Processo de impeachment de Donald Trump

Casa Branca tentou esconder telefonema de Trump para a Ucrânia, segundo denunciante

O informante afirma em texto que estava sob sigilo que o presidente usou Zelenski para “promover interesses pessoais” e influenciar as eleições de 2020

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, ao lado de Donald Trump, na Assembleia Geral da ONU, em 25 de setembro de 2019.
O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, ao lado de Donald Trump, na Assembleia Geral da ONU, em 25 de setembro de 2019.JONATHAN ERNST (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Com base nas informações recebidas de "mais de meia dúzia de funcionários do Governo", o informante escreveu um texto de nove páginas no qual descreve como a Casa Branca tentou "bloquear" os registros de uma conversa telefônica ocorrida em 25 de julho entre o presidente norte-americano e o ucraniano, Volodímir Zelenski. No decorrer do telefonema, dias depois de ordenar o congelamento de um pacote de ajuda militar à Ucrânia, no valor de centenas de milhões de dólares, Trump pediu a Zelenski que investigasse seu rival democrata Joe Biden, favorito para enfrentar o presidente republicano na eleição de 2020, e seu filho Hunter.

“Essa interferência inclui, entre outras coisas, pressionar um país estrangeiro a investigar um dos principais rivais políticos domésticos do presidente. O advogado pessoal do presidente, Rudolph Giuliani, é uma figura central nessa tentativa. O secretário de Justiça [William] Barr parece estar envolvido também”, escreve o denunciante. Na ligação, que na véspera teve um registro de anotações também desclassificado, o presidente Trump pede a Zelenski que investigue os Bidens e lhe diz que Barr e Giuliani iriam lhe telefonar para ir “até o fundo da questão”. O texto desclassificado na quarta-feira não é uma transcrição literal da conversa, mas o produto das anotações e da memória dos funcionários e do pessoal designado para ouvir e registrar por escrito a conversa no momento em que transcorria.

A identidade do informante não é revelada no documento desclassificado, mas pelo tom se depreende que tem amplo conhecimento da política externa dos EUA na Europa, bem como da situação atual e da história recente na Ucrânia. The New York Times afirma, citando três fontes anônimas, que é uma agente da CIA que tinha sido alocada para a Casa Branca e depois retornou à agência.

De todo modo, a conversa telefônica alarmou tanto o oficial de inteligência em questão que decidiu registrar uma queixa anônima. Nela, o denunciante diz que "altos funcionários da Casa Branca intervieram para bloquear todos os registros da ligação telefônica, especialmente a transcrição literal oficial que tinha sido feita, como de costume, na situation room [a sala de crises]" da residência oficial do presidente. "Essas ações enfatizam para mim que os funcionários compreendiam a seriedade que emergia do telefonema", conclui. As autoridades que lhe revelaram os detalhes da ligação, acrescenta o informante, estavam "profundamente inquietas".

Os advogados da Casa Branca, de acordo com o denunciante, ordenaram que os registros da conversa telefônica com Zelenski fossem removidos do sistema onde normalmente seriam armazenados e que fossem transferidos para o sistema no qual são deixadas as informações mais sigilosas, aquelas com implicações para a segurança nacional, embora o conteúdo da chamada não atendesse aos requisitos para ser guardada ali. Em um apêndice ao texto, o informante afirma ainda que, de acordo com os funcionários, não era a primeira vez na Casa Branca de Donald Trump se tratava desse modo a transcrição de uma conversa do presidente, "com o único propósito de proteger informações politicamente sensíveis e não relacionadas à segurança nacional".

No texto, o denunciante anônimo também confirma que houve a continuação do caso a que Trump se referia no telefonema. "Em 2 de agosto ou perto dessa data", escreveu, "Giuliani viajou supostamente para Madri para se encontrar com um dos assessores do presidente Zelenski, Andriy Yermak". "Os funcionários [que informaram o denunciante] caracterizaram essa reunião, que não foi divulgada publicamente na época, como o 'prosseguimento direto' do telefonema entre o presidente e Zelenski nos casos que discutiram", diz ele.

Rica em detalhes, a denúncia desclassificada lança mais combustível no processo de impeachment — o julgamento político no Congresso de um alto funcionário por crimes graves, previsto na Constituição — que a presidenta da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, anunciou na terça-feira que iria iniciar. Proporciona também um roteiro para os democratas, com testemunhas que podem ser chamadas para depor na investigação dos congressistas que precede o possível julgamento político para destituir um presidente. Por fim, adiciona um pouco mais de pressão aos republicanos moderados que optam por continuar defendendo Trump.

O presidente rejeita as acusações de que agiu de maneira inadequada e, na manhã desta quinta-feira, em um tuíte, ele se referiu à trama como "a maior farsa da história da política” dos Estados Unidos.

A denúncia, dirigida aos presidentes dos Comitês de Inteligência das duas Casas do Congresso, chegou às mãos de Joseph Maguire, que havia sido nomeado por Trump para o cargo de diretor da Inteligência Nacional, e que o ocupa interinamente, apenas quatro dias antes da data em que foi encaminhada. Ele decidiu não a compartilhar imediatamente com o Congresso sem antes de ouvir a opinião da Casa Branca sobre seu grau de confidencialidade.

O texto foi divulgado horas antes de que Maguire, na manhã desta quinta-feira, comparecesse perante o Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes. Em seu testemunho, concluído ao meio-dia, o almirante reformado da Marinha, sem muita experiência nos meandros da inteligência, defendeu com solidez sua decisão de não compartilhar imediatamente com o Congresso a queixa anônima.

Maguire alega que os fatos denunciados, por fazerem parte de uma conversa do presidente com um líder estrangeiro, poderiam estar protegidos pelo privilégio executivo, medida que ele não está autorizado a sobrepujar e que, por fim, a Casa Branca decidiu não aplicar. O privilégio executivo outorga ao presidente a capacidade de reter a divulgação de informações ao público, ao Congresso e aos tribunais quando o assunto se refere à segurança nacional. Maguire também afirmou que avalia que o denunciante "fez o que considerou que era o correto" ao enviar sua queixa.

O relato do denunciante anônimo sobre os telefonemas de Trump a Zelenski (em inglês)

Arquivado Em: