Congresso aprova investigação para impeachment de Trump sob a oposição dos republicanos

Maioria democrata da Câmara valida as normas para começar o julgamento parlamentar do presidente, acusado de pressionar mandatário da Ucrânia para obter informações contra seu rival Joe Biden

Nancy Pelosi, nesta quinta-feira no Capitolio, dirige-se à imprensa antes do voto na Câmera.
Nancy Pelosi, nesta quinta-feira no Capitolio, dirige-se à imprensa antes do voto na Câmera.CHIP SOMODEVILLA / AFP

A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira, graças à maioria democrata, as regras do jogo pelas quais vão levar adiante a investigação para um possível impeachment ou destituição do presidente, Donald Trump. O processo entra agora em um estágio formal, com os ritos próprios de um julgamento parlamentar: com algumas audiências em aberto, direito de defesa para o mandatário, a quem se acusa de ter pressionado a Ucrânia para prejudicar seu rival político Joe Biden.

A sessão desta manhã marca o primeiro voto formal sobre este processo excepcional e serviu para evidenciar o partidarismo deste processo: 231 democratas e um independente votaram a favor da investigação, enquanto 194 republicanos votaram contra.

Mais informações

A presidenta da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, ativou o processo no dia 24 de setembro ao transcender as manobras de Trump para tentar que a Ucrânia investigasse seu rival político, o ex-vice-presidente Joe Biden, e o filho dele por seus negócios no país, o que prejudicaria eleitoralmente o pré-candidato Biden. A sequência de depoimentos desde então, a portas fechadas, revelaram que Trump se serviu de uma diplomacia paralela — na qual seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, desempenhava um papel fundamental — para influenciar e pressionar Kiev.

Um dos últimos a depor, o coronel Alexander Vindman, subiu a temperatura do Capitólio nesta terça-feira por ser quem é e o que ele contou. Membro do Conselho de Segurança Nacional e experiente na Ucrânia, Vindman foi o primeiro membro ativo da Casa Branca a testemunhar contra Trump e alertou que o mandatário pediu a outro país que pesquisasse um político norte-americano. O coronel escutou ao vivo a já famosa conversa telefônica entre seu chefe e o presidente ucraniano, Volodímir Zelenski, na qual o americano lhe pediu o “favor” de que desse uma olhada sobre o democrata Biden e seu filho, que trabalhava para uma empresa de gás na Ucrânia quando o pai era vice-presidente.

“Não pensei que fosse apropriado pedir a um Governo estrangeiro que pesquisasse um cidadão dos EUA, e estava preocupado pelos envolvimentos do apoio da Ucrânia para o Governo de EUA”, assinala Vindman em sua declaração inicial escrita ante o Capitólio. Depois, durante as perguntas, a testemunha acrescentou outros detalhes preocupantes, segundo fontes anônimas citadas pelos meios locais.

O coronel assegura que a transcrição do telefonema elaborada por servidores públicos da Casa Branca —uma prática habitual— ignorou elementos que considerava importantes, como a o fato de Trump ter assegurado de que tinha gravações de Biden falando de corrupção ou a menção por parte de Zelenski do nome da companhia de gás Burisma Holdings. Vindman assinala que tratou infrutiferamente de corrigir essa transcrição.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50