isso lhe daria muito mais informação do que já tem, e muito mais real. Não precisaria esperar que você reaja a uma publicação, mas simplesmente ver como a sua mente reage a ela. Não haveria mais nenhum segredo entre a sua mente e a rede social.

"É um dos primeiros exemplos de um gigante da tecnologia interessado em obter dados diretamente da mente das pessoas", explica o MIT Technology Review. Nessa mesma publicação, Nita Farahany, professora da Universidade Duke (EUA) e especialista em neuroética, afirma que "estamos prestes a cruzar a última fronteira da privacidade sem dispormos de nenhum tipo de proteção".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_