_
_
_
_

Tribunais europeus podem obrigar Facebook a apagar comentários ofensivos em todo o mundo

Justiça determina que nada impede que os juízes de um Estado-membro peçam que sejam removidos conteúdos ilegais, mesmo fora da União Europeia

Álvaro Sánchez
O fundador de Facebook, Mark Zuckerberg, durante evento em San José, na Califórnia, em maio
O fundador de Facebook, Mark Zuckerberg, durante evento em San José, na Califórnia, em maioJOSH EDELSON (AFP)

O Facebook é mais do que uma plataforma para compartilhar opiniões, fotografias e vídeos. É também um gigantesco fórum onde são despejados milhares de comentários ofensivos de natureza racista, sexista ou simplesmente insultuosos todos os dias, os quais estimulam o ódio e atravessam as fronteiras da lei. A Comissão Europeia estreitou o cerco contra essas mensagens, pressionando as redes a agir, e os tribunais nacionais já poderão pedir a empresas como a de Mark Zuckerberg que eliminem ou bloqueiem esses ataques, após denúncia da parte afetada. Mas a Justiça europeia foi além nesta quinta-feira. O Tribunal de Justiça da UE determinou que nada impede que os juízes de um Estado-Membro peçam também a supressão em nível mundial de ofensas na rede social.

Os juízes do bloco europeu interpretam que os magistrados que declararem ilegal um conteúdo em um país da UE têm o direito de solicitar que sua proibição seja estendida além das fronteiras dos 28 membros. "O Direito da União não impede que se obrigue o Facebook a suprimir comentários idênticos e, sob certas condições, semelhantes a um comentário declarado ilícito anteriormente", determinou.

Mais informações
Cinquenta procuradores-gerais dos EUA se unem para investigar o Google
Oito Estados dos EUA iniciam uma investigação contra o Facebook por práticas monopolistas
Milhões de telefones de usuários do Facebook aparecem em uma base de dados aberta na Internet

O pronunciamento ocorre após a denúncia da ex-deputada austríaca Eva Glawischnig-Piescze. A ex-parlamentar de Os Verdes foi alvo de comentários ofensivos e difamatórios de um usuário do Facebook, que a atacou em um post que acompanhava uma notícia da imprensa no qual aparecia a foto dela e declarações em que se posicionava em favor da concessão de uma renda mínima a refugiados deslocados para seu país.

Um tribunal austríaco declarou que o comentário atentava contra a honra da deputada e consultou a corte de Luxemburgo sobre o assunto. Em resposta, a Justiça europeia dá aos juízes livre arbítrio para pedir ao Facebook que suprima em todo o mundo o acesso a publicações declaradas ilegais "no âmbito do Direito Internacional".

A decisão abriu um debate sobre se é legítimo que a Justiça de um país estenda a proibição de uma publicação digital além de suas fronteiras. Os responsáveis pelo Facebook não concordam com essa ideia e veem na medida um perigo para a liberdade de expressão, já que isso poderia forçá-los a usar filtros automatizados que nem sempre são tão precisos a ponto de eliminar exclusivamente o conteúdo indicado como ilegal.

A expansão dos conteúdos de ódio na rede causa inquietação em Bruxelas. Em maio de 2016, a Comissão Europeia colocou as grandes empresas de Internet diante de um dilema: ou se empenhavam a fundo para eliminar conteúdos ilegais racistas, xenofóbicos e sexistas, ou a UE apertaria o cerco com um regulamento ao qual responderiam legalmente. Três anos depois, o Facebook, o YouTube e o Twitter afirmam que excluem mais mensagens do que nunca, e a maioria em menos de 24 horas, mas a vigilância da Comissão Europeia do fenômeno continua sendo firme.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_