Google

As conversas que o Google escuta: “Desculpe, querida. Não posso falar mais porque minha mulher chegou”

Transcritores que trabalham para o Google revelam algumas das conversas íntimas que escutam para melhorar o assistente de voz

– Usuária consulta seu celular ao lado do logo do Google.
– Usuária consulta seu celular ao lado do logo do Google.Charles Platiau (REUTERS)

“Chego em cinco minutos. Me espere que estou a caminho”; “Abra a garagem”; “Qual é o melhor site pornô?”; “Ir à rua da Rosa [nome fictício]; “Diminua o brilho da luz da sala para 50% e ligue o ar-condicionado”; “Notícias sobre o caso Neymar”; “Comparação entre celulares iOS e Android”, e, entre sussurros: “Desculpe querida. Não posso falar mais porque minha mulher chegou em casa”. Esses são alguns exemplos dos milhares de áudios escutados pelos revisores de gravações para o Google em diferentes idiomas, entre eles espanhol e português. Uma prática realizada há anos, como afirmam os transcritores consultados.

Escutar, escrever e revisar gravações privadas de usuários, tanto meras buscas como conversas bem íntimas. Esse era o dia para muitos dos revisores por todo o mundo, contratados por uma empresa de tecnologia que trabalha para o Google. Qualquer pessoa com seu celular nas mãos tem algo mais do que um telefone. É sua conexão com todo o mundo online e há alguns anos já não precisa escrever tudo o quer procurar. É possível ordenar com a voz. Por isso, a revisão das gravações é realizada, de acordo com a multinacional, para melhorar o funcionamento de seu assistente virtual. Isso é, para que o software seja capaz de entender melhor o que os usuários dizem.

Mais informações

Os áudios que precisavam transcrever não tinham uma defasagem temporal muito grande. “As buscas sobre questões atuais costumam ser ouvidas com um mês de atraso. Percebi isso, por exemplo, em casos de eleições” confirmam os revisores. Entre os projetos – mudam com o tempo – há as buscas através da plataforma do Google, no Google Maps, mensagens de texto e pedidos ao Google Home, entre outros. “Nós preferimos os mais curtos para demorar menos [recebem por áudio realizado]. Os piores eram os de mensagens de texto com conversas”, explicam os especialistas em idiomas, que acrescentam: “Costumavam ser longos... de conversas entre familiares até discussões de casais. Você encontra de tudo”.

As gravações revisadas eram aquelas que os usuários dizem ao Google Assistant. A empresa admitiu quando o escândalo explodiu que escuta 0,2% de todos os áudios no mundo. “Os especialistas em idiomas revisam e transcrevem um pequeno conjunto de consultas para nos ajudar a compreender melhor esses idiomas. Essa é a uma parte crítica do processo de criação de tecnologia de voz, e é necessária para criar produtos como o Assistente do Google”, afirmou a empresa em um comunicado oficial. Os funcionários consultados não sabem quantas pessoas são contratadas para o serviço, quantos projetos existiam ao mesmo tempo – sabem que vários porque não costumavam trabalhar no mesmo – e quantas gravações são escutadas por dia no total. Só conhecem seu trabalho: “Cada um dos transcritores realiza uma média de 6.000 áudios por semana”.

Entre os projetos havia alguns que eram denominados de categorização. Nesse caso, os revisores precisavam escutar e transcrever o áudio do zero e, além disso, categorizá-lo. “Precisávamos assinalar se a pessoa que fala era uma criança ou um adulto homem ou mulher. Além disso, precisávamos indicar se era uma mensagem ofensiva ou não. Eram ofensivos se possuíam insultos e conteúdo sexual, por exemplo”, dizem.

E um denominador comum das gravações eram as mensagens sexuais. São tantos áudios que precisam ser feitos por minuto, que a maioria das mensagens é esquecida. Ainda que existem certos pedidos ao assistente que é difícil de se esquecer: “Havia muitas buscas sobre sexo. Algumas pessoas chegavam a procurar vídeos sexuais de crianças. Era muito desagradável”, afirmam.

Contratos precários

Transcritores consultados, vários deles na ativa, ficaram sem trabalho há duas semanas. Exatamente quando estourou o escândalo pelo vazamento de mil gravações a um canal de televisão belga. Apesar do Google afirmar que não violou os termos legais e que o usuário dá seu consentimento, paralisou seus projetos. “Dias antes da publicação estavam pedindo mais gente e incluindo os áudios na plataforma. Dias depois, entretanto, tudo foi paralisado”, dizem vários transcritores.

Os revisores, funcionários de uma firma contratada pelo Google, tinham contratos por trabalho e serviço e como freelance e em sua maioria não ganhavam um salário mínimo (nos valores da Espanha). Tudo isso apesar de trabalharem como especialistas em idioma (com formação superior e, na maioria dos casos, nativos do idioma em que trabalhavam) para uma empresa de prestígio. Em média, ganhavam 600 euros (2.500 reais) por mês. Em relação às horas cumpridas, os transcritores podiam escolher quantas marcavam, mas em cada caso tinham um objetivo mínimo a cumprir. Por cada hora de trabalho no contrato tinham que realizar 200 áudios.

Desse modo, se eram contratados em horário reduzido (20 horas por semana), precisavam ser capazes de fazer 4.000 áudios. Isso é, ganhar 120 euros (500 reais) por semana e 480 euros (2.000 reais) por mês. “O problema é que para cumprir a meta era preciso fazer mais horas. Em quase todos os projetos era necessário mais de uma hora para fazer os 200”, afirmam os transcritores. “A maioria preferia pegar 5 ou 10 horas semanais para ter um objetivo fácil de cumprir e que não nos mandassem embora por não chegar ao mínimo. Mas sempre tentávamos fazer mais gravações para que o pagamento fosse o melhor possível”, dizem.