Processo de impeachment de Donald Trump

Processo de impeachment de Trump revoluciona a campanha dos EUA

O processo de destituição dá a um presidente desgastado uma arma para mobilizar a base e será crucial para os democratas, cujo favorito, Joe Biden, pode acabar sendo um dano colateral

O presidente dos EUA, Donald Trump.
O presidente dos EUA, Donald Trump.JONATHAN ERNST (REUTERS)

O impeachment contra Donald Trump situa a política norte-americana num território não mapeado. Nunca antes aconteceu no meio de uma disputa presidencial moderna. Ninguém sabe como o afetará. Mas poucos duvidam que marcará as eleições de 2020. O processo oferece ao presidente, que chega desgastado, uma oportunidade de mobilizar a base, mas o afasta de suas prioridades políticas. Para os democratas, em plena etapa de escolha de seu candidato, é o momento da verdade. Cai como uma bomba sobre as duas almas do partido, encarnadas em Elizabeth Warren e Joe Biden, ainda favorito, que poderia ser transformado pelo impeachment num dano colateral. 

É a quarta vez na história que os Estados Unidos iniciam o processo de destituição de um presidente em exercício, e isso nunca prosperou. O primeiro caso, contra Andrew Johnson, oferece pouca luz porque ocorreu há 151 anos. Os dois últimos, contra Richard Nixon e Bill Clinton, ocorreram nos segundos mandatos dos presidentes, quando já não podiam concorrer à reeleição. 

Mais informações

Trump chega ao processo com índices de popularidade muito baixos (cerca de 43%). O impeachment tampouco costuma gozar da estima dos eleitores (apenas 37% o apoiam, segundo uma pesquisa recente). À medida que mais democratas se somarem ao pedido, é possível que a simpatia pela destituição melhore entre os eleitores do partido e os indecisos. Não tão claro é o potencial efeito na popularidade de Trump. A de Clinton aumentou (até 73%) com seu processo de afastamento, e a de Nixon caiu consideravelmente (a 23%). Mas Trump começa numa posição mais baixa e tem menos terreno para perder. 

O presidente afirmou, faltando à verdade, que seus índices de popularidade são muito altos e que o impeachment é a única maneira que os democratas têm de pará-lo. O certo é que todas as pesquisas apontam sua derrota num eventual enfrentamento com Joe Biden, o favorito dos democratas. Mas a sua popularidade continua sendo muito alta entre os republicanos. Prova disso é que, justo no dia em que o impeachment foi anunciado pela presidenta da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, Trump arrecadou um milhão de dólares (4,1 milhões de reais) para sua campanha. 

O processo, portanto, dará a Trump uma arma para mobilizar suas bases. Algo muito extraordinário terá que surgir da investigação para que, no final do processo, o Senado (de maioria republicana) não o absolva. Assim, pela segunda vez em seis meses, o presidente poderá falar dessa “exoneração total” que tão bem funcionou após o “Relatório Mueller”. E os eleitores indecisos, fartos do empenho em reverter o resultado das eleições anteriores, poderiam castigar os democratas. Por isso Pelosi se resistiu durante tanto tempo. E por isso ela e outros moderados desejariam uma conclusão rápida. 

Não convém ignorar que os democratas recuperaram a maioria na câmara baixa, nas eleições de novembro do ano passado, falando de assuntos que afetam a vida dos eleitores, como a saúde, a educação e as desigualdades. No meio de um processo de impeachment, haverá pouco espaço para falar de outros temas. 

Mas a previsível paralisia legislativa, com o Congresso concentrado na investigação, tampouco convém a Trump. O processo pode imobilizar algumas iniciativas fundamentais do presidente, com a aprovação do acordo comercial com o México e o Canadá, assim como o avanço das negociações com a China.

O que ninguém duvida é que a investigação terá um importante efeito sobre o processo de escolha do candidato democrata para as eleições de novembro de 2020. Em primeiro lugar, é muito provável que ela deixe a disputa ainda mais complicada para os 19 candidatos restantes: aqueles que hoje não conseguem se destacar terão ainda mais dificuldade para se fazer ouvir quando o debate se distanciar das ideias e se concentrar em questões de Estado. 

A grande incógnita é o efeito que o processo poderá ter sobre o candidato apontado por todas as pesquisas como favorito: Joe Biden. A campanha do ex-vice-presidente pode acabar sendo um dano colateral da investigação do impeachment, ativada após um telefonema em que Trump pedia ao presidente uraniano, Volodimir Zelenski, que investigasse as atividades de Biden e de seu filho Hunter na Ucrânia. Talvez não haja nada de criminoso nisso, mas na política a realidade é menos importante que as aparências. E aqui as aparências — um cargo no conselho de uma das maiores empresas privadas de gás ucranianas, quando seu pai era vice-presidente dos EUA, por 50.000 dólares (205.000 reais) mensais— são feias.

Trump, que tem uma fixação com Biden, repetirá isso com insistência. E os democratas tampouco deveriam subestimar a capacidade do Senado de reverter a situação quando o processo chegar ao seu lado do Capitólio. A câmara alta conta com poucas restrições sobre o que pode fazer quando o processo de impeachment a transformar num tribunal. Poderia, por exemplo, chamar Hunter Biden para depor sobre suas atividades na Ucrânia, a fim de demonstrar que o pedido de Trump a Zelenski foi legítimo, pois tentava proteger os interesses dos EUA. Conhecendo a maneira como Trump e a liderança do Senado gastam suas fichas, tudo indica que a defesa do caso, quando chegar à câmara alta, será no mínimo agressiva.

Além do efeito sobre Joe Biden, a investigação também terá um impacto sobre sua principal adversária, a esquerdista Elizabeth Warren. Ela já se aproximava dele nas últimas semanas, e isso pode acabar confirmando a tendência. Ou não. A senadora de Massachusetts não está livre de riscos. Ter Biden constantemente no centro das atenções, transformado no rival de fato, poderia prejudicar a carreira ascendente de Warren. Ela foi inclusive a primeira a pedir o impeachment, o que a deixa mais vulnerável ao seu sucesso ou fracasso. Por último, o fato de que o foco esteja na investigação pode livrar Warren do desconfortável escrutínio, por parte da imprensa conservadora, de suas arriscadas propostas, muito à esquerda do centro gravitacional da política norte-americana.

O tempo dirá se o caminho sem mapas no qual o país acaba de entrar levará à direita, à esquerda ou ao centro. Se a viagem se aprofundará mais na polarização que hoje atinge o país, deixando as partes ainda mais irreconciliáveis, ou se, ao contrário, acabará sendo um revulsivo para rejeitar os casos que levaram os legisladores a adotar a medida mais grave prevista na Constituição: a de tentar afastar, sem passar pelas urnas, um presidente em exercício.